quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

O ENCORE PUNK-ROCK DO MINIMALISMO


24 MAI - 26 AGO 2007


O ENCORE PUNK-ROCK DO MINIMALISMO

Partindo da definição paradoxal da Pós-Modernidade proposta por Lyotard, para quem “uma obra só pode tornar-se moderna se for, antes de mais, pós-moderna”, Thierry de Duve identifica e caracteriza as duas tendências fundamentais da criação e da crítica contemporâneas, polarizadas entre duas concepções da história – uma de inspiração hegeliana, a outra de orientação nietzschiana –, entre duas conceituações da estética – uma marxista, a outra barroca – e entre duas inscrições políticas – uma centrada nas determinações ideológicas (realista), a outra partidária da total autonomia da arte (idealista). A “arqueologia da modernidade” de Thierry de Duve desenterra assim os argumentos da ‹i›querela‹/i› que, desde as primeiras aflorações do modernismo (e das duas concepções da modernidade e da pós-modernidade) se tem mantido à superfície da criação e da historiografia contemporâneas. De um lado, as correntes pós-Habermas, que defendendo a proporcionalidade entre a função epistemológica e a probidade ética, vêem na arte “uma promessa de emancipação fiel ao ideal das Luzes” e “desesperam de ver essa promessa traída a cada dia”. Estes seriam, como acrescenta de Duve, os «protestantes», para os quais, sendo a arte um conceito crítico (significativo), todo o deleite estético determina uma decadência hedonista. De outro lado, as disposições pós-Baudrillard, que sustentando que a arte não é uma questão de verdade, mas se inscreve numa circularidade de simulacros e numa economia pulsional (fetichista), alimentam uma “paixão fria pelo objecto”. Estes seriam, por contraste, os «católicos», para os quais “a estética é tudo e a arte tudo menos um conceito”. É nesta oposição, não de antigos e modernos, mas entre uma reflexão e uma acção radicadas na história e um pensamento que se constrói fora do tempo, a partir de um ponto de vista que transcende a história, que Thierry de Duve reconhece dois paliativos e duas interpretações do paradoxo lyotardiano. Para os primeiros, o paradoxo de Lyotard reinscreve sem cessar o pós-moderno no moderno: a história da modernidade prossegue até hoje, mas como “repetição infeliz, utopia sem promessa, radicalidade gratuita”. Para os segundos, o paradoxo de Lyotard é entendido no sentido inverso e traduz uma reciclagem permanente do moderno no pós-moderno: a história da modernidade acabou, ou melhor, “tanto a história como a modernidade acabaram uma vez que nos encontramos na pós-história”.

É neste contexto, de acordo com estes parâmetros, que têm de ser avaliado o trabalho de Steven Parrino, na releitura que este propõe das vanguardas (tanto as do início como as de meados do século que assim as nomeou), conduzida através da já clássica transgressão das fronteiras disciplinares, da prática da apropriação e da citação e da junção entre a cultura pop e o modernismo mais erudito, mas também a “radicalidade” com que a crítica tem, unanimemente, classificado as suas propostas. Atendendo à urgência de desmontar a ideologia da vanguarda – no tom hegeliano com que esta conduziu a arte a um devir histórico, através da alienação que acompanha o progresso a caminho do projecto da sua destruição e desaparecimento –, é o próprio autor que reconhece que “a radicalidade vem do contexto e não necessariamente da forma” porque “as formas são radicais na memória, perpetuando o que foi radical antes por extensão da sua história”: é que “a vanguarda deixa um turbilhão e, movida por uma força maneirista, ela prossegue o seu avanço”. Mesmo na fuga, acrescenta Parrino, “olhamos para trás por cima do ombro e conduzimos uma aproximação à arte mais por intuição do que por estratégia” e “vista sob este ângulo, a arte é mais culto do que cultura”.

Um ano e meio depois da morte de Steven Parrino, significativamente vitimado por um acidente ao volante da sua Harley Davidson – mota cuja coloração standard preta e metalizada, usada pelo autor tanto em referencia à cultura Hot Rod, como enquanto elo de ligação da estética Hell’s Angels e da arte minimal, se tornaria no seu “emblema” de culto, signo arte-vida (ou se preferirmos, arte-morte, passe o humor negro que certamente não desagradaria a Parrino) – o Palais de Tokyo propõe um olhar perspectivado sobre o trabalho desenvolvido ao longo de quase 30 anos por este artista americano. Concebida como um tríptico, a exposição, “La Marque Noire / Steven Parrino Retrospective, Prospective” é composta por uma selecção de trabalhos realizados pelo autor entre 1981 e 2004; por “Before (Plus ou Moins)”, mostra composta por obras históricas das décadas de 1960/70, que constituem algumas das peças-chave na formação do universo estético de Parrino; e por “Bastard Creature”, releitura de duas exposições comissariadas por Parrino em 1999 e 2003.

