segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Philippe Dubois

Philippe Dubois faz palestra sobre "As tensões da fotografia: entre o real e a ficção" nesta terça, às 14h, na ECA-USP.
Um dos principais pesquisadores da atualidade no campo da estética da imagem e da figura, com contribuições decisivas na reflexão sobre a fotografia, o cinema, o vídeo e o domínio digital. Foi professor da Universidade de Liège e, desde 1988, é professor da Universidade de Paris III (Sorbonne Nouvelle), onde é diretor da Unidade de Formação e Pesquisa "Cinema e Audiovisual". Tem extensa obra publicada em revistas de vários países, com ensaios sobre Jean-Luc Godard, o cinema moderno e as relações entre arte e tecnologia.By Cosak )

FLIPORTO

Chomsky: EUA apoiaram três golpes na América Latina neste século

por James Suggett, em 28.08.2009, no site Venezuelanalisys.comMérida -- O autor americano, dissidente intelectual e professor de linguística do Instituto de Tecnologia de Massachussetts, Noam Chomsky, encontrou-se pela primeira vez com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, em Caracas, e analisou a política do hemisfério durante um fórum transmitido nacionalmente pela TV na segunda-feira.
Chomsky é bem conhecido na Venezuela por suas críticas ao imperialismo americano e por seu apoio às mudanças políticas progressistas em andamento na Venezuela e em outros paises da América Latina em anos recentes. O presidente Chávez regularmente faz referencias a Chomsky em seus discursos e recomenda publicamente a leitura de um dos livros do autor, de 2003, chamado "Hegemonia ou Sobrevivência: A busca americana pelo domínio global"."Hegemonia ou sobrevivêncvia; nós optamos pela sobrevivencia", disse Chávez em uma entrevista coletiva de boas vindas ao autor. Ele comparou as teses de Chomsky às teses da autora socialista Rosa de Luxemburgo do início do século 20, "Socialismo ou Barbárie", e se referiu a Chomsky como "um dos maiores defensores da paz, um dos grandes pioneiros por um mundo melhor".Através de um intérprete, Chomsky respondeu que "escreve sobre paz e critica as barreiras à paz; isso é fácil. O que é mais difícil é criar um mundo melhor. E o que me excita sobre finalmente visitar a Venezuela é que posso ver como um novo mundo está sendo criado".Durante o forum de segunda-feira, que foi transmitido pela TV estatal VTV, Chomsky citou o golpe em Honduras, que começou em 28 de junho, como o terceiro apoiado pelos Estados Unidos na América Latina só neste século, depois da tentativa contra Chávez em 2002 e da derrubada de Jean-Bertrand Aristide no Haiti, em 2004.O acordo que vai permitir aos Estados Unidos aumentar sua presença militar em bases colombianas "é apenas parte de uma tentativa muito mais ampla de Washington de restaurar sua capacidade de intervenção", disse Chomsky.
De acordo com ele, a região tem capacidade de se unir e formar uma "zona da paz", na qual forças militares estrangeiras sejam impedidas de operar. "A Venezuela pode apresentar esta proposta, mas não pode fazê-lo sozinha", ele disse.
"As transformações que a Venezuela está fazendo em busca de criar um outro modelo sócio-econômico poderiam ter um impacto global se esses projetos forem bem sucedidos", disse o renomado autor.
A Aporrea.org, um site de análise de notícia popular na venezuela, descreveu Chomsky como orientado por "um socialismo libertário" e "veementemente anti-stalinista" ao introduzir uma entrevista com o autor na qual Chomsky disse que a política externa do presidente Barack Obama é parecida com a do segundo mandato do ex-presidente George W. Bush.
Chomsky tratou desse tema durante a conferência de segunda-feira, dizendo sobre Obama que "ele poderia ter muito a oferecer à América Latina se quisesse, mas não deu nenhum sinal de que pretende fazê-lo". Ele citou a postura indecisa dos Estados Unidos em relação ao golpe em Honduras como prova.
Chomsky também tratou das questões de liberdade de imprensa e de expressão nos Estados Unidos. "O sistema sócio-econômico dos Estados Unidos é desenhado de forma a que o controle da mídia fique nas mãos da minoria que é dona das grandes corporações... como resultado os interesses financeiros desses grupos estão sempre por trás da assim-chamada liberdade de expressão", ele disse.Chomsky afirmou que a crescente frustração com o governo de Obama nos Estados Unidos era previsível, já que a mídia corporativa vendeu a candidatura de Obama com o slogan de "Mudança na qual podemos acreditar", mas omitou as propostas concretas de mudanças que ele pretendia e o governo Obama se demonstrou incapaz de instituir as mudanças.
Chomsky estava acompanhado em Caracas do co-fundador da South End Press e da ZMagazine e operador do sistema ZCom, Michael Albert, e do co-fundador da Venezuelanalysis.com, sociólogo Gregory Wilpert.

