sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Grito calado-Lívia Natália-BA.


Censurada, a poesia da baiana Lívia Natália enfrenta o discurso oficial e o poder armado
Foto: Divulgação

Lívia é dessas brasileiras que não passam à toa, imponente e simples, cheia de brilho, beleza e brio intelectual. Sua poesia é um dardo imenso que nos atinge com a força da verdade e uma lírica azul. Um de seus poemas a define melhor:
“Às vezes é um vento mais forte/e ele vem de longe, tangendo colinas/E as tardes se emancipam de mim/como se fosses feitas de puro desejo./Um azul intenso devora meus dedos/e os olhos, inteiros, são oceano e vão/e estou perdida: não há portas/mas as chaves persistem/pendendo de minhas mãos…”
(“Sometimes”, in outrasaguas.blogspot.com.br)
Sua lança poética de brio negro sacode-nos e alveja nossas máscaras de pais ditos de branco, e na verdade somos negros mascarados de uma brancura que não diz nada nem revela-nos; apenas fere-nos:
“Contra o genocídio da juventude negra”
A bala rasga a pele do menino preto,
E é um chicote, açoitando por dentro
A bala abre o peito do menino preto,
O que ela procura no coração triste de medo
A bala sangra a vida do menino preto
E no seu sangue se banham muitas mãos.
A bala silencia a voz de mais um menino preto
E há uma legião de fantasmas pretos, calados e sem consolo.
A bala condena à morte o menino preto
E o tribunal é de rua, e anda fardado.
A bala estraçalha a família do menino preto:
Olhos à deriva, lacrimosos, numa outra travessia negreira.
A bala nunca dorme, cochila
engatilhada
Ela fareja os meninos pretos
Até os que ainda nem nasceram.”
(“À Bala”, inédito)
Lívia Natália, poeta baiana, doutora em Estudos Literários e professora de Teoria de Literatura na UFBA. Afora suas atividades acadêmicas, ela produz oficinas de criação literária. Ela tem dois livros: Água Negra (2011), premiado pelo Concurso Literário do Banco Capital, e Correntezas e Outros Estudos Marinhos (2015). O poema Quadrilha foi colocado em outdoors espalhados pela cidade de Ilhéus, no sul da Bahia, como parte do projeto Poesia nas Ruas. Causou polêmica, tendo sido removido em janeiro sob a acusação de agressão à polícia. (O Poesia nas Ruas tem também poemas de Nelson Maca, Alex Simões e Mel Adún.)
Em rede social diz a poeta: “No centro da censura, meu poema. E ainda dizem que estamos em 2016.” Sua declaração faz pensar no Foucault de A Ordem do Discurso: “(…) em toda sociedade a produção do discurso é ao mesmo tempo controlada, selecionada, organizada e redistribuída por certo número de procedimentos que têm por função conjurar seus poderes, dominar seu conhecimento aleatório (…)”.
“Maria não amava João.
Apenas idolatrava seus pés escuros.
Quando João morreu,
assassinado pela PM,
Maria guardou todos os seus sapatos.”
(“Quadrilha”, in Correntezas
e Outros Estudos Marinhos)
Link curto: http://brasileiros.com.br/sXVGr

Escritor Paulo Vasconcelos participa da Bienal do Livro

http://brasileiros.com.br/wp-content/uploads/2016/08/joselinsREGO.jpgO colunista da Brasileiros 
integra debate sobre a obra de José Lins do Rego
O escritor Paulo Vasconcelos participa de debate nesta quarta feira às 18h na Bienal internacional do Livro de São Paulo. Vasconcelos é doutor pela Escola de Comunicação e Artes da USP e colunista da Brasileiros. Ele integra a mesa José Lins do Rego um paraibano e o olhar sobre a casa, na qual se discutirá a obra de Rego, um dos romancistas regionalistas mais prestigiosos da literatura nacional, consagrado pelo livro Fogo morto, publicado em 1942.
O debate faz parte do projeto Pernambuco Continente Imagináriouma parceria entre a Bienal Internacional de Pernambuco, que acontece de 06 a 15 de outubro, e a de São Paulo. O projeto promove debates, mesas e atividades com escritores do Estado, imortalizado por nomes como Gilberto Freyre e Maximiano Campos. A relação entre a literatura e o cinema é um dos destaques da agenda do projeto que traz debate com o cineasta Lírio Ferreira, um dos co-realizadores do filmeBaile Perfumado.
Na edição deste ano, a Bienal apresenta 280 expositores, com representação das maiores editoras do país, além de autores e uma vasta programação cultural. Assim como nas edições passadas, o evento será sediado no Pavilhão do Anhembi, na zona norte paulistana. Acesse a programação completa do evento neste link.
Link curto: http://brasileiros.com.br/OC9V6
Tags: 