Tendo dinamizado na cena nova-iorquina do início dos anos 80 um amplo regime de colaborações, cobrindo um campo diversificado que vai do minimalismo à tatuagem, passando pela música, pelo cinema experimental, pela banda desenhada e pelo design industrial, a prática artística de Steven Parrino desenvolve-se sobretudo na articulação de duas frentes, ensaiando estratégias de aproximação entre a “alta cultura” e a “cultura popular”. Por um lado, apropria-se das imagens produzidas pela contra-cultura americana do pós-guerra, reflectindo sobre a reemergência das sub-culturas “biker”, “no-wave” e “punk”. Por outro, usa essas imagens conotadas com uma certa ficção apocalíptica e um certo ideário satânico-porno-queer-motard em diálogo estreito com a vanguarda americana da segunda metade do século XX – particularmente com a obra de artistas como Andy Warhol, Vito Acconci, Robert Smithson, Frank Stella ou Donald Judd –, procurando explorar a pintura numa nova direcção “realista”, quando a morte da pintura parecia já um facto consumado. Deste modo, Steven Parrino (designado por alguns como o Dr. Frankenstein da pintura), vai somando transgressões de circunstância, mais ou menos folclóricas, mais ou menos pertinentes, que desembocam, simultaneamente, numa necrofilia pictórica, numa crença tardia na eficácia disruptiva da vanguarda e numa ideia de realismo coincidente, nos seus princípios e fins, com a objectividade minimalista. A cartilha de Steven Parrino fica assim a meio caminho entre o “protestantismo” e o “catolicismo”, entre o impulso destruidor e iconoclasta (porventura anarquista) e a estetização das ruínas (certamente romântica).

Os termos “radicalidade” e “realismo” definem-se em Parrino um em função do outro, como um pas de deux: do mesmo modo que a radicalidade é realista (no sentido físico do minimalismo), a acção do realismo deverá ser radical (no sentido metafísico da figuração). Redefinido depois de Courbet, o realismo, refere Parrino, “não trata mais de representar a realidade de um momento, mas de dar corpo a um objecto, num mundo real e num tempo real”. Se o projecto modernista consistiu na definição da arte pela sua redução progressiva às suas condições necessárias e suficientes, para que uma obra tenha sentido é necessário que resulte de uma posição justa quanto à sua materialidade, quanto à ideologia na qual é concebida e quanto à situação em que intervém. A reavaliação crítica da vanguarda e das suas potencialidades deverá, como o propõe Thierry de Duve, incidir assim numa tripla averiguação: do lado do significado, a auto-exaltação do sentido da arte deverá passar pela derisão; ao nível do significante, a auto-instituição das suas convenções formais deverá passar pela desmontagem; e, no que se refere ao referente, a auto-referência dos seus propósitos deverá passar pela traição. Manifestando uma “crença na estética” e a convicção de que a noção de vanguarda pode ainda ser operante no contexto contemporâneo, Steven Parrino furta-se no entanto a uma problematização aprofundada da questão, refugiando-se em expedientes vulgarmente associados ao pós-modernismo (entendido no seu sentido mais corrente): a obra é assim concebida como uma superfície de projecção e de associação livre.

A par dos trabalhos figurativos, constituídos essencialmente por desenho e colagem, explícitos quanto ao seu universo de referência (o já indicado bestiário fantástico de heróis e vilões da contra-cultura americana do pós-guerra), no que toca à arte erudita, as estratégias de apropriação, citação e comentário desenvolvidas por Parrino são variadas. A pesquisa pictórica de Parrino incide tanto numa radicalidade cromática (as telas são, na sua maioria, superfícies lisas, negras ou metalizadas) como morfológica (o autor desenvolve uma “obstrução formal” que desemboca na indiferenciação do espaço real e do espaço de representação, na exploração da tridimensionalidade da pintura, na redução à sua elementaridade mínima daquilo que pode ser identificado como a “violência” expressiva do expressionismo abstracto, agora convertida em acção destruidora. Entre alusões ao “Quadrado negro” de Malevich, ao vocabulário artístico de Daniel Buren, ao “conceito espacial” e incisuras sobre telas monocromáticas de Lucio Fontana, Parrino prossegue uma pesquisa estética na senda destes e doutros autores, prolongando assim o questionamento sobre os limites físicos do suporte pictórico (questão formulada de modo particular através do reenquadramento e plissagem das telas em grades convencionais, ocultando desse modo parte da superfície pintada e mostrando em contrapartida zonas por intervencionar), sobre a representação como obliteração, a série, a repetição, o original, a cópia, etc. O denominador comum de todas os trabalhos pode encontrar-se – como é sublimado tanto pelas obras em suporte vídeo como pelas experiências sonoras/musicais – na sobreposição de um ruído opacificante à pureza formal do minimalismo. Produzindo um distanciamento plástico (e porventura histórico) face a essas experiências, este é seguramente o aspecto mais pertinente da obra de Steven Parrino: o que confere alguma modernidade ao que de outro modo não passaria de uma frivolidade pós-moderna, se nos é permitido inverter os termos de Lyotard.