JORNALISMO CLOACA


O velho moralismo dos tempos de Carlos Lacerda está a todo vapor neste agosto que termina. No dia 24 último, quando completavam 55 anos do suicídio de Getúlio Vargas liguei o rádio ao acordar e levei um susto. Um jornalista da CBN bradava indignado contra a compra pelo Palácio do Planalto de toalhas de rosto e de banho de fio egípcio. Imaginei que tinha recuado no tempo ou estava tendo um pesadelo. Naquela crise de agosto de 1954, a UDN (União Democrática Nacional), que de democrática não tinha nada, pois vivia pregando o golpe, falava em mar de lama no Catete etc e tal. Agora, entre outras acusações, a CBN, do sistema Globo de rádio, se indignava contra as toalhas de fio egípcio. Os políticos da UDN que passaram o tempo todo na porta dos quartéis tentando convencer a oficialidade sobre a necessidade de derrubar Getúlio Vargas, depois Juscelino Kubitschek e em seguida João Goulart, deixaram herdeiros neste 2009. Agora passam o tempo todo denunciando, criando fatos com repercussão na mídia conservadora hegemônica com o visível objetivo de desviar a atenção de temas relevantes relacionados com o futuro de um Brasil soberano. E o 24 de agosto remete a Era Vargas, que FHC jurou riscar do mapa, à Carta Testamento e ao suicídio de Getúlio, às riquezas petrolíferas nas mãos dos brasileiros, à IV Frota estadunidense rondando as riquezas petrolíferas do pré-sal e assim sucessivamente. Aí surge o tal comentarista da CBN, do sistema Globo de rádio, para “denunciar” os gastos com as toalhas de fio egípcio, numa repetição grotesca da rádio Globo em 1954. Aí vem o colunista político Merval Pereira (será coincidência?) bradar contra a Era Vargas com um comentário intitulado “filhote do getulismo”, comparando o sindicalismo daquela época com o atual. O objetivo de Pereira é um só: palanque de uma candidatura tucana. O colunista de O Globo é de fato um filhote de um colunista reacionário dos anos 50 - recentemente elogiado pelo próprio Merval - de nome João Neves da Fontoura, que até o fim da vida escreveu contra o seu ex-correligionário Getúlio Vargas e criticava tudo o que passava por perto de nacionalismo. Enfim, tais reflexões fazem parte da história contemporânea brasileira, que ainda precisa ser contada sem a visão distorcida do conservadorismo. Mas se o leitor imagina que as distorções e manipulações midiáticas se resumem a Era Vargas ou aos veículos de imprensa das Organizações Globo, enganam-se. Na edição de 26 de agosto último, a revista Isto É, no mais puro estilo Veja, editou matéria exemplo típico de manipulação da informação, que pode ser denominada “jornalismo cloaca”. Com o título “O lobista de Chávez”, a matéria de página inteira, assinada por Claudio Dantas Siqueira, mentia de cabo a rabo, exatamente com o objetivo de induzir o leitor a se posicionar contra a Telesul, um importante canal televisivo de integração, e o governo da República Bolivariana da Venezuela. A raivosa Isto É queimava o combativo jornalista Beto Almeida com informações mentirosas, porque ele participa como diretor independente, ou seja, sem representar qualquer país, da diretoria da Telesul. De quebra, a matéria “informava” que o Governador Roberto Requião fez um convênio com o canal de integração, apresentando um telejornal da Telesul na TV E do Paraná. O jornalismo cloaca da Isto É ainda por cima selecionou o senador tucano Álvaro Dias para questionar o jornalista Beto Almeida, que também é dos quadros da TV Senado, onde ingressou por concurso. E assim sucessivamente. Não é à toa que alguns analistas vêem o dedo de algum serviço de inteligência na elaboração de matérias como a apresentada pela Isto É. Cabe agora a própria revista responder a tais insinuações e apresentar alguma justificativa para demonstrar que o objetivo da matéria foi apenas jornalístico. Podem crer que vai ser uma tarefa impossível, pois pela forma como foi escrita está na cara a origem da pauta. Por estas e muitas outras, chegou a hora de os brasileiros tomarem conhecimento da necessidade urgente de abrir a discussão sobre a questão da democratização dos meios de comunicação. O que não pode mais ser permitido é os barões da mídia continuarem manipulando ao bel prazer e toda vez que são questionados responderem com acusações infundadas, misturando alhos com bugalhos, ou seja, liberdade de expressão e de imprensa com liberdade de empresa. A hora é essa! Em tempo: a briga Globo x Record deveria sensibilizar os parlamentares em Brasília a criarem uma CPI sobre a mídia. Seria a oportunidade de os brasileiros conhecerem com mais detalhes as graves acusações que foram divulgadas de um lado e do outro.

O GOVERNO TUCANO DEMO E A ARITMÉTICA TARIFÁRIA

NÚCLEO ESTADUAL DE TRANSPORTES PT/SP
08/maio/2009
José Unaldo Santos.
Antonio Marcos da Silva.
Luiz Antonio Queiroz.
Reno Alê.
Ailton Azevedo.
José Augusto de O। Calazans.Gercio Vidal.
O aumento de tarifa que presenciamos a algumas semanas atrás, no sistema metroferroviario e ônibus intermunicipal metropolitano não foi nenhuma novidade, já se podia prever quando o ex-prefeito Serra começou mexer no bilhete único de forma a reduzir as vantagens e ganhos sociais que o mesmo trouxe.

Novidade é a arquitetura que fez e vem fazendo as atuais administrações estadual Serra e municipal Kassab para jogar em cima do usuário do sistema de transportes, com requintes de crueldade, a sua incapacidade de produção de uma política tarifaria baseada no conceito de que transporte é fator de desenvolvimento econômico e social das cidades e famílias.

O que vemos é a ausência de uma política de tarifa, as tarifas elevadas do transporte público, são fatores de restrição às oportunidades de trabalho para as famílias carentes, empurram-nas para os bairros mais distantes do local de trabalho, geram favelas, e dificultam o acesso aos serviços de saúde, educação e lazer. Em resumo contribui para a não mobilidade.

Um dos ganhos sociais que o bilhete único do município de São Paulo trouxe, na sua versão original, foi o aumento da mobilidade na Capital e, conseqüentemente, houve um aumento do número de pessoas que conseguiram emprego.

Mas, na contramão da lógica do desenvolvimento, por haver herdado das administrações tucanas, município e estado, posturas equivocadas com relação ao financiamento do custeio operacional dos sistemas, as administrações tucano / demo chegaram fazer simulações do valor da tarifa excluindo o bilhete único e gratuidade. Absurdos como esses não merecem comentários.

Por total insensibilidade para com a população usuária dos sistemas de transportes, pensando é claro no retorno de capital às operadoras dos sistemas metroferroviário e ônibus o governo tucano protelou o máximo a implementação da integração do bilhete único entre os sistemas.

* Breve retrospectiva.

Quando o PT assumiu a administração da Capital encontrou o sistema de transportes e trânsito em caos. Caos este instalado pelo modelo, irresponsável, centrado no transporte individual e de gestão de fluxos focado na fluidez do trânsito, portanto de veículos, e não nas necessidades de deslocamentos das pessoas, bens e serviços, essenciais para o desenvolvimento econômico do Município e do exercício da cidadania de seus moradores. Tal modelo reduziu drasticamente a mobilidade da população, especialmente a de renda mais baixa.

A Gestão Marta Suplicy enfrentou este problema com a implantação do sistema integrado de transporte e trânsito, passando da gestão de fluxos veiculares para a gestão da mobilidade.

A nova regulamentação do sistema de transporte coletivo com a consolidação do Sistema Integrado de Transporte Público, a implantação dos Via Livre e Passa Rápido, do Bilhete Único, dos projetos voltados à Acessibilidade Universal, trouxeram mais do que ganhos de tempo, conforto e segurança aos usuários, trouxeram um novo modelo de sistema com maior abrangência territorial de atendimento, maior flexibilidade nos deslocamentos e com custos bem mais baixos para o passageiro. Esse conjunto de ações fez com que o sistema de transporte desse um salto de qualidade e quantidade na oferta.

O Bilhete Único foi implantado no município de São Paulo em 18 de maio de 2004.

O Bilhete Único é importante para o aumento da mobilidade urbana, com a conseqüente quebra da relação — maior renda familiar – maior a mobilidade. É bom lembrar que durante os trabalhos de implantação do sistema do bilhete único houveram reuniões entre a Secretaria Municipal de Transportes e a Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos, a fim de que o sistema de transportes sobre trilhos, metrô e trens metropolitanos, fizesse a integração tarifária com o sistema de transporte coletivo de passageiros do município de São Paulo. Apesar dos esforços feitos pela prefeita, Marta Suplicy, o ex-governador, Geraldo Alckmin optou por não dar margem à possibilidade de haver a integração dos sistemas. Porém na campanha os tucanos prometeram priorizar a integração do Metrô, trens da CPTM e ônibus intermunicipal metropolitano com o bilhete único.

No âmbito do Estado tramita aqui nesta Casa, proposta de iniciativa do PT, que cria o bilhete único regional metropolitano, vetor da integração físico-operacional e tarifária dos sistemas de transporte sobre trilhos e pneus na Região Metropolitana de São Paulo—RMSP.

