segunda-feira, 30 de agosto de 2010

NovaE - Lula apresenta a 'presidenta' Dilma para os metalúrgicos do ABC paulista

NovaE - Lula apresenta a 'presidenta' Dilma para os metalúrgicos do ABC paulista

Londres alberga la primera exposición de arte enteramente comestible


Londres alberga la primera exposición de arte enteramente comestible
Las materias primas son azúcar, galletas y chocolate. La muestra "Cake Britain" alude a la fiesta del té de Alicia en el País de la Maravillas.
MATERIALES. Azúcar, galletas y chocolate sustituyen a los óleos y lienzos bajo el concepto "Mad Artists Tea Party" ("La fiesta del té de los artistas locos") que ha dado lugar a "Cake Britain", la muestra.
Los artistas británicos más golosos han aunado fuerzas con los reposteros más creativos para organizar una exposición de arte comestible que podrá visitarse desde hoy viernes hasta el próximo domingo en la capital británica.

Azúcar, galletas y chocolate han sustituido a los tradicionales óleos, lienzos y escayolas como materias primas para la creación artística bajo el concepto Mad Artists Tea Party (La fiesta del té de los artistas locos) que ha dado lugar a Cake Britain, la primera exposición de arte completamente comestible.

En un guiño a la fiesta del té más célebre de la historia de la literatura, una pequeña escultura con Alicia en el País de la Maravillas como protagonista preside la exposición en la galería The Future Gallery de Londres. En la pared, la cabeza de un reno de galleta con virutas de chocolate da una vuelta de tuerca a la decoración más tradicional.

En este festival de lo dulce no podía faltar la producción repostera por excelencia: una tarta nupcial con varios pisos y más de metro y medio de altura en la que, para no desentonar en originalidad con el resto de esculturas comestibles, sorprende un reloj de cuco que sobresale de uno de los pisos. Y para que los visitantes no se olviden de que no todo lo apetitoso tiene por qué tener aspecto azucarado, unas pequeñas hamburguesas con patatas fritas hechas con bizcocho y azúcar destacan entre la serie de creaciones inspiradas en la repostería.

David A. Smith, considerado por la prensa británica uno de los "artistas jóvenes más prometedores", Prudence Staite, experta en crear cualquier cosa imaginable a partir de comida, y Jellymonger-Bompar & Parr, que diseñan espectaculares montajes culinarios, a veces a escala arquitectónica, son algunos de los creadores presentes en esta exposición con fines benéficos.

Aunque la entrada es gratuita, los visitantes pueden hacer donaciones que irán destinadas a varias organizaciones benéficas británicas para objetivos como el apoyo a niños con enfermedades terminales o el comercio justo. Como muchas otras exposiciones, las obras de arte de la muestra están a la venta, aunque este es el único caso en el que, tras la compra, las creaciones tienen más posibilidades de acabar en los estómagos que en las casas de los compradores.


Fuente: EFE y La Vanguardia.

O SONHO DE DRUMMOND

O SONHO DE DRUMMOND





RAMON MELLO RAMON MELLO EM 8:02 PM 0 COMENTÁRIOS
um fã, junto com o amigo, deixou um bilhete para Renato Russo e recebeu como resposta uma carta com sugestões de leituras.

"Uma boa idéia rapazes é ler livros. Aí vocês verão que nem sou tão original"

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

O caso Sakineh Astiani


By JORNAL DO COMËRCIO RECIFE PE Publicado em 20.08.2010

O caso Sakineh Astiani
Selma Vasconcelos




A sexualidade feminina, desde a Grécia clássica, foi sempre alvo de preocupação e teorização, havendo a origem mítica da sociedade matriarcal impregnado as ideias relativas à esfera da sexualidade e do papel da mulher na criação do mundo.

No entanto, as ideias evolucionistas de Darwin, no século 19, influenciaram desde a religião à economia e ciências sociais. Na antropologia, o suíço J.J. Banhofen aplicou a linha progressista para fortalecer a ideia de evolução das primitivas sociedades matriarcais para o patriarca, atribuindo – à vitória dos deuses masculinos sobre as deusas-mães. A razão desta "progressão" não seria outra senão aquela de controlar a promiscuidade sexual das sociedades primitivas que deixavam a mulher em situação de domínio por ser a única a poder apontar a paternidade dos filhos gerados por acasalamentos circunstanciais e sem vínculo afetivo. Ao homem reservava-se o papel de mero reprodutor.

Posteriormente, Marx e Engels, desprezavam as razões míticas para explicar a origem do patriarcado e atribuíram esta mudança da ordem social, à introdução do princípio da propriedade privada. Isto porque, os homens vitoriosos em combate e defesa de seus territórios, só admitiam legar os seus bens aos filhos consanguíneos e, portanto "legítimos". Daí a criminalização do adultério como delito passível de pena capital.

A questão da terra também se relaciona com a divisão de trabalho por gênero, atribuindo ao homem maior capacidade de controle da natureza, de criar novas tecnologias e de vencer as guerras.

Para consolidar este poder masculino devemos nos remeter ao mito cristão legitimado no Gênesis da Bíblia Hebraica que atribui a "parturição" da mulher a partir da costela de Adão. O relato bíblico foi tomado, durante a inquisição, como testemunho da devida submissão do gênero feminino e (pasmem!) da propensão da mulher à maldade, uma vez que "nasceram de um pedaço curvo que seria exatamente o oposto da retidão atribuída ao homem gerador de sua vida” (O martelo da feiticeira - 1486).