Tendo em conta a linha de programação do Palais de Tokyo, depois de “Cinq Milliards d’Années” e de “M Nouvelles du monde renversé”, exposições consagradas a testar respectivamente “a elasticidade e a oscilação da obra de arte”, “La Marque Noir” pretende agora “experimentar a sua resistência”. Se é certo que estes propósitos traduzem bem aquelas que continuam a ser as preocupações de alguma arte contemporânea, seja nomeadamente naquilo que continua a haver de moderno no decreto pós-moderno, seja na mesmidade autofágica da pescadinha-de-rabo-na-boca que continua a ser o binómio arte / antiarte, cumpre questionar a que práticas responde o epíteto da “radicalidade”. É que posicionando-se algures num ponto supra-determinado (na comodidade da n + 1.ª dimensão que caracteriza o cinismo teórico), tanto a “arqueologia da modernidade” (que para analisar o fenómeno artístico contemporâneo, propõe, no caso de Thierry de Duve, o ponto de vista de um “etnólogo marciano”), como a falsa audácia e abertura das instituições aparentemente mais “progressistas” (às quais competiria uma reflexão sobre o fenómeno artístico em “tempo real”) não respondem àquela que é a condição primeira e sine qua non da radicalidade: o enraizamento local e epocal, a radicação da acção não numa qualquer ideia de “globalização”, mas no aqui e no agora.


António Preto
http://artecapital.net/criticas.php?critica=125

sábado, 15 de dezembro de 2007

Breve Lançamento!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

“DIREITOS HUMANOS, SEGURANÇA PÚBLICA & COMUNICAÇÃO”Org. Rosana Martins; Maria Goretti Pedroso; Tabajara Novazzi Pinto
artigo:Paulo Vasconcelos (Anhembi Morumbi) e Edineide Maria (Coordenadora do Núcleo de Adoção e Estudos da Família da 2ª Vara da Infância e Juventude do Recife. Assessora do Projeto Saúde na Escola: Tempo de Crescer na Secretaria de Educação da Cidade do Recife e no Juizado da Infância e Juventude do Recife
Impresso: ACADEPOL
ISBN: 978-85-61034-00-9
Lançamento: Fevereiro/2008
Tiragem 5.000





APRESENTAÇÃO
Criado em 2005, o Núcleo de Audiovisual e Comunicação funciona como um setor de apoio às atividades desenvolvidas pelo Centro de Direitos Humanos e Segurança Pública “Celso Vilhena Vieira”, da Academia de Polícia Dr. Coriolano Nogueira Cobra, campus capital.
O Núcleo Audiovisual e Comunicação é uma associação de apoio à pesquisa, composta por mestres e doutores da Escola de Comunicações e Artes de São Paulo, da Universidade de São Paulo em parceria com o GETS (Grupo de Estudos Técnicos de Segurança, Universidade de São Paulo).
Uma das características do NAC é o caráter interdisciplinar de suas pesquisas, as quais giram em torno das temáticas: cidadania, direitos humanos, segurança pública, cultura, linguagem e comunicação.
O NAC tem por finalidade englobar projetos de pesquisa, promover encontros de docentes e pesquisadores, conferências e cursos de extensão e atividades voltadas a emergência de novos processos autorais, de geração da informação e eventualmente de novos paradigmas e valores para a ciência, a comunicação, a estética e a educação. Para isso, conta com uma equipe de pesquisadores e auxiliares de pesquisa, com formação nas áreas de direito, sociologia, ciência política, antropologia, psicologia, estatística e comunicação.
O Núcleo de Audiovisual e Comunicação tem como principal missão, atender as principais necessidades de pesquisa, informação e divulgação das tecnologias informacionais/comunicacionais.