No intuito de sensibilizar o Governo, sobre a importância do estabelecimento de elemento indutor de política tarifaria para as regiões metropolitanas, foram agendadas reuniões com a Secretaria de Transportes Metropolitanos para discutir a harmonização do projeto, a fim de que prevalecesse o interesse público. Foram realizadas duas reuniões, a primeira com o Secretário de Estado, que demonstrou interesse na criação do fundo de custeio ( o projeto cria também o Fundo Metropolitano de Transportes).

A segunda reunião foi realizada com técnicos designados pelo Secretário, que cumpriram o papel de dificultadores à criação do fundo de custeio e se colocaram como não autorizados a discutir a propositura na essência que é o Bilhete Único.

Para disfarçar a falta de política tarifária para a região metropolitana, o governo Alckmin lançou o Metropass (edital em 15 de junho/2004) com único objetivo de tentar confundi-lo com o Bilhete único da Prefeitura de São Paulo.

O METROPASS (cartão de débito), que não vingou, resumia em compra de passagens, com prejuízo visível para o usuário, pois o mesmo anteciparia a receita do sistema a uma empresa gerenciadora, sem nenhuma vantagem. O usuário do sistema de transporte nessa concepção do governo tucano continuaria sendo o único a arcar com o peso do custo da tarifa.

Os tucanos me desculpem, mas não deviam ter adotado essa majestosa ave, o tucano, como símbolo do partido. Deveriam ter adotado outro animal, o caracol por exemplo, que é enrolado.

O ex-secretario municipal de transportes, Frederico Bussinger, é tucano e como não poderia deixar de ser seguindo a lógica do tucanato ele considerou à época do METROPASS, que era perfeitamente normal ao usuário do sistema de transportes arcar com 86% do total do custo da passagem. Transportando essa lógica para o Metrô, hoje, qual será o tamanho do desembolso que a Companhia do Metrô fará à CCR – Companhia de Concessões Rodoviária, líder do Consórcio Metrô Quatro, concessionária da Linha 4-Amarela do Metrô? Esse assunto é atualíssimo, pois numa sacada genial o governo estadual e o governo municipal celebraram Convênio para concessão do sistema de arrecadação das empresas METRÔ, CPTM e SPTrans, com a garantia de implantação do bilhete integrador, pela empresa controladora do sistema. Como bilhete integrador leia-se METROPASS.

Precisamos saber qual é o custo da PPP da Linha 4-Amarela do Metrô, não estamos falando do custo para implantação do sistema, estamos querendo saber qual o valor complementar à tarifa a Companhia do Metrô vai repassar à CCR por conta das transferências na rede metroviária ( transferência de passageiros entre as linhas 1- Azul e 2- Verde)? Onde está o interesse público, a sociedade paulista vai arcar com quanto; em Atenas e Amsterdã o passageiro paga 27% e 25% do valor da passagem respectivamente.

Queremos que a administração estadual responda quanto vai pagar a sociedade na Linha 4 – Amarela do Metrô?
Concluindo, devemos fazer todos os esforços para garantir os benefícios sociais do Bilhete Único, impedir o saque de receitas das empresas públicas METRÔ, CPTM e SPTrans.

Belchior e o jornalismo de Ali Kamel

Mauro Carrara

Tempos atrás, narrei publicamente algumas desventuras daquele tido como “o mais pior dos jornalistas brasileiros”.

Entre muitos profissionais e observadores da imprensa, o estatístico Ali Kamel constitui-se em referência singular de apuração preguiçosa, texto confuso e aplicação ladina de lógicas de conveniência.

O sabujo da família Marinho subiu ao cume da Vênus Platinada valendo-se da escada magirus da obscenidade, especialmente na execução de serviços de comunicação encomendados pela direita brasileira.

Detalhe: a referência nada tem a ver com “O Solar das Taras Proibidas”. Deixemos em paz o astuto Casanova de Roberto Mauro.

Convém, no entanto, notar como o amoroso e eterno pupilo de Henrique Caban logrou, no tempo presente, impor seu “modus informandi” às Organizações Globo e, por tabela, a significativa parcela da inculta mídia monopolista do país.

Exemplo formidável tivemos na edição de 23 de Agosto do Fantástico, o caduco programa dominical da emissora carioca.

Inventou-se ali uma estória (sim, agora sem “h”, mesmo) sobre o desaparecimento de um “grande astro da MPB”.

O sumido (ninguém sabe, ninguém viu) seria Belchior, o inspirado cantor e compositor cearense, moço de Sobral, ex-repentista, autor de jóias da música brasileira como “Apenas um rapaz latino-americano” e “Paralelas”.

A longa matéria misturava fraseados de trama noir e música incidental de suspense hitchcockiano. Por meio de depoimentos pinçados e uma edição bem tesourada, a Globo induziu o brasileiro a cogitar até mesmo de uma abdução.

No dia seguinte, por exemplo, no comércio popular da Rua 25 de Março, no Centro de São Paulo, um pirateador de CDs afirmava que o artista encontrava-se numa base militar em Vênus, na qual cientistas cabeçudos escaneavam sua mente de poeta.

Naquele final de tarde, o hábil prosador admitia já ter vendido 16 cópias de álbuns do artista.

O que o telespectador engole

Ora, nos delírios narrados por Patrícia Poeta e Tadeu Schmidt, o folhetim da Globo manteve-se caninamente fiel à doutrina kameliana do jornalismo “testador de hipóteses”.

Afinal, a teoria do desaparecimento era verossimilhante, o que mestre Kamel considera suficiente para a construção de uma boa matéria.

O estatístico, aliás, já cometera experiências do gênero em “Veja” e na própria Globo, com destaque para os malabarismos argumentativos destinados a atirar no colo de Lula a responsabilidade pela tragédia com o avião da TAM, em Congonhas, em 2.007.

No caso de Belchior, a reportagem foi tratada como pândega por vários profissionais gabaritados da Central Globo de Jornalismo. Era o "se colar, colou". Riu-se da figura do trouxa engolidor de bobagens, o típico Homer Simpson boneriano.

Nas redações da emissora, pórém, a pauta se converteu em batata quente. Ninguém queria assumir a execução da suíte.

Durante a semana, os fatos comprovaram que os súditos de Kamel testam hipóteses, levianamente, ou são péssimos apuradores.

Nos dois anos do suposto “sumiço”, Belchior foi visto, fotografado e gravado em vídeo por dezenas de pessoas, entre jornalistas e cidadãos comuns.

Uma cantora lírica encontrara o cantor em duas ocasiões, em setembro do ano passado, em São Paulo.

Dois meses depois, ele aparecera no bairro do Coqueiral, no Recife, para participar de um evento do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase.

Bastava aos jornalistas do Fantástico “testar um Google” para encontrar as matérias dos jornais pernambucanos sobre a participação de Belchior na cerimônia.

Em 9 de Fevereiro, em Brasília, posara para fotos ao lado de outro famoso amante do bigode, ninguém menos que José Sarney.