terça-feira, 2 de agosto de 2016

* Por Sidney Rocha e Paulo Vasconcelos *
Em tempos de tantas fagulhas, de dilaceramento de propósitos, insegurança de futuro, refleti com Sidney Rocha sobre a relação entre politica e literatura no incendiar de novos cenários em nosso País. A literatura, se não é o espelho, é um encontro de propósitos cujas demandas necessariamente são políticas, e isto em todos os gêneros, seja na crônica, na poesia, no conto ou no romance. Escrever, mesmo em estados ficcionais, é do homem e suas circunstâncias.
Literatura e política são, pois, binômios fundantes da escritura, ou uma etopoiética se não de engajamentos políticos, acentuados ou não como foram João Cabral de Melo Neto, Thiago de Melo, Joaquim Cardozo, Verissimo, Jorge Amado, Graciliano, Jose Lins do Rego, Ruffato, entre tantos, afora os latinos como Neruda, Benedetti, Cortázar, Garcia Márquez Otavio Paz , Soler…..
Para tanto, buscamos escutar alguns nomes de nossa literatura, de modo que possamos nos aproximar do tema e visualizarmos esse par que atravessa nossa história e compõe na contemporaneidade seu tecido do devir.
No último dia 31 de março, subia ao pequeno púlpito, ao lado da presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, um dos maiores escritores brasileiros vivos: Raduan Nassar. Sem nenhuma filiação partidária, e longe dos holofotes literários, o autor deLavoura arcaica se juntava a outros intelectuais como Chico Buarque e Eric Nepomuceno, por exemplo, para deixar pública sua atuação contra o impedimento da presidente, e acendia luzes também sobre a função ou imagem do escritor brasileiro em momentos como esses.
Será um romance proletário?” A pergunta vem da epígrafe de Cacau, de Jorge Amado (na foto, 1912-2001), publicado em 1933. Nesse mesmo ano, Pagu, pseudônimo da poeta comunista Patrícia Rehder Galvão (1910-1962), lançava seu romance Parque industrial, onde apontava dois universos de trabalhadores nas cidades: os militantes-conscientes e os alienados. Sem meios-tons.
Daquela década não faltam exemplos de escritores engajados, de quem já não se falava à época — e hoje muito menos — como Ranulfo Prata (Navios iluminados, 1937) ou, antes, Juvêncio Campos (Gororoba, 1931). Assim, “literatura proletária” e “realismo socialista” (como entende G. Struve: “criação de obras de elevado nível artístico, marcadas pela heroica luta do proletariado”) eram termos de uso corrente entre escritores do Brasil.
Para discutir a relação entre literatura e (ou versus) política, falamos com Cristhiano Aguiar, autor de Recortes de Hannah, vencedor do Osman Lins de LiteraturaDemetrios Galvão, poeta, editor da revista Acrobata e professor universitário; o poeta Lau Siqueira, autor de Poesia sem pele; Micheliny Verunschk, autora de Nossa Teresavida e morte de uma santa suicida, vencedora do São Paulo de Literatura, e o critico e escritor Nelson de Oliveira, autor de Fábulas, ganhador do Prêmio Casa de Las Américas.
Outros autores e autoras, de direita ou esquerda, foram convidados, mas preferiram não participar da enquete. Um deles se justificou assim: “Escritores têm opinado demais sobre tudo.”
Outros simplesmente reforçaram a ideia antiga de que escritores-devem-somente-escrever. E com isto, sem saber, confirmaram a velha declaração do russo Mikhail Bulgákov (1891-1940): “Peço ao governo soviético levar em consideração que não sou um político, mas um escritor.” Sem deixar clara a linha que separa um do outro.
Toda arte é engajada? O assunto não tem fim. Mas seria toda arte propaganda? Assim pensava George Orwell (1903-1950). Demetrios Galvão discorda: “A arte é um espaço que produz visibilidade. Aí o artista escolhe aquilo que pretende mostrar.”
Antonio Moura também considera Orwell reducionista nesse ponto. “É como cortar as seis cabeças da hidra, deixando-lhe apenas uma. Quando isso acontece, geralmente vem a serviço de um Estado totalitário, tirando da literatura o que lhe é mais precioso: a liberdade de expressão.”