O Centro de Direitos Humanos e Segurança Pública “Celso Vilhena Vieira” (CDHSP), encontra-se sediado nas dependências da Academia de Polícia “Dr. Coriolano Nogueira Cobra”, campus da Capital, desde 10 de dezembro de 1997, criado por iniciativa do então diretor Delegado de Polícia Tabajara Novazzi Pinto, que o idealizou com o apoio dos Advogados Hédio Silva Júnior, Flávia Piovesan,Valéria Pandjarjian e Guilherme de Almeida. Sua formalização oficial, contudo, deu-se somente após sete anos de intensas atividades acadêmicas, aos 13 de janeiro de 2005, através da portaria l5/2005, na gestão do diretor Delegado de Polícia Mauricio José Lemos Freire.
O Centro de Direitos Humanos e Segurança Pública "Celso Vilhena Vieira" tem como principal missão: "Conscientizar o policial de sua condição de destinatário dos Direitos Humanos e aperfeiçoá-lo como guardião do exercício pleno da cidadania, valendo-se do Inquérito Policial - instrumento constitucional de garantia da sociedade”.
Para perseguir esta utopia, o CDHSP busca educar e conscientizar os alunos da Academia de Polícia da importância do respeito e proteção aos direitos humanos, desenvolvendo seminários, debates e pesquisas, organizando grupos de estudos e outras atividades educativas de ensino e assessoramento na área dos direitos humanos e segurança pública, passando pela melhoria das condições de trabalho da polícia e, principalmente, pelo processo de seleção e de formação dos quadros policiais. O objetivo geral do Centro de Direitos Humanos e Segurança Pública “Celso Vilhena Vieira” é a humanização das ações da polícia por meio de cursos, debates, colóquios, cujo conteúdo volta-se para a garantia dos direitos humanos e o exercício pleno da cidadania.
O processo educativo do CDHSP oscila na articulação entre o público externo e interno da Academia de Polícia Civil, através do intercâmbio cultural e técnico e parcerias firmadas com órgãos governamentais e não governamentais, para o desenvolvimento de estudos e pesquisas sobre possíveis violações no campo dos direitos humanos cometidas por policiais civis e por quaisquer outros atores do tecido social.

O livro se inspirou originalmente na insatisfação com concepções de direitos humanos e segurança pública que nos pareceram excessivamente estreitas e que, predominando atualmente, resultam em análises que obscurecem suas amplas dimensões. Nossa vontade, então, é chamar a atenção a essa dinâmica, ressaltando a importância de apreender, e aprender, melhor as múltiplas imbricações entre a comunicação, os direitos humanos e a segurança pública.
Com esta publicação, acreditamos que surgirá um amplo espaço para troca de experiências entre renomados pesquisadores e profissionais de áreas afins, que estimulará o surgimento de novas configurações para pesquisa e atuação. Assim, objetivamos ampliar as discussões sobre as responsabilidades do policial civil nas suas dimensões social, cultural, política e ética.
Esta coletânea é uma idealização e realização do Núcleo de Audiovisual e Comunicação, Centro de Direitos Humanos e Segurança Pública “Celso Vilhena Vieira” (órgão inserido na estrutura da Academia de Polícia “Dr. Coriolano Nogueira Cobra”) e GETS – Grupo de Estudos Técnicos de Segurança, Universidade de São Paulo

Rosana Martins
Goretti Pedroso
Tabajara Novazzi Pinto

(Organização)




M345d
Direitos humanos, Segurança Pública & Comunicação /
Rosana Martins, Maria Goretti Pedroso, Tabajara Novazzi
Pinto (org.)-- São Paulo: ACADEPOL, 2007.




1. Direitos humanos 2. Segurança 3. Educação 4. Cidadania 5. Cultura 6.Comunicação I. Título.



ISBN. 978-85-61034-00-9 CDU 342.7:351.75





“DIREITOS HUMANOS, SEGURANÇA PÚBLICA & COMUNICAÇÃO”

Org. Rosana Martins; Maria Goretti Pedroso; Tabajara Novazzi Pinto

Impresso: ACADEPOL
ISBN: 978-85-61034-00-9
Lançamento: Fevereiro/2008
Tiragem 5.000
autores:
Paolo Targioni (Università di Firense; Flávia Piovesan (Procuradora do Estado, Prof. PUC/SP e USP/Direito); Ronaldo Mathias (Belas Artes); Rosana Martins (Belas Artes); Paulo Vasconcelos (Anhembi Morumbi) e Edineide Maria (Coordenadora do Núcleo de Adoção e Estudos da Família da 2ª Vara da Infância e Juventude do Recife. Assessora do Projeto Saúde na Escola: Tempo de Crescer na Secretaria de Educação da Cidade do Recife e no Juizado da Infância e Juventude do Recife); Vera Lucia de Oliveira (Membro do FMDCA- Fórum Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente de São Bernardo do Campo) e Telma de Cássia Bertaçolli Demarchi (assistente social na Prefeitura de São Bernardo do Campo e Pedagoga); Stela Cunha (Profa. Universidade de Havana/Cuba); Ismar de Oliveira Soares (Prof. Dr. ECA/USP, diretor do Núcleo de Educação e Comunicação - NCE), Rosangela Malachias (ECA/USP)
Membros do GETS - Grupo de Estudos de Vigilância Pública-USP; Membros do Centro de Direitos Humanos e Segurança Pública "Celso Vilhena Vieira"; Sou da Paz, CETESB,
Lucilene Cury (ECA/USP); Marco Gargiulo (Università Siena/Itália); Maria Lourdes Motter (ECA/USP, in memorian); Massimo Canevacci (La Sapienza Roma), Maria Goretti Pedroso (Belas Artes); Maria Amália de Almeida Cunha (Profa. UFMG). Alunos do Unicentro Belas Artes de São Paulo, Departamento de Comunicação; Membros do CESeC - Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes, Edmir Perrotti (ECA/USP)