O “sumido” distribuira ainda autógrafos para admiradores em lugares como aeroportos e restaurantes, no Brasil e no Uruguai. Tudo recente, recentíssimo.

Aliás, que fugitivo, abduzido ou desencarnado daria palhinhas em shows, participaria de atividades de ONGs e visitaria o presidente do Senado?

A edição de 30 de Agosto do Fantástico, portanto, tinha de colocar dar um fim honroso a mais essa alucinação kamelista.

A batata quente caiu nas mãos da dedicada Sônia Bridi. Coitada.

E lá foi a galega comer pó nas estradas do Uruguai e, convertida em emissária da assistência social, dar plantão na porta de uma pousada em San Gregorio de Polanco.

Tomou um chá de cadeira. Coitada de novo.

Belchior apresentou-se já de noite à câmera da Globo. Afirmou que considerava “estranha” a reportagem sobre seu suposto desaparecimento. E disparou uma fleumática reprovação: “aquilo não tinha nenhuma relação comigo”.

Com um sorriso de mofa nos lábios, concluiu: “eu vivo em São Paulo”.

Ao que tudo indica, o simpático Belchior deu um tempo para escapar de falsos amigos e parentes chatos. É possível ainda que, inadimplente, tenha revivido seu personagem latino-americano, aquele “sem dinheiro no bolso”. Normal, normalíssimo.

Não por acaso, o jornalismo kameliano faz estardalhaço em torno de fatos inexistentes, mas cerra os olhos ao embuste dos bandalhos mal dissimulados.

A Globo não sabe, por exemplo, quem é o marido de Lina Vieira, desconhece seu padrinho demista cara-de-pau e nem desconfia dos interesses da ninfa da Receita no factóide da “agilização”.

Vamos testar uma hipótese? A empresa da família Marinho continuará enfiando gente em seu Triângulo das Bermudas, e Ali Kamel seguirá educando os truões da mídia imprensaleira. Vale uma aposta?

domingo, 30 de agosto de 2009

Empresa americana vai assessorar tucanos na CPI da Petrobrás. Como é que é?

O Conversa Afiada recebeu o e-mail abaixo de uma fonte ligada à indústria do petróleo:
“O Senador Alvaro Dias declarou que o partido está em negociação com uma empresa de Houston, nos Estados Unidos, para auxiliar seu trabalho na CPI da Petrobras. E diz mais “Foi a única empresa até agora que topou nos ajudar porque não é daqui e deve trabalhar para as concorrentes da Petrobrás. Na próxima semana devemos ter muito mais munição”.As motivações do PSDB aos poucos vão ficando claras. Para atacar um patrimônio nacional busca apoio em uma concorrente nos Estados Unidos, país que tem enorme interesse no enfraquecimento da Petrobras, já que pretende que suas empresas de petróleo ganhem importante fatia do pré-sal. Para isso contam com um senador tucano, que se dispõe a fazer o jogo do capital internacional contra a empresa brasileira.
Depois de tentar mudar o nome da empresa para PETROBRAX, agora os tucanos se dispõem a prestar relevantes serviços aos concorrentes de nossa maior empresa. Mas, sobre isso, a imprensa não fala uma linha.
Álvaro Dias deverá se encontrar com representantes de uma empresa de Houston na próxima semana para fechar contrato de investigação sobre a Petrobras. Dias deixou subentendido que a investigação que ficará a cargo da tal empresa pode ultrapassar a análise dos documentos enviados à CPI. O senador falou sobre essa questão com jornalistas do Globo, Estadão e Folha. Mas não deu detalhes.
Outro senador que estaria envolvido nos contatos com a empresa é Sérgio Guerra, mas ele se nega a falar sobre o assunto.”
O Conversa Afiada, na segunda-feira, perguntará ao senadores Álvaro Dias e Sérgio Guerra os termos da colaboração dos tucanos com a empresa americana para desestabilizar a Petrobrás e meter a mão no pré-sal.
O Conversa Afiada convida os amigos navegantes a fazer o mesmo.
O e-mail de Álvaro Dias é: alvarodias@senador.gov.br
E o telefone de seu gabinete é: (61) 3303-4059/4060
O e-mail de Sérgio Guerra é: sergio.guerra@senador.gov.br
E o telefone de seu gabinte é:(61) 3303-2382/2383O Conversa Afiada pedirá ao presidente da CPI, senador João Pedro (PT-AM), que interpele os dois tucanos sobre esse ato que, se verdadeiro, seria uma forma de traição.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Design em nome da qualidade de vida



Design em nome da qualidade de vida

Publicado em 24/08/2009 | PEDRO DE CASTRO, ESPECIAL PARA A GAZETA DO POVO

Entrevista com Jorge Frascara, pesquisador de design de informação.

O tempo que um cliente de telefonia perde nas páginas de detalhamento de serviços, ou que o comprador de uma televisão passa de menu em menu para acertar a imagem, pode ser consequência de um design mal aplicado. É o principal objetivo do design de informação, disciplina do design gráfico, dispor dados de maneira a facilitar ao máximo a experiência do usuário. O argentino radicado no Canadá, Jorge Frascara, um dos expoentes da área, atribui ao design a função de tornar as relações mediadas mais éticas. Para ele, o design deve ter em mente o uso que as pessoas farão dos dados. O professor está em Curitiba para ministrar o curso Design de Informação Centrado no Usuário, promovido pela Universidade Positivo. Hoje à noite ele dá uma palestra gratuita, aberta ao público, no campus da instituição.

Especialistas dizem que o design de informação é uma disciplina aplicada em vários campos do design gráfico antes de um campo específico. Em que esferas o design de informação está mais desenvolvido?

Não se pode dizer facilmente que haja uma área do design de informação que esteja mais desenvolvida que outras. As diferenças se encontram entre os designers ou entre os estudos de design. Por exemplo, um dos ramos mais conhecidos do design de informação é a sinalização, mas isso não significa que todas sinalizações sejam melhores que todos os formulários ou que todos os horários de trens. Ao contrário: sua visibilidade às vezes leva a concepções totalmente equivocadas que colocam a inovação, a identidade e o estilo por cima da capacidade informativa dos sistemas. Muitas vezes, coisas como os horários de trens, que não são projetos tão desejados por estudiosos de design, terminam por oferecer um melhor serviço. Existe uma necessidade imperiosa de implementar o conhecimento existente em design de informação porque ela é uma disciplina necessária para o funcionamento eficaz e honesto da sociedade. Das contas de serviço de gás ou eletricidade até as apólices de seguro, a informação do público alvo deve ser um objeto supremo.

Esta idéia, de que o design deve passar dados de forma eficiente em vez de apenas atraente, é condizente com alguns usos do design, como na publicidade?

Seja para o benefício do público, seja para o benefício do comerciante que anuncia um produto, a qualidade do trabalho do design de informações se mede pela medida em que se alcançam os objetivos propostos. Por exemplo, se uma peça publicitária é atrativa, mas não contribui para alçar as vendas de um produto, a propaganda não alcança os objetivos necessários.