Mais contundente foi Gueórgui Plekhánov (1856-1910): “Se um escritor emprega argumentos lógicos em lugar de imagens, ou se as imagens que criou servem-lhe para demonstrar tal ou qual assunto, não se trata de um artista, mas de um publicista, mesmo que escreva, em vez de ensaios e artigos, romances, novelas ou peças de teatro.”
Então, até onde cabe, se é que cabe, o envolvimento das artes literárias no game político?
Para Micheliny Verunschk, “o capitalismo tem medo da literatura, da grande literatura, porque ela é libertadora.” Sem esquecermos de a história ter comprovado, com uma quantidade enorme de exemplos, o quanto o comunismo teve e tem mais medo ainda.
“Quem gostaria de viver no mundo criado pelas obras do Marquês de Sade? Eu mesmo, não.” Pergunta e responde Aguiar. “Não concordo com muitas das ideias políticas de Balzac, Borges ou Bioy Casares. E, mesmo assim, estes autores me influenciaram bastante.”
Lau Siqueira, “cidadão assumidamente de esquerda”, como se define, com atuação política também como gestor público, defende ideia bem clara quanto à sua própria obra e os laços com a política: “Acho que Brecht cuidava bem disso. Mário de Andrade foi o primeiro gestor de política do Brasil, Drummond foi chefe de gabinete de Gustavo Capanema, Neruda e Maiakovski eram do PC. Mas, quanto a minha obra (…) não guardo nem procuro guardar nenhuma identidade política. Faço meus passeios minimalistas e neobarrocos, às vezes, lirismos radicais, mas sem laços com a política.”
Contudo, se nota atualmente militância por certo “deboísmo” literário ou militância do não-engajamento?
— Você está falando dos isentões? — pergunta Micheliny.
— Vivemos a ditadura do hedonismo — reflete Nelson de Oliveira.
— Ora, ninguém se retira da História, ninguém se coloca acima do seu tempo — acrescenta Verunschk. — Interessam-me as lutas do povo do qual sou parte, suas narrativas e os modos pelos quais se colocam de pé frente às injustiças.
— Esse debate é profundo e é preciso muito esforço para ser resolvido, não dá pra ficar ‘de boa’ diante desse quadro social — espichou Demetrios.
 Pois é — acrescentou Moura — o deboísmo é simpático nas relações sociais, mas a arte e a cultura precisam ser constantemente debatidas. Num País patético e injusto como o nosso, deve-se lutar por cidadania, e a cidadania também implica em falar por si por aquilo que defende.
Aguiar vai buscar na sua obra as relações mais aparentes:
— Observando meu livro, ainda inédito, vejo uma série de alegorias sobre ditadura militar, a desocupação do Pinheirinho, tensões raciais, regionais, e política (…) há sempre um fundo de discussão a respeito do sagrado, por exemplo, e isso se mistura a uma já citada alegoria sobre violência do Estado, certos radicalismos, temas de urgente discussão hoje em nosso País.
— Quando a vida radicaliza, precisamos saber de que lado estamos — afirma Siqueira.
— Esse posicionamento de modo direto é necessário a qualquer um, independentemente de ser escritor ou não — emendou Moura.
— Minha militância é com a cultura, a literatura. Minha bandeira é a da tolerância e dos afetos — reafirma Galvão.
— Quanto a mim, não creio no Estado, nem no governo, seja de direita ou esquerda — diz Nelson de Oliveira, desconfiado até da própria sombra da individualidade, no conjunto de sua fantasia ficcional, por isso atende por outros nomes como Luiz Bras.
Micheliny Verunschk argumenta que “toda obra literária é política, no sentido de que todo romance ou conto ou poema se filia a valores e compreensões de mundo bem marcados. Não há obra neutra, portanto.”
Certa vez, num amplo debate de escritores latino-americanos, o escritor mexicano Pablo Soler Frost resumiu muito bem o assunto: “Literatura política quer dizer literatura comprometida. Durante todo o século XIX e XX até a queda do Muro de Berlim, a literatura política tomou partido dentro do terreno das ideias. Mas hoje, tudo é política: o corpo, nossa atitude com os animais etc.”