Filme '3 Efes' estréia nesta sexta às 14h no Terra


Filme '3 Efes' estréia nesta sexta às 14h no Terra


Divulgação

O filme vai estrear simultaneamente no cinema, TV, Internet e DVD



Últimas de Cinema & DVD
» "Estou muito longe de ser atriz", afirma Xuxa
» Filme mexicano 'Luz Silenciosa' arrasa no festival de Havana
» Moby oferece música de graça na web para cineastas
» Sasha vai estrear no cinema em 2008, garante Xuxa



Busca
Faça sua pesquisa na Internet:






A partir das 14h desta sexta-feira, os internautas poderão assistir ao novo filme do gaúcho Carlos Gerbase, 3 Efes, na íntegra no Terra. A produção vai estrear simultaneamente no cinema, televisão a cabo (Canal Brasil), Internet (Terra) e DVD.
» Assista ao trailer
» Veja o making-of
» Veja fotos do filme
» Confira o cartaz

Os internautas terão acesso ao filme em streaming, que deixa download do arquivo mais leve e rápido. 3 Efes entra em cartaz simultaneamente nas salas digitais do sistema RAIN pelo País, onde fica por apenas sete dias.

Depois da estréia, os internautas poderão assistir ao longa a qualquer hora no Portal Terra. O filme estará disponível por tempo indeterminado no Terra em versão on demand (VOD). Com isso, o espectador pode escolher qual parte quer assistir. É possível adiantar e voltar trechos, bem como pausá-los.

História
3 Efes concentra-se em alguns dias na vida de poucos personagens cujas maiores necessidades explicam o título - comida, sexo e "fasma", palavra que vem do grego e tem a ver com a vida em sociedade.

A protagonista é Sissi (Cris Kessler), uma jovem universitária que trabalha no telemarketing para ajudar o pai viúvo e desempregado. Como nunca tem dinheiro, ela vive com fome. Uma amiga diz que está ganhando muito fazendo programas, e a moça começa a pensar nessa possibilidade para aumentar a renda.

Sua tia Martina (Carla Cassapo), cozinheira de mão cheia, também anda desgostosa com a vida. O marido Rogério (Leonardo Machado) mal tem tempo para ela, pois está cheio de problemas na agência de publicidade onde trabalha. A mulher, que faz pratos elaborados, começa a convidar um catador de papel (Paulo Rodrigues) para dividir a refeição. Da mesa para a cama é só um passo.

Rogério não sente muita fome, mas o sexo passa a ter um papel fundamental quando é obrigado a virar amante de sua chefe para garantir o emprego. Aos poucos, suas vidas vão se cruzando até chegar a um clímax, que conta com a participação de Julio Andrade, protagonista de Cão Sem Dono, de Beto Brant.

A Produção
O longa 3 Efes foi rodado em Porto Alegre durante apenas 20 dias, entre dezembro de 2006 e janeiro de 2007. Carlos Gerbase trabalhou com uma equipe formada por universitários do curso de Cinema, que usaram uma câmera mini-DV e um kit de luz portátil nas gravações.

O elenco também é formado por novatos. A protagonista Cris Kessler e o papeleiro vivido por Paulo Rodrigues são estreantes. Outros atores já haviam trabalhado com o diretor antes. Ana Maria Mainieri atuou em Tolerância e Carla Cassapo, Leonardo Machado e Fábio Rangel fizeram pequenos papéis em Sal de Prata.