A busca da clareza é característica do chamado design centrado no usuário. Este não deveria ser um princípio de todo o campo do design?

Não necessariamente. Nos supermercados, o desenho da distribuição das mercadorias é complexo, feito para forçar o público a passar mais tempo nele, tentando-o a comprar coisas que não pensava comprar. Na publicidade de produtos de consumo, muitas vezes se vendem fantasias para incrementar as vendas. As companhias de seguro elaboram suas apólices de modo que as pessoas comuns não as entendam e as aceitem sem questionar. O design de informação centrado no usuário, pelo contrário, é um design ético, que defende a qualidade de vida do usuário.

Comunicação persuasiva é um termo recorrente em seus textos. No design, esta persuasão busca corrigir hábitos nocivos das pessoas?

O design de persuasão pode ser usado tanto na publicidade de produtos de consumo como em suas aplicações com fins sociais. Quando se tratar de design com fins sociais, a estratégia é fazer com que as pessoas tomem uma decisão consciente, mudando suas atitudes e condutas. Os argumentos devem ser organizados de uma maneira tal que o público veja uma vantagem pessoal na tomada de uma nova posição.

Você tem estudado equipamentos de segurança, a partir da visão de que as pessoas aprendem mais por tentativa e erro. O design de informação tem-se mostrado eficaz nesta função?

O design de informação deve ser capaz de ajudar os usuários de produtos. Isso não significa que sempre o seja ou que, pelo contrário, sempre se deva usar manuais para aprender a usar instrumentos. A solução ideal é que a informação seja incorporada nos produtos, isto é, que a interação entre os usuários e os produtos possa ser intuitiva. O designer de informação deveria estar envolvido desde o princípio no desenvolvimento de espaços e produtos.

BY http://qurlyq.com/5ul

Bienal do Livro movimenta Curitiba em agosto


Primeiro grande evento da cidade dedicado à leitura terá autores de primeira grandeza e projeto inédito no País

Um projeto inovador, um curador experiente e uma cidade que há tempos merecia um evento compatível com sua realidade, nível e condição cultural. É neste cenário que Curitiba comemora a realização de sua 1ª Bienal do Livro, que acontece entre os dias 27 de agosto e 4 de setembro, o Expo Unimed Curitiba. Autores de renome já confirmaram presença e farão parte de um modelo inovador no País, criado pelo dramaturgo e autor premiado Alcione Araújo. Cultura, Educação e Meio Ambiente estarão no centro das atenções tanto pela programação, como pelas atrações que devem envolver grupos culturais de dança, teatro, oficinas, cafés literários, sessões de autógrafos com grandes autores e editoras de todo o País com seus lançamento mais recentes.


A idéia de transformar Curitiba na capital da leitura é da Agência Esfera, que se uniu a entidades literárias para promover o evento. Há cinco anos, várias delas participavam da feira do livro na Praça Osório, no centro da capital. O evento surgiu de uma reunião e foi tomando corpo. Hoje a expectativa é de reunir mais de 400 mil visitantes nos nove dias do evento. Expositores, escritores, intelectuais, estudantes, profissionais e o público participarão do mais importante evento literário do Paraná com oportunidade de divulgar e conhecer obras, trocar informações e se aproximar de autores de renome da nossa literatura.


Um dos princípios básicos que nortearam a concepção da feira foi ter a certeza de que uma Bienal agregaria um valor muito maior ao evento do que somente uma feira numa praça. A formalidade do espaço, a possibilidade de reunir grandes nomes da literatura, editoras premiadas e novidades que gerariam uma receptividade muito melhor do público em relação a produtos, exposições, autores e debates de questões relevantes da cultura literária.

BY

http://www.bienaldolivrocuritiba.com.br/?system=news&eid=168

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

VLP VIVA A PINTURA

Les "activistes du mouvement graffiti" de VLP (Vive La Peinture!), Jean Gabaret et Michel Espagnon (de gauche à droite).

Magalhães chega a alunos na Venezuela

Magalhães chega a alunos na Venezuela
O pequeno portátil que conquistou a atenção de Chávez vai começar a ser distribuído nas escolas já a 16 de Setembro, confirmou o presidente este fim de semana, embora com diferenças em relação ao projecto português que passam por um novo nome e um sistema operativo “open source”, baseado em Debian, desenvolvido pelo Centro Nacional de Tecnologias de Informação da Venezuela.

http://www.prensaescrita.com/diarios.php?codigo=POR&pagina=http://www.jornaldamadeira.pt
Depois de ter formalizado o acordo com o Governo português e a JP Sá Couto em Setembro do ano passado, Hugo Chávez, presidente da Venezuela, quer agora que o Magalhães seja o agente para a introdução da nova lei orgânica da educação nas escolas do país.
O pequeno portátil que conquistou a atenção de Chávez vai começar a ser distribuído nas escolas já a 16 de Setembro, confirmou o presidente este fim de semana, embora com diferenças em relação ao projecto português que passam por um novo nome e um sistema operativo “open source”, baseado em Debian, desenvolvido pelo Centro Nacional de Tecnologias de Informação da Venezuela.
O projecto tem agora o nome de Canaima, em referência ao parque nacional venezuelano que foi designado património da humanidade pela UNESCO. Num discurso de apresentação da nova lei orgânica da educação, em Caracas, Chávez explicou que os primeiros a receber o novo portátil são as crianças do primeiro grau de ensino, e garantiu que o software "é 100% venezuelano", segundo citação da ABN (Agencia Bolivariana de Noticias).
O presidente voltou a realçar as vantagens do Magalhães, reafirmando o interesse em fabricar o portátil em território venezuelano, com o estabelecimento de uma fábrica local.
Os primeiros portáteis Magalhães já tinham chegado à Venezuela no mês de Julho, num total de 50 mil unidades. Até final deste ano está prevista a entrega de meio milhão de unidades, dentro de uma encomenda total de um milhão de portáteis que foi formalizada há um ano, segundo avança o Tek Sapo.
by JM.online

Clarice Lispector -Em matéria sobre uma biografia sua no The Economist

Brazilian literature

The slide towards insecthood

Aug 20th 2009
From The Economist print edition

Why This World: A Biography of Clarice Lispector. By Benjamin Moser. Oxford University Press; 496 pages; $29.95. Haus; £20. Buy from Amazon.com,Amazon.co.uk

“PREHUMAN divine life is a life of singeing nowness.” Clarice Lispector, who wrote these words, was as enigmatic as they are. Benjamin Moser sets out to crack the enigma. One finishes his new biography largely persuaded by his solution while wishing that he had gone at the task a little less strenuously.

Haus Publishing If only we could understand

Lispector, the “princess of the Portuguese language” and perhaps the first Latin American writer to be identified as a practitioner of magic realism, is one of the more obscure geniuses of modern letters. A Brazilian Jew, she fashioned strange, experimental novels and stories in elemental settings that seem only tangentially related either to Brazil or to Judaism. She proclaimed her Brazilianness more often and more forcefully than her Jewishness. But Mr Moser believes that her work is profoundly Jewish. He makes the case that her tragedies and philosophical concerns led her to create a body of work that belongs within the tradition of Jewish mysticism.