No texto “Os escritores e o poder”, Octavio Paz abordou o tema por outro ângulo:
“A política encheu de fumaça o cérebro de Malraux, envenenou as insônias de César Vallejo, matou García Lorca, abandonou o velho Machado num povoado dos Pirineus, prendeu Pound num manicômio, desonrou Neruda e Aragón, expôs ao ridículo Sartre, deu razão tarde demais a Breton… Mas não podemos renegar a política; seria pior que cuspir contra o céu: cuspir contra nós mesmos.”
Em entrevista à célebre The Paris Review (que inspirou o projeto da São Paulo Review), Ernest Hemingway respondeu à questão “em que medida considera que o escritor deve envolver-se nos problemas sociopolíticos de sua época?” desta maneira:
“Cada um tem sua própria consciência, e não deveria haver regras para o funcionamento da consciência. A única coisa de que podemos estar seguros a respeito de um escritor politizado é que, se sua obra perdura, alguém terá de passar ao largo da política quando o leia. Muitos dos escritores chamados politicamente comprometidos mudam suas ideias políticas frequentemente. Isto é muito excitante, para eles e os resenhistas político-literários. Às vezes até devem reescrever seus pontos de vista… e apressadamente. Talvez tudo isso pode respeitar-se considerando que é uma forma de busca da felicidade.”
Uns mais para um lado, outros para o outro, companheiros de viagem, aqui, engajados ou não, têm um centro em comum: a obra literária deve pensar e refletir o mundo e o humano. A pauta política surge de modo natural, do compromisso com a linguagem.
Há uma linguagem, na literatura, de esquerda, e outra, de direita, no Brasil? A literatura de direita é a mesma que produzia Guimarães Rosa, ou Jorge Luis Borges, ou Ezra Pound, ou Céline? E da literatura brasileira, quem tem medo, hoje? Talvez a literatura tenha se cansado de ser bela, decorativa, recatada e “do lar” e queira reivindicar um pouco mais das vísceras do mundo e menos dos intestinos dos seus autores. Sem recorrermos a detestáveis infográficos, o que pensa mesmo o escritor deste século e o quanto fazem pensar suas obras? Será que estamos diante do tipo de artista de Hoffmann — mencionado pelo crítico francês Sainte-Beuve (1804-1869): “com o gênio inquieto, os olhos assombrados – místicos sem fé, gênios sem obra, almas sem órgãos?”
Talvez, ainda recatados e do lar, alguns escritores brasileiros se sintam bem à vontade nos salões e feiras, com literatura tipo exportação, porém se melindrem com palavras tais como produto, mercadoria, política, mercado, indústria da literatura. Talvez saturados de si mesmos, dessa (com permissão da palavra) “arte” individualizada — remem melhor em direção a uma “arte” contextualizada.  Ou, como diz Nelson de Oliveira, que anda pregando nas suas oficinas Brasil afora nova literatura ou novíssima indústria bélica  — e com ele talvez estejamos melhor: “Que meus livros sejam disparos à queima-roupa. Essa é a única argumentação política na qual acredito, neste momento nojento. Livros-revólveres.”
Nada como pensar e tecer a fibra densa do hoje e do amanhã com fachos de sobriedade e consciência política: isso a literatura pode nos doar, sugerir. Ela é capaz de promover o entendimento do homem e suas idiossincrasias, sobretudo no âmbito da política e neste momento atormentado em que o País mergulha. Um período em que, muitas vezes, o jornalismo consagrado não nos salva, como uma literatura do cotidiano contingenciada por interesses dos grandes grupos de mídia e a serviço de uma elite desnutrida de face não ilustrada, submetida aos desígnios do capital.
*
Sidney Rocha é escritor. Vencedor do Prêmio Jabuti com O destino das metáforas (contos, Iluminuras, 2011). Autor de Matriuska (contos, Iluminuras, 2009) e dos romances Sofia(Prêmio Osman Lins) e  Fernanflor (Iluminuras, 2015). Este ano publica Guerra de ninguém (contos), também pela Iluminuras
Paulo Vasconcelos é escritor, crítico literário e colaborador da São Paulo Review