Redação Terra by
http://cinema.terra.com.br/interna/0,,OI2131878-EI1176,00.html

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Roberta Sá decola feliz no segundo álbum


Roberta Sá decola feliz no segundo álbum
No aguardadíssimo Que Belo Estranho Dia pra se Ter Alegria, a cantora carioca interpreta autores contemporâneos e sambas raros com bom humor

Lauro Lisboa Garcia

Roberta Sá faz coro a uma certa parcela mais sensata dos adultos brasileiros, que sente na pele como está difícil ser feliz (sem culpa) hoje em dia. É muita informação inútil pelo computador, pelo celular, pela tevê; é muito barulho por nada; muita falta de segurança; muita reclamação pra pouca atitude, um recém-adquirido medo de avião, uma falta de educação geral. “Ninguém dá mais bom dia”, observa a cantora. Nem por isso ela deixa de ter bom humor. Esta é a essência de seu segundo e ótimo álbum, Que Belo Estranho Dia pra Ter Alegria (Universal), que terá shows de lançamento no Tom Jazz, sexta e sábado da semana que vem. O CD é uma resposta elegante e sensata a isso tudo que a aflige no cotidiano e mais um pouco, com música da melhor safra - com melodias, letras e arranjos que soam como bálsamo, e, principalmente, a voz cristalina que a tudo emoldura.

Desde a revelação com A Vizinha do Lado (Dorival Caymmi), que fez sucesso como trilha de personagem de novela e puxou o primeiro álbum, Braseiro (2004), tem crescido o interesse em torno da musicalidade e da notável voz de Roberta. Nesse meio tempo ela gravou um outro álbum (que não foi comercializado) recriando clássicos da música brasileira, por encomenda de uma empresa, ao lado de Rodrigo Campello, produtor do trabalho atual. De lá, ela pinçou Samba de um Minuto (Rodrigo Maranhão), que aparece como faixa bônus do novo CD, seguida de Girando na Renda (Pedro Luís, Sérgio Paes e Flávio Guimarães), que teve boa repercussão no Festival da Cultura de 2005. Como são músicas que viraram hits nos shows, ela diz que o correto seria colocá-las não como bônus, mas com a indicação: “atendendo a pedidos”. Até porque são tão boas como as 11 primeiras.

Samba de Um Minuto poderia ter entrado no primeiro CD, mas apesar dos pedidos Roberta preferiu deixar de lado, porque era uma canção do repertório da cantora carioca Rita de Cássia, que morreu no ano passado. “Achei melhor não gravar porque a música era do último disco da Rita, então deixei de lado por respeito à grande cantora que ela era. E é, porque a voz dela continua aí”, diz Roberta.

Que Belo Estranho Dia... dá continuidade ao que Roberta revelou no CD de estréia, mas dá um passo além. O principal é que, naturalmente, ela ressurge com “mais vivência musical e mais convivência com os músicos que estão no disco”. E com outros com quem ela convive na Lapa, no centro do Rio, e o mundo do samba que ali fervilha. “Esse universo é todo muito novo pra mim, pelo menos o universo profissional da música. O passo mais importante que dei agora foi ter conhecido esse universo melhor”, diz a cantora .

Roberta canta alguns dos melhores compositores contemporâneos de seu círculo de relações ou recém-descobertos - Pedro Luís, Moreno Veloso, Junio Barreto, Lula Queiroga, Edu Krieger, Rodrigo Maranhão, Roque Ferreira -; atualiza um clássico do repertório de Dóris Monteiro (Alô Fevereiro, de Sidney Miller), homenageia Linda Batista com o samba brejeiro Interessa? (Carvalhinho) e joga luz numa jóia escondida de Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho, Cansei de Esperar Você. São várias faces do samba de um disco que abre com um jongo, O Pedido (Junio Barreto e Jam da Silva) com leves toques de reggae.

“A idéia principal deste CD era o bom humor e a leveza. Sem deixar de tratar de assuntos como o que tem em Fogo e Gasolina, Samba de Amor e Ódio. São visões bem-humoradas da loucura em que a gente vive”, diz a cantora. “É um disco leve, mas não é alienado.” A espinha dorsal do álbum é Belo Estranho Dia de Amanhã, cujo título foi extraído de um verso dessa canção de Lula Queiroga. Com maestria, o compositor pernambucano faz uso de referências modernas, sem forçar a barra para parecer “antenado” com a juventude, como já se viu, por exemplo, em letras de Gilberto Gil (Pela Internet e a recente Banda Larga) e outros que abusam da expressão “ponto com”. “Lula é de uma inteligência admirável”, elogia a cantora.

Claro, não foi por acaso que Roberta tirou o título do CD dali. Basta conferir a letra no quadro ao lado pra se ter uma idéia. “Acho muito difícil ser feliz hoje em dia. Tenho discutido muito isso. Está todo mundo com uma culpa enorme de ser feliz. Porque, realmente não dá, se você abre um jornal ou liga a televisão, só o que se vê é desgraça. E muito por culpa do ser humano, não são só catástrofes naturais, mas até essas têm o dedo do ser humano, por causa do jeito que se trata o planeta”, observa. “Não querendo ser panfletária, porque não sou mesmo, mas é só uma observação de uma pessoa que vive nesse mundo.”