Lispector was born in Ukraine to a family still reeling from the pogroms and plagues that followed the first world war and the creation of the Soviet Union. Her feet never touched Ukrainian soil, she insisted—she was a year old when the family fled. Her intellectually ambitious father turned to peddling in Brazil’s poor north-east. Her mother, a secret writer herself, died slowly from syphilis caught from rape in the old country.

Legendarily beautiful, Lispector embarked on a conventional life, marrying a diplomat and mothering two sons. She was not above purveying make-up tips through ladies’ columns in newspapers. But the corseted, wandering life of a diplomat’s wife did not suit her and one son was schizophrenic. She divorced and returned to Rio de Janeiro to live out her days. A fire caused by sleeping pills and cigarettes scarred her beauty.

For Mr Moser, Lispector’s earliest traumas were the most important. Storytelling began as a way of willing her mother’s recovery. The narrative compulsion was coupled to the unsettling intuition that humans have no secure place along the continuum of creation; they slide toward insecthood even as they grope for an absent God. Lispector has been compared to Jean-Paul Sartre, for her sense of life’s senselessness, and to Franz Kafka. “The Passion According to G. H.” (from which the quotation at the start of this review is taken) has the Kafkaish plot of an encounter between a woman and a cockroach.

Mr Moser emphasises Lispector’s debt to Hermann Hesse’s “Steppenwolf”, who is part divine and part diabolical, and to Baruch Spinoza, who saw God as having an amoral, indifferent nature. Above all, he sees Lispector as a latter-day cabbalist for whom utterance itself is the act of creation: for her, God is among those thus created.

Lispector did not choose to say much about herself directly. Mr Moser’s biography relies therefore on inference, context and interpretation. His primary sources for the writer’s early life are an autobiographical novel and memoir by her sister, Elisa. The family lived through a tumultuous period of Brazil’s history, during which Jews sometimes had reason to feel menaced by bigoted despots and fascist rabble. But in his eagerness to emphasise the anxiety that the Lispectors must have felt, Mr Moser underplays Brazil’s tradition of racial and cultural mixing.

At times, Mr Moser’s attempt to understand Lispector as a Jewish writer can feel like recruiting. Lispector was never obvious, as Mr Moser notes. This absorbing and perceptive biography of a fascinating writer sometimes is.


Morreu o senador Edward Kennedy



Membro de uma das familias mais relevantes da política estadunidense, faleceu aos 77 anos face a uma enfermidade terminal. Obama disse estar ""desolado"

Everardo: Casos Petrobras e Dilma/Lina "são farsa"