As caminhadas poéticas de Fabrício Marques

Costumo ao viajar tomar emprestado, como os cegos, a guia de amigos; em geral, são poetas e escritores que me descrevem a cidade e me revelam locais e cheiros
Respiro à margem, do lado de fora
onde tudo é a flama do incontido.
Respiro por precaução
Entre vizinhos que mal se conhecem
Lento entranhar-se entre estranhos.
Respiro em surdina, na cidade que se abre
(trecho de Fôlego Fátuo, em A Fera Incompletude, Dobra Editorial)
Costumo ao viajar tomar emprestado, como os cegos, a guia de amigos; em geral, são poetas e escritores que me descrevem a cidade e me revelam locais e cheiros. Assim foi com Fabrício Marques. Zanzando pelas palavras, dobrando-as e desdobrando-as, Fabrício constrói ensaios, crônicas e contos sobre a cidade e lança um amálgama de perguntas em sua poesia.
Meu encontro com ele em Belo Horizonte foi no Edifício Maletta, ainda cheio de glórias e poetas, na confluência da avenida Augusto de Lima com a rua da Bahia.
Ali no bar, sentado em meio à conversa variada, ele se entrega como um poeta a um só tempo antigo e novo, de palavra ácida, que usa com exatidão de porcelana. Diz de si, do outro e da cidade. Conhecedor de seus becos, ele transita por ela com o olhar de gato do mato, para atestar sabores desconhecidos.
Tá vendo este aqui, mais ao centro?
Sou eu
E este mais à direita, com o pé na fórmica prateada?
Também sou eu
Este aqui
na corda bamba
desequilibrista
do trapézio ao trampolim
Senhor Por Um Triz
(trecho de Fotografias, em A Fera Incompletude)
O escritor e poeta Fabricio Marques. Foto: Divulgação
O jornalista e poeta Fabricio Marques. Foto: Divulgação

Fabrício Marques nasceu em 1965. De Manhuaçu, Minas Gerais, mora em Belo Horizonte. Poeta e jornalista, tem doutorado em letras pela UFMG. Possui várias obras: Aço em Flor: a Poesia de Paulo Leminski (Autêntica), Meu Pequeno Fim (Scriptum), Dez Conversas (Gutenberg) e A Fera Incompletude (finalista do Jabuti e do Portugal Telecom), além dos livros para crianças O Zoológico da Sofia e O Pequeno Livro dos Recordes (ambos pela Aaatchim!).
Sendo múltiplo na escrita, do jornalismo aos ensaios e daí aos versos, ele chega ao livro-reportagem, em que revisita a sua Belo Horizonte na visão de autores de várias épocas, dos modernistas da década de 1920 a alguns mais recentes. Uma Cidade se Inventa (Scriptum) é uma cartografia séria, serena. Aqui ele vira tatu para deslindar a cidade nas suas festas, viadutos, avenidas, bares, livrarias.
Mas cutuquemos seus versos:
Sou um homem sem retrovisor./ Ando todos 
os dias/ logo de manhã, nas ruas da cidade. 
Pessoas pessoas pessoas/ descem e sobem, 
me atravessam/ Sou um homem fora da faixa 
Andar, paraíso portátil sujeito a multas./ 
Em cada expedição diária/ acumulo acidentes e alguns desastres
Sou um homem sem maçaneta/ Cruzando os semáforos do planeta/ Córdoba, Cádiz, Arpoador, Belvedere
Que mundo esse /indiferente ao espetáculo/ de alguém a caminhar/ sem saber pra onde vai.
Encontro-me perdido./ Errei de rua, errei de mim. Perdido, encontro-me.
(trecho de Caminhada)
Fabrício há que ser lido para pensarmos a atual poesia das Minas Gerais.
*É paraibano, mestre e doutor pela ECA-USP. Professor de Teoria Literária em universidades privadas e consultor editorial da área de Literatura, além de contista e poeta com livros publicados (paulovasconcelos@brasileiros.com.br).