A letra de Lula fala muito disso, das conseqüências das crises e dessas manias contemporâneas que comprometem as relações humanas. “A gente tem muito acesso à informação o tempo inteiro e isso é muito desgastante. Acho que as pessoas têm de parar um pouco de reclamar da situação do mundo e fazer alguma coisa pra mudar no dia-a-dia. Ser mais cordial, por exemplo, no trânsito, na rua, no prédio, com seu vizinho. Isso já adianta. A outra maneira de ver a vida é essa, não se alienando.”

Voltando para a música... O CD tem convidados de peso, como Hamilton de Holanda, que toca em duas faixas e numa delas (Novo Amor, de Edu Krieger) seu bandolim é o único instrumento que acompanha a voz da cantora. “Essa faixa entrou no disco exclusivamente por causa dele, para homenagear o talento dele, para mostrar o virtuose que ele é”, diz a cantora.

Ela também estréia com compositora, embora não se considere como tal. Roberta é autora da melodia de Janeiros, que tem letra de Pedro Luís. Eram muitas canções para escolher, e se esta teve o privilégio de entrar no CD é porque, sem modéstia, ela considerou digna de figurar ao lado de um Roque Ferreira, de quem gravou a inédita Laranjeira, um sacudido samba de roda. O grande compositor baiano, que até agora tem apenas um disco gravado, mas mais de 200 inéditas, é um dos prediletos de Roberta. “Quando entrei em contato com ele pedindo uma música, ele me mandou umas 30. Depois mandou mais um monte. Estou com várias músicas dele. Isso acontece com poucos compositores, porque não são todos que têm essa disposição”, diz.

Um dos planos de Roberta é fazer um CD só com músicas inéditas de Roque, mais adiante. Seria um projeto paralelo, com o Trio Madeira Brasil. “A legião de fãs do Roque aqui no Rio somos nós”, brinca a cantora. Com ele Roberta estabeleceu uma sintonia maior, como a que tem com Pedro Luís. “Quando peço uma música para eles, gosto de deixá-los livres. Não quero que escrevam especialmente pra mim, o que me interessa é gravar uma música deles, qualquer que seja. Dependendo do compositor você pode pedir isso, por mais que as músicas deles sejam diferentes.”

by http://www.estado.com.br/editorias/2007/08/09/cad-1.93.2.20070809.4.1.xml

Hollywood africana é a terceira maior indústria de cinema do mundo


Hollywood africana é a terceira maior indústria de cinema do mundo


Danilo Saraiva

Divulgação

Cena do documentário Welcome to Nollywood, de Jamie Meltzer



Últimas de Cinema & DVD
» "Estou muito longe de ser atriz", afirma Xuxa
» Filme mexicano 'Luz Silenciosa' arrasa no festival de Havana
» Moby oferece música de graça na web para cineastas
» Sasha vai estrear no cinema em 2008, garante Xuxa



Busca
Faça sua pesquisa na Internet:






Apesar das dificuldades econômicas, a Nigéria tornou-se o terceiro maior pólo cinematográfico do mundo - atrás apenas de Hollywood, nos Estados Unidos e de Bollywood, na Índia - com um faturamento de US$ 250 milhões ao ano.
» Veja as capas dos filmes
» Produtoras da Nigéria incentivam venda de filmes por camelôs
» Maior estrela ganha 600 vezes menos que Angelina Jolie
» Trailer de '30 Days'
» Trailer de 'This is Nollywood '

A conquista surpreendente do país africano, que está entre os 30 mais pobres do mundo, recebeu o nome de Nollywood, um trocadilho com a famosa Hollywood criado pelos meios de comunicação locais.

Apesar de sua precariedade - os filmes são feitos com orçamentos baixíssimos - há algo a se aprender com Nollywood. Com a grande demanda, a Nigéria foi o primeiro país a aperfeiçoar as técnicas do cinema digital. A edição, por exemplo, é feita em computadores caseiros pelos mais de 300 cineastas que atuam em Lagos, com recursos de multimídia disponíveis em programas à venda em qualquer loja de informática no mundo.

Em freqüente ascensão, Nollywood tem dado resultados positivos: o país aprendeu a criar uma verdadeira onda de celebridades emergentes, mais conhecidas do que líderes políticos. Consegue, também, produzir cerca de 1200 filmes no período, números impressionantes se compararmos esses padrões a Hollywood, por exemplo, cuja marca recorde é 400 produções anuais.