Bob Fernandes
O pernambucano Everardo Maciel mora há 34 anos em Brasília. Foi secretário executivo em 4 ministérios: Fazenda, Educação, Interior e Casa Civil, e foi Secretário da Fazenda no Distrito Federal. Everardo é hoje consultor do FMI, da ONU, integra 10 conselhos superiores, entre eles os da FIESP, Federação do Comércio e Associação Comercial de São Paulo e é do Conselho Consultivo do Conselho Nacional de Justiça.
Mas, nestes tempos futebolísticos, às vésperas de 2010, com tudo o que está no ar e nas manchetes e, em especial, diante do que afirma Everardo Maciel na entrevista que se segue, é importantíssimo ressaltar que ele foi, por longos 8 anos, "O" Secretário da Receita Federal dos governos Fernando Henrique Cardoso.
Dito isso, vamos ao que, sem meias palavras, afirma Everardo Maciel sobre os rumorosíssimos casos da dita "manobra contábil" da Petrobras - que desaguou numa CPI -, da suposta conversa entre a Ministra Dilma Rousseff e a ex-Secretaria da Receita Lina Vieira e da alardeada "pressão de grandes contribuintes", fator que explicaria a queda na arrecadação:
- Não passam de factóides. Não passam de uma farsa.
Sobre a suposta manobra contábil que ganhou asas e virou fato quase inquestionável, diz o ex-Secretário da Receita Federal de FHC:
-É farsa, factóide... a Petrobras tem ABSOLUTO DIREITO (NR: Destaque a pedido do entrevistado) de escolher o regime de caixa ou de competência para variações cambiais, por sua própria natureza imprevisível, em qualquer época do ano. É bom lembrar que a opção pelo regime de caixa ou de competência não repercute sobre o valor do imposto a pagar, mas, sim, a data do pagamento. Essas coisas todas são demasiado elementares.
E o caso Dilma/Lina?
- Se ocorreu o diálogo, ele tem duas qualificações: ou era algo muito grave ou algo banal. Se era banal deveria ser esquecido e não estar nas manchetes. Se era grave deveria ter sido denunciado e chegado às manchetes em dezembro, quando supostamente ocorreu o diálogo. Ninguém pode fazer juízo de conveniência ou oportunidade sobre matéria que pode ser qualificada como infração. Caso contrário, vai parecer oportunismo.
E a queda na arrecadação por conta de alardeada pressão de grandes contribuintes?
-Farsa, factóide para tentar explicar, indevidamente, a queda na arrecadação.
Sobre essa mesma queda e alardeadas pressões, Everardo Maciel provoca com uma bateria de perguntas; que ainda não foram respondidas porque, convenientemente, ainda não foram feitas:
- Quais são os nomes dos grandes contribuintes, quando e de que forma pressionaram a Receita? Quando foi inciada a fiscalização dos fatos relacionados com o senhor Fernando Sarney? Quantos foram os contribuintes de grande porte no Brasil que foram fiscalizados no primeiro semestre deste ano, comparado com o mesmo período de anos anteriores e qual foi o volume de lançamentos? A Receita, em algum momento, expediu uma solução de consulta que tratasse dos casos de variações cambiais como os alegados em relação à Petrobras?
Com a palavra Everardo Maciel, Secretário da Receita Federal nos 8 anos de governo Fernando Henrique Cardoso:
Terra Magazine - Algo perplexo soube que o senhor, Secretário da Receita Federal por 8 anos nos governos de Fernando Henrique Cardoso, não tem a opinião que se imaginaria, e que está nas manchetes, editoriais e colunas de opinão, sobre o caso das ditas manobras contábeis da Petrobras, agora uma CPI?Everardo Maciel - Independentemente de ter trabalhado em qualquer governo, meu compromisso é dizer a verdade que eu conheço. Então, a verdade é que a discussão sobre essa suposta manobra contábil da Petrobras é rigorosamente uma farsa.
Uma farsa, um factóide?É exatamente isso. Farsa, factóide. E por quê? Porque não se pode falar de manobra contábil, porque a contabilidade só tem um regime, que é o de competência.
Traduzindo em miúdos, aqui para leigos como eu....Eu faço um registro competência... quer dizer o seguinte: os fatos são registrados em função da data que ocorreram e não da data em que foram liquidados. Por exemplo: eu hoje recebo uma receita. Se estou no regime de competência, a receita é apurada hoje. Entretanto, se o pagamento desta receita é feito no próximo mês, eu diria que a competência é agosto e o caixa é setembro. Isso é competência e caixa, esta é a diferença entre competência e caixa, de uma forma bem simples.
Cabe uma pergunta, de maneira bem simples: então, Secretário, há um bando de gente incompetente discutindo a competência?Eu não chegaria a fazer essa observação assim porque não consigo identificar quem fez essas declarações, mas certamente quem as fez foi, para dizer o mínimo, pouco feliz.
Por que o senhor se refere, usa as expressões, "farsa" e "factóide"?Vejamos: farsa ou factóide, como queiram, primeiro para explicar indevidamente a queda havida na arrecadação. Agora, a Petrobras, no meu entender, tem ABSOLUTO DIREITO (NR: Destaque a pedido do entrevistado) de escolher o regime de caixa ou de competência para variações cambiais, por sua própria natureza imprevisível, em qualquer época do ano. É bom lembrar que a opção pelo regime de caixa ou de competência não repercute sobre o valor do imposto a pagar, mas, sim, a data do pagamento. Essas coisas todas são demasiado elementares. Para especialistas.
Então por que todo esse banzé no Oeste?Não estou fazendo juízo de valor sobre a competência de ninguém, mas, neste caso, para o governo, me desculpem o trocadilho, o que contava era o caixa. E o caixa caiu. Para tentar explicar por que a arrecadação estava caindo, num primeiro momento se utilizou o factóide Petrobras. No segundo, se buscou explicações imprecisas sobre eventuais pressões de grandes contribuintes, às vezes qualificados em declarações em off como financiadores de campanha. Entretanto, não se identificou quem são esses grandes "financiadores de campanha" ou "contribuintes". Desse modo, a interpretação caiu no campo da injúria.
O senhor tem quantos anos de Brasília?Não consecutivamente, 34 anos. Descontado o período que passei fora, 30 anos.
Diante desse tempo, o senhor teria alguma espécie de dúvida de que o pano de fundo disso aí é a eleição 2010?Eu acho que nesse caso, em particular e em primeiro lugar, o pano de fundo era a sobrevivência política de uma facção sindical dentro da Receita.
Seria o pessoal que o atormentou durante oito anos?Não todo tempo. E de qualquer sorte, de forma inócua.
Sim, mas me refiro para o que reverbera para além da secretaria,do que chega às manchetes... os casos da Petrobras, um atrás do outro.Todos esses casos são, serão esclarecidos, e acabam, acabarão sendo esquecidos, perderão qualquer serventia para 2010. São factóides de vida curta. Depois disso chegamos à terceira fase do factóide.
Mais ainda? Qual é?Aí vem a história do virtual diálogo que teria ocorrido entre a ministra-chefe da casa civil, Dilma Rousseff, e a secretária da receita, Lina Vieira. Não tem como se assegurar se houve ou deixou de haver o diálogo, mormente que teria sido entre duas pessoas, sem testemunhas. Agora tomemos como verdadeiro que tenha ocorrido o diálogo. Se ocorreu o diálogo, ele tem duas qualificações: ou era algo muito grave ou algo banal.
Sim, e aí?Se era algo banal, deveria ser esquecido e não estar nas manchetes. Se era algo grave, deveria ter sido denunciado e chegado às manchetes em dezembro, quando supostamente ocorreu o diálogo. Ninguém pode fazer juízo de conveniência ou oportunidade sobre matéria que pode ser qualificada como infração. Caso contrário, vai parecer oportunismo.
À parte suas funções conhecidas, de especialista, por que coisas tão óbvias como essa que o senhor tá dizendo não são ditas? Já há dois meses essa conversa no ar sem que se toque nos pontos certos, óbvios...Eu não sei porque as pessoas não fazem as perguntas adequadas...
Talvez porque elas sejam incômodas para o jogo, para esse amontoado de simulacros que o senhor aponta? Quais seriam as perguntas reveladoras?Por exemplo: quais são os nomes dos grandes contribuintes, quando e de que forma pressionaram a Receita? Quando foi inciada a fiscalização dos fatos relacionados com o senhor Fernando Sarney? Quantos foram os contribuintes de grande porte no Brasil que foram fiscalizados no primeiro semestre deste ano, comparado com o mesmo período de anos anteriores e qual foi o volume de lançamentos? Ainda uma outra pergunta: a Receita, em algum momento, expediu uma solução de consulta que tratasse dos casos de variações cambiais como os alegados em relação à Petrobras? Respostas a isso permitiriam lançar luz sobre os assuntos.
Última pergunta, valendo-me de um jargão jornalístico: trata-se então de um amontoado de cascatas?Não tenho o brilhantismo do jornalista para construir uma frase tão fortemente elegante e esclarecedora, mas, modestamente, prefiro dizer: farsa e factóide. Ao menos, no mínimo, algumas das coisas que tenho visto, lido e ouvido, não passam de factóides. Não passam de uma farsa.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

"A leitura não entusiasma aos jovens de hoje,o como se fazia no passado?"

A especialista francesa Anne-Marie Charter reflete acerca da exigência de memorizar na Idade Media e a necessidade atual de manejar todos los suportes da atualidade.

Por: Claudio Martyniuk.

"LEER es siempre una actividad que oscila entre el placer y los obstáculos", dice esta doctora en ciencias de la educación.

La historia de las tecnologías de escritura y lectura, así como de los soportes materiales de los textos, se entrelaza con la historia de la alfabetización. Y la lectura de ese pasado brinda una renovada comprensión del presente y de las tareas de la escuela ante un objeto clave de nuestra cultura: el libro. Sobre él descansa, ambiguamente, la pretensión civilizatoria. Anne-Marie Chartier es una especialista en la historia de las prácticas de enseñanza de la lectura y escritura reconocida internacionalmente. Visitó Buenos Aires para dictar un seminario en el posgrado en Lectura, escritura y educación de Flacso.

En la Edad Media pocas personas sabían leer y accedían a los libros. En los conventos surgió la lectura silenciosa, interna. Esa innovación, ¿qué proyección tuvo?

Fue muy importante porque instaló los gestos intelectuales del trabajo con los libros que se mantienen hasta hoy. Pero si bien instaló la lectura mental, moderna y muy rápida, hay una diferencia fundamental con la manera de leer actual: en el medioevo, leer era memorizar íntegramente los textos fundamentales, mientras que hoy lo que esperamos de la lectura mental es la extracción de las informaciones principales de un texto y no su memorización literal. Durante siglos se enseñó a los niños que leer era fijar la memoria literal de un texto. Y los saberes que eran considerados fundamentales para los niños eran los religiosos, los cuales son leídos, repetidos, cantados, recitados. El lugar donde hoy podemos encontrar este estilo de lectura es la poesía. La lectura de poesía nos da una idea de lo que era la lectura en la Edad Media.