Link curto: http://brasileiros.com.br/8dXzf

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Cazzo Fontoura, o roedor de versos





O poeta de Salvador mistura formas e suportes, sentidos e sensações

Ele: uma sanha enfática na busca do sentido, colhe tudo – e com o bico de poeta sai esfarofando as palavras, os fatos, o possível visível para  registrar o fundo do motivo poético. Com inclinação para as letras desde cedo, o baiano esmiúça poetas que leu (Drummond, Cecília Meireles, Oswald, Bandeira), e estes se escondem na largura de seus versos em mutação. “Não sou triste nem alegre…” Mas o poetar não se fixa apenas nos poemas, como ele mesmo diz, e sim na poesia. Daí, Oxóssi pode ser tema, nota, mote, motivo, e também Luiz Gonzaga, Glauber Rocha, Nina Simone, João Gilberto ou Chet Baker – paredes ou coisas grafadas, “impronuncindível”, e assim vale BRSTZDC ou PVZQBGD.
Cazzo, poeta jovem que se estende também pela imagem com que trabalha; afinal, palavra e imagem são primas e, quiçá, irmãs. E, para escutar a imagem e as palavras, é bom fuçá-las emSelfie Poesia, com o intuito de entrevistar poetas que depõem sobre o processo criativo. Vale muito pousar lá: http://on.fb.me/1NB8ycj .
Inquieto, o baiano, além do mais, é professor. Que farra! E fala de futebol, com livro na praça em formato digital: Crônicas da Fatídica Copa do Mundo no Brasil. Mas, como bom roedor, segue em frente na sua ambiguidade poética, coisa bem dos novos poetas de metrópole, que dizem a cidade, o mundo das antenas parabólicas, as chaves, reciclando para o verso firme.


Onde o poeta/ vê estrelas/eu vejo antenas parabólicas.
Cazzo há de ser lido e relido, para nos apropriarmos do verso contemporâneo duro e certeiro, nova visão do mundo em estado de contraglobalização. Daí o design de seu livro de poemas vir em tela de processador de texto. Refiro-me a Leitura Neon-Reciclada (editora Organismo, 2014).
Conversar com Cazzo é sentir o cheiro do inquieto, ele fala, ora ligeiro, às vezes ponderado, mas há a nítida sensação de um nervo exposto para querer melhor cuspir sua poiesis, e isso se faz visível em sua produção, em que, entremisturando um jeito concretista, faz também uso do soneto, de palavras e sons. É preciso escutá-lo, emergem de suas palavras poéticas versos astutos, janelas/portas, cinismo machadiano ou um Arranjabuso para Antonio Abujamra.
Vamos senti-lo em descomunais saídas poéticas:

[…] Recôncavo é o inverso / a cor preta 

é preta / (a cor da gente)
santos, santas, pastores, assembleias, santinhos.