A Nigéria só aprendeu a conquistar este espaço em 1992, quando o clássico Living in Bondage, do diretor Chris Obi Rapu, foi comercializado em camelôs e acabou vendendo mais de 750 mil cópias. A partir daí, usando o VHS, muitas produtoras resolveram fazer seus próprios filmes, que começaram tímidos e amadores, mas depois foram se mostrando verdadeiras receitas de sucesso.

Esse "destaque-relâmpago" da indústria motivou dois documentários recentes, This is Nollywood, dos diretores Franco Sacchi e Robert Caputo, e Welcome to Nollywood, do californiano Jamie Meltzer.

O primeiro acompanha os bastidores do filme nigeriano Check Point, encomendado por apenas US$ 20 mil por uma produtora local. Já Welcome to Nollywood mostra o dia-a-dia de três cineastas nigerianos, que têm que lutar contra o tempo para finalizar seus filmes com baixo orçamento.

Em entrevista ao Terra, Meltzer disse que o que mais fascina na indústria é a rapidez com que as produções são feitas. "Eu queria saber como eles conseguiam fazer filmes extremamente bem-sucedidos e fascinantes em um período de tempo tão pequeno, com poucos fundos e recursos."

Inspiração para a independência
A viagem de Meltzer ao continente africano trouxe alguns resultados positivos. Além de se deparar com um ramo completamente formado - e que cada vez mais se consolida como atividade básica -, ele também abriu espaço para que a própria Nollywood fosse vista. Como grande parte dos filmes são recusados em festivais internacionais, com seu documentário, Meltzer pôde mostrar um pouco do "fazer arte" nigeriano, levando muito desta atenção para o país.

"Eu aprendi com os diretores de Nollywood que praticamente tudo é possível, desde que você tenha coragem de fazer acontecer com o que tem em mãos. É com essas circunstâncias que eles se encontram, não existe nenhuma desculpa para não se fazer filmes", explica.

Diante dos pequenos períodos de tempo, ninguém envolvido na produção tem uma real preocupação com cenários, figurinos específicos ou locações externas. Tudo é feito, em grande parte, no improviso, o que não parece incomodar seus espectadores.

"A Nigéria, relativamente pobre, é o único país que conseguiu nos mostrar uma forma realmente moderna de cinema digital. Tudo isso soa como algo positivo e moderno em relação à África, um antídoto para o que grande parte da mídia mundial divulga, esses estereótipos, que parecem reais. A África não é um continente feito de vítimas e tragédias e não pode ser reduzida a isso", dispara Meltzer.


Redação Terra
http://cinema.terra.com.br/interna/0,,OI2074617-EI1176,00.html
by terra.

que é que isso!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1

Mecha de cabelo de John Lennon é arrematada por US$ 48 mil









Uma mecha de cabelo de John Lennon foi vendida hoje por 24 mil libras (US$ 48 mil) em um leilão de artigos dos Beatles realizado em Worthing (Inglaterra).
» Yoko Ono protesta no aniversário da morte de Lennon

O valor da mecha, arrematada por telefone por uma pessoa anônima na casa de leilões Gorringes, alcançou um preço oito vezes maior que o lance inicial, de 3 mil libras (US$ 6 mil).

A mecha pertencia a Betty Glasow, uma cabeleireira dos Beatles que colecionou durante anos objetos relacionados ao grupo.

O cabelo, cuidadosamente guardado em um exemplar de A Spaniard in the Works, o livro de poesia que Lennon publicou em 1965, é acompanhado de uma nota na qual se lê: "A Betty, muito amor e cabelo. De John Lennon".

A ex-cabeleireira, que agora tem mais de 70 anos, recebeu o presente ao cortar as famosas franjas usadas pelos membros da banda no filme Os Reis do Iê Iê Iê (1964), dirigido por Richard Lester.

"Betty cortou suas franjas durante um tempo e eles (o quarteto) se afeiçoaram bastante a ela", afirmou Francesca Collin, porta-voz da Gorringes.

"É espantoso que ainda haja tanto interesse pelos Beatles e o leilão demonstra que John Lennon ainda é um ícone", disse Collin, ao ressaltar a "autenticidade" da mecha do músico, que foi assassinado há 27 anos.

"Coleções deste tipo são raras e o cabelo em particular é realmente algo extraordinário para os colecionadores dos Beatles", acrescentou.

Recentemente aposentada, Betty Glasow descobriu algumas curiosidades sobre o cabelo de alguns integrantes dos Beatles, como George Harrison (1943-2001), que, aparentemente, tinha um couro cabeludo muito seco.


EFE

Porque será?


Que os alunos choram tanto neste período, e se angustiam, o que ocorre?