La minoritaria lectura de poesía en parte parece tener que ver con la falta de lectura en voz alta. ¿Es una pérdida irremediable?
No. Felizmente existen los cantantes. El lugar donde nos vemos obligados a pensar la relación entre la voz y el texto son las canciones. En el espectáculo, también en la ópera, esa cuestión de la relación entre la voz y el texto no es algo residual. En la publicidad y en los medios modernos se integran imagen, texto y voz. Pienso que los medios audiovisuales, con las revoluciones de la imagen y el sonido, restituyeron a nuestra vida de lectores una tradición de lectura en voz alta que muestra que nuestra memoria fija las cosas con más fuerza cuando lee con todos nuestros sentidos, con la imagen, el texto y la voz.

Sin embargo, la "Galaxia Gutenberg", centrada en el libro, parece desplazada por la imagen.
La "Galaxia Gutenberg" perdió el mundo de la imagen y del color para entrar en un mundo en blanco y negro, un mundo gris. Ese descubrimiento extraordinario de la modernidad -la imprenta- en parte suprimió la riqueza de la tradición medieval que vinculaba imagen de color y texto. En la modernidad, la introducción de imágenes en el texto exigió un largo tiempo de trabajo tecnológico hasta llegar a insertar viñetas, pequeñas láminas en el interior de los libros. En la actualidad, reencontramos la riqueza estética medieval en textos que incluyen imágenes en color. La novedad es el sonido. Texto, imagen, color y sonido están conectados en los nuevos soportes tecnológicos.
Pero es problemática la comprensión de las imágenes.

El procesamiento de la imagen no es secuencial o lineal, como lo es el procesamiento del texto escrito, y hay interacciones entre las imágenes y el texto que no son fáciles de analizar. No hay un procedimiento de lectura de imágenes que pueda enseñarse como se enseña la alfabetización.
Siento preocupación cuando se habla de leer imágenes o situaciones, como si la lectura fuera el paradigma de todo entendimiento. Es una metáfora: no se leen las imágenes, las imágenes se comprenden, se analizan, se perciben, se sienten. Decir que las leemos es una manera de hablar que obstaculiza. Las imágenes funcionan de la misma manera en diferentes culturas, y niños que no hablan el mismo idioma pueden comprender la misma imagen. Hay fenómenos que son específicos de la imagen. Yo puedo leer un libro del siglo XVIII con el sentimiento de que hay una continuidad entre esa escritura y la actual. Pero la forma en que están ilustrados los libros del siglo XVIII no tiene nada que ver con la ilustración de los libros actuales. Para la educación esto es un problema porque no hay tradición en la escuela de una cultura de la imagen que no sea una ilustración de lo escrito. En la escuela primero está lo escrito y la imagen aparece como un complemento para adornar, mientras que en la vida no es así.

¿Sólo esa función cumple la ilustración en los libros escolares?
Hay una evolución desde fines del siglo XIX, con la creación de la escuela republicana -con Sarmiento, aquí en Argentina, y Jules Ferry en Francia; la historia de la creación de la escuela republicana en Argentina y en Francia se parece mucho. En ella, lo prioritario es el texto y las imágenes están para fijar la memoria, utilizando también la emoción en la representación de los próceres de la patria. El libro de Héctor Rubén Cucuzza "Yo, argentino. La construcción de la Nación en los libros escolares (1873-1930)" muestra que ante los próceres que marcaron la historia -que es como la historia de los santos que marcaron la historia de la Iglesia- hay un relato mítico que necesita imágenes, porque ellas fijan la representación de los héroes que jalonan el relato del texto.

También los textos de ciencias tienen imágenes.
Pero es distinta la ilustración de esos libros escolares que quieren dar una idea del discurso científico con lecciones sobre el agua, el aire o la circulación de la sangre. Se ilustran con esquemas. Los chicos tienen que reproducir el esquema de circulación de la sangre, por ejemplo, mientras que no se les pide que dibujen al prócer. Hay una introducción al gesto científico de representación abstracta de la realidad, la que parece aportar una verdad invisible. En libros escolares muy simples aparece la representación de la variedad de los discursos que existen en el mundo científico. En geografía es el mapa, y en la escuela cada disciplina científica está marcada por un tipo de uso diferente de la articulación imagen-texto. La alianza imagen-texto funciona como un indicador disciplinario, y los chicos saben de inmediato, al abrir un libro, en qué disciplina están, aunque no sepan leer. La escuela encontró un medio muy eficaz para darles a los niños una clasificación de los saberes.

¿Hoy los chicos no se entusiasman con la lectura?
Parece que no, pero tampoco en el pasado, ¿no cree? En definitiva, habría que probar que la lectura no entusiasma a los chicos hoy y que los entusiasmaba ayer. No hay que mezclar los recuerdos nostálgicos de los amantes de los libros con la realidad de la generación anterior. Yo no tengo la sensación de que en la generación de mi abuela había entusiasmo por los libros. Existía mucha desconfianza respecto de los libros y cuando a las chicas les gustaba leer, se pensaba que eran malas amas de casa y madres y que perdían el tiempo. Había desconfianza hacia los libros en los sectores populares; los consideraban pasatiempo de ricos. Y la mayoría de la gente no leía, salvo el diario para saber las noticias locales y quiénes habían muerto, pero no se tenía la idea de que a uno le faltaba algo cuando no leía. Esto se ha olvidado. Se tiende a reconstruir el pasado con la cultura de las clases medias, que son las clases que enseñan.

La extensión de la alfabetización, ¿generó más lectores?
Se esperaba, con la generalización de la alfabetización y de los estudios prolongados, un aumento del número de personas que irían a bibliotecas, comprarían libros y leerían. Cuando eso se volvió posible -con los libros de bolsillo y los diarios accesibles- llegó la revolución tecnológica de la televisión y después Internet.

¿Y qué puede hacer la escuela en esa batalla?
La escuela está tironeada por dos objetivos: existe para desarrollar una cultura general, científica y literaria, pero debe preparar a los chicos para el mercado de trabajo, algo que nunca antes había tenido que asumir. La cuestión del mercado laboral dependía de una formación profesional o de la demanda local, pero no era rol de la escuela preparar a los niños para oficios, simplemente porque la mayoría de los oficios no requería saber leer. En la actualidad, todos los oficios, aun los de bajo nivel de calificación, exigen el conocimiento de la lectura y la escritura. Un ejemplo: en los hoteles Accor, una cadena internacional, el personal de limpieza tiene un protocolo de 40 ítems para verificar. Cada vez que entran en una habitación, deben ver si funciona la luz, etc. Es una lista escrita y se debe tachar con una cruz. Una mujer que no sabe leer y escribir no puede ser mucama. Eso era impensable antes, cuando para las tareas manuales se requería fuerza de trabajo, no competencia de lectura.

¿Cómo afecta esto a los maestros?
Los docentes no desean quedar sometidos a la demanda económica, pero saben que los chicos vienen a la escuela también con una expectativa de inserción social y de éxito en el mercado laboral. Esos imperativos económicos pesan y, como consecuencia, los imperativos culturales de la escuela quedan un poco como de lujo. Se duda: "¿Es necesaria la poesía en la escuela?" Esto trae un problema de identidad cultural en los docentes porque no eligieron la profesión con esa perspectiva.

Copyright Clarín, 2009.