16 motocicletas / tem mais roda 

que um ônibus
E fechando temos diversidades do poeta (tal e qual está lá):

NEM TUDO É PERFEITO / MUITO MENOS PERFEITO / TENTAR FOTOGRAFAR / ÁRVORE TRISTE / 

NA FRENTE DA CASA / QUANDO 
NÃO SE TRATA DE UMA SIMPLES 
CASA / PORQUE SURGE / COMO UM SUSTO / TRECHO DE GRADE / ATRAPALHANDO GALHOS
Para ler Cazzo, é preciso que o leitor tenha a sensibilidade para o motor semântico e sintático de sua poesia, num concreto disfarçado:
E NADA NOVO, NADA INTENSO SOMOS (A DANÇA( IN THE RAIN)
*É paraibano, mestre e doutor pela ECA-USP. Professor de Teoria Literária em universidades privadas e consultor editorial da área de Literatura, além de contista e poeta com livros publicados (paulovasconcelos@brasileiros.com.br).
Link curto: http://brasileiros.com.br/60oHH

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Um “emeio” amassado


Um “emeio” amassado

Na crônica das praças e ruas, as histórias de amor se encontram nos lixos e terminam na página impressa
Vivo em uma cidade de poucas praças, quase meia dúzia. Exagero, talvez. São Paulo não gosta mais de praças, a não ser para vender. Depois de maduro, viageiro, voltei a usufruir da praça para por os músculos esticados e fotografar. Sim, fotografo com os olhos e os ouvidos, e ainda pego a escuta e as imagens das ruas (as ruas por vezes se fazem praça, como a Avenida Paulista, à noite). Frequento e sugo tudo, como crônica, nas vozes dos seus usuários. É bacana e tomo as conversas como suco da vida que os homens dizem.
Lembrei-me, outro dia, de Rubem Braga, Antônio Maria, Fernando Sabino, Drummond, Paulo Mendes Campos, Clarice Lispector – todos tomadores desses sucos nas crônicas, em que expunham o invisível (ou visível, criado pela literatura), inspirados nos “oooosss”, isso mesmo, nos “ooossss” do cotidiano, soletrando amores, desamores, política e tudo mais. Ainda há outros, raros, hoje em dia, com a destreza poética que aqueles teciam.
Na miudeza dos fatos, no tosco do simples, o cronista, que beira a poesia e às vezes se aproxima do conto, faz a narrativa sem deixar de estar no ficcional – afinal a realidade só existe literariamente pela palavra e esta é o real possível, fabricado no acontecimento literário.
Paulo Mendes Campos, disse que O Amor Acaba: “(…) no abuso do verão; na dissonância do outono; no conforto do inverno; em todos os lugares o amor acaba; a qualquer hora o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba; para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba (…)” (bit.ly/1CFFawq).
Foto: Ingimage
Foto: Ingimage

Em Salvador, andando pelo bairro do Itaigara, em uma praça, ouvi a conversa entre duas amigas. Elas falavam do fim de um relacionamento. Fingindo cansado, sentei-me para ouvir a crônica. A acabante (caso de amor) mostrava uma cópia do “emeio” que mandou e lia firme. Ao cabo, disse: “Amiga, acabou. Tive força, esse bródi, foda-se”. Levantou e jogou aquela cópia na caixa de lixo. Voltei a correr e, ao retornar, elas já haviam ido embora. Fucei a lixeira e lá estava o “emeio”.Amassado. Guardei-o. E aqui vai reproduzido, claro, com as devidas readaptações:
Flávio, só estas palavras: não quero mais suas fitas, seus gestos iguais, como todos os seus amigos, eles dizem nada, eu quero é mão, cabeça, tronco e dedão. Cansei de repetição: I love you, mina, nem falar baiano tu sabe, tu gosta de Mac, Naturela, eu, de punheta de mãe Du e seu abará. Teu tanquinho secou, quero o verde, um amigo de algodão, como já falei, lembra? Continue a ler Paulo Coelho e dançar com as outras minas do Horto. Eu quero é o dito, de: minha nega, minha flor, meu peixe, oi de fruta madura. Stop, change, como diz tu, sou virada e sou baiana, volta pra tua terra, dos sul, eu tenho saia dobrada e virada e sem suor. Suzana.
Saudades da crônica, sou aprendiz da crônica poética. Ainda chego lá.
*É paraibano, mestre e doutor pela ECA-USP. Professor de Teoria Literária em universidades privadas e consultor editorial da área de Literatura, além de contista e poeta com livros publicados (paulovasconcelos@brasileiros.com.br).
Link curto: http://brasileiros.com.br/IuYr3

segunda-feira, 2 de maio de 2016

As meninas de Itabaiana

POR REVISTA BRASILEIROS

Um encontro nordestino, com conversas regadas a café e Monteiro Lobato, na voz de seu Jeca Tatu
Paulo-Vasconcelos-header
Viajo para ver, ouvir, rir e rever, constatar que passam os estilos, o tempo, enfim, tudo. O Nordeste, por onde caminhei e caminho, tem muito de um tudo desse Brasil.
De São Paulo para Recife, pesquisando, vou para João Pessoa, e de lá, indo para Campina Grande, vou para Pilar e entro em Itabaiana, cidade importante na era dos trilhos. Quero rever a estação de trem, famosa no começo dos anos passados, ver a cidade em que Zé Lins estudou e assim sentir o cheiro de terra, salpicos do rio Paraíba, ora enchendo com as chuvas.
Com o amigo Anselmo, chego em Itabaiana, vamos à casa das meninas, como assim são chamadas na cidade: “ii” e “nenén”, digo, Ivone e Margarida. Lá as encontro como que dormindo sobre o tempo, com uma lisura de humanidade  que pouco se vê, muito pouco. Eram três as filhas de Nazinha – irmãs que roeram e roem o tempo: uma faleceu, professora Clotilde, chamada Tide; ficaram as duas das pontas, Margarida (nenén), a mais velha, e a mais nova, Ivone (ii). São duas mulheres de aço que resistem ao tempo: moram sozinhas, solteiras; a família se resume a primos – Anselmo é um deles. Sentados, na cozinha, tomamos café e falamos sobre a vida e, dentro disso, dos poetas, do pastoril, do Colégio do Prof. Maciel, em que Zé Lins do Rego estudou e do qual Tide foi diretora, das festas de fim de ano, dos picolés de D. Dozinha.
O personagem Jeca Tatu, de Monteiro Lobato. Foto: Reprodução/YouTube
O personagem Jeca Tatu, de Monteiro Lobato. Foto: Reprodução/YouTube
O tempo passou, mas o mascaramento da vida permanece, diz ii, “os tempos mudaram muito, dá um enjoo grande, mas a vida é assim, temos que aguentar como o tempo é, mas reclamar não custa nada… a televisão não me engana mais, melhor ouvir os versos de cordel, e ver o menino assaltando outras velhas e fechar a janela e engolir o susto”. Reclama das plantações de grama, ocupando o pasto dos bois e sendo vendidas para os campos de futebol, verde mentiroso. Assim diz ii, e olha para nós, fita meus óculos e diz: “Bonito, parece os óculos de antigamente”; e prossegue: “Você é jornalista, né? Leu muito, então conhece Jeca Tatu?” Eu respondo: “Faz tempo”, e ela: “Leia, ainda tenho aqui na minha estante empoeirado, era de Tide, mas li outros, os poetas do cordel, as novenas, os almanaques, Zé da Luz.”
O caso levou-me para Lobato no seu Jeca, em que mostra um país dividido, por tanto e quanto, por um lado travestido de chique, de bacana e rico e, no entanto…
“Nossas casas não denunciam o país. Mentem à terra, ao passado, à raça, à alma, ao coração. Mentem em cal, areia e gesso, e agora, para maior duração da mentira, começam a mentir em cimento armado. Dentro dum salão Luís XV somos uma mentira com o rabo de fora. Porque por mais que nos falsifiquemos e nos estilizemos à francesa, Tomé de Sousa e os quatrocentos degredados berram no nosso sangue; Fernão Dias geme; Tibiriçá pinoteia e Henrique Dias revê o seu pigmentozinho de contribuição.”
(Monteiro Lobato, em Ideias de Jeca Tatu)
Melhor olhar o coração de Jesus, de nenén, em Itabaiana, tomando o café de Ivone.
*É paraibano, mestre e doutor pela ECA-USP. Professor de Teoria Literária em universidades privadas e consultor editorial da área de Literatura, além de contista e poeta com livros publicados (paulovasconcelos@brasileiros.com.br).
Link curto: http://brasileiros.com.br/GVSJi