O Gênesis também legitima a mulher como culpada pela desestabilização da relação do homem com Deus, sacralizando assim a cisão entre sexualidade e afeição e a relação de domínio do homem sobre a mulher e a natureza. Estava assim santificada a estrutura patriarcal que existe até nossos dias.

O caso da iraniana Sakineh Astiani condenada à morte por apedrejamento ou enforcamento, por adultério, é um exemplo contemporâneo do poderio patriarcal atávico agravado por um regime autoritário, intolerante e fundamentalista. Segundo entrevista da ré ao jornal The Guardian, o assassino do seu marido foi condenado e preso mas não lhe foi cobrado o preço do delito com a própria vida. A sociedade do século 21, particularmente o gênero feminino, por haver percorrido duro caminho para conquista de seus direitos, repudia o abuso de poder em qualquer esfera que nos perpetue na posição de inferioridade desigualdade e injustiça.

» Selma Vasconcelos é professora universitária e membro da Sociedade Brasileira de Escritores Médicos

sábado, 21 de agosto de 2010

A PARAÍBA E SEUS POLÍTICOS RETRÓGRADOS

Um estado de dimensões culturais extensas, de valores na música, no teatro,no cinema, na literatura, com uma Universidade Federal de peso, sem falar numa plêiade de intelectuais que atuam ai , no Brasil e no mundo,e com cidades de alto porte de negócios e indústrias, ainda se mantém presa a políticos retrógrados sem visão de futuro,de passado e muito menos de presente.
Como paraibano lamento o estado de coisas da política atual, em que o retrogrado de direita mantem-se a frente nas pesquisas e isto se deve ao povo, que o elege e o consolida.
A democracia do falar, dizer, expressar-se é perseguida pelo Sr.Governador apelando ao TRE , para retirar vídeo-do You Tube- que o desmascara e mostra sua face, ditatorial, estar nas redes meu senhor é está exercendo o direito de comunicar-se, e como diz Dominique Wolton -Paris- não há democracia sem comunicação, sem livre expressão.
Fala o governador que Tuiteiro é vagabundo, que isso Sr.Governador?
Quando as redes sociais estão ao seu favor o senhor as acata e não contesta, que democracia é esta?
Que poder tem o senhor, em nome de seu direito de candidato, em se utilizar de seu direito despótico junto ao TRE e retirar o vídeo?
Tuiteiros são vozes e expressões que tentam democratizar a vida em comunidade.
Que fez o senhor por uma rede de wireless em seu estado e sobretudo na capital, em Campina Grande, Patos Cajazeiras, Souza entre outras?
Que Fez o senhor pela UEPB, pelo campus(UFCG) de Cajazeiras da Escola de Medicina ?
Que nos diz o senhor sobre o campus de Piancó?
Enquanto isto proliferam-se centros universitários, faculdades privadas que assaltam os estudantes do estado?
O que diz o senhor do fato de que há sete meses motoristas-em Cajazeiras não recebem seus salários da Secretária de Educação do Estado?
Que foi feito do dinheiro da Saelpa
Esta é uma paraíba ainda dos velhos coronéis, e quando o sudeste fala, não temos argumentos para costentar um governador deste tipo.
Como a própria bandeira do estado diz-NEGO - ESTE SR GOVERNO A UMA NOVA CANDIDATURA.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Fotos I Congresso- Franco Brasileiro sobre Psicanálise, Filiação e Sociedade



Professor Paulo Vasconcelos -primeiro a esquerda -dissertou sobre: Mídia e Adoção, representando a LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES: ANHEMBI MORUMBI SÃO PAULO-

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Jornalistas de língua portuguesa se reúnem na Bienal Lusofonia é um dos quatro eixos desta edição da feira

Jornalistas de língua portuguesa se reúnem na Bienal
Lusofonia é um dos quatro eixos desta edição da feira

Eventos
PublishNews - 16/08/2010 - Redação

Nesta segunda e terça, a Federação dos Jornalistas de Língua Portuguesa (FJLP), com apoio da CBL, promove a Conferência de Jornalistas de Língua Portuguesa durante a 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

O tema tem tudo a ver com esta edição da feira, que, além de homenagear os escritores Monteiro Lobato e Clarice Lispector, vai discutir o livro digital e, justamente, a lusofonia. A organização convidou ainda os africanos Mia Couto e José Eduardo Agualusa para conversar com o público.

Os temas em destaque na conferência são "O jornalismo de Língua Portuguesa nos veículos públicos e privados nos países lusófonos" e "A cobertura jornalística nos - e sobre - os países de Língua Portuguesa". Além de São Paulo, a programação se estende a Porto Alegre até o dia 22 de agosto.

Paralelamente, será realizada a exposição fotográfica “Portugal Tri-Legal”, da jornalista brasileira radicada naquele país Mônica Delicato

Programação

Dia 16
11h - Conferência: O Jornalismo de Língua Portuguesa nos veículos públicos e privados nos países lusófonos. Conferencistas: Pedro Bicudo, da Rádio e Televisão Pública- RTP Açores (Portugal); Hulda Moreira, da RTP África (Cabo Verde); Rose Nogueira, da TV Brasil em São Paulo; e Messias Constantino, do Jornal de Angola (Angola). Mediador - Eduardo Constantino, da Rádio Nacional de Moçambique

Dia 17
10h - Conferência "A cobertura jornalística nos - e sobre - os países de Língua Portuguesa". Conferencistas: Carlos Fino, jornalista português radicado no Brasil; Mônica Delicato, jornalista brasileira radicada em Portugal; Mamadu Candé, da rádio nacional de Guiné Bissau; e Amarildo Santos, do Sindicato dos Jornalistas de São Tomé e Príncipe. Mediador: Paulo Markun, da Empresa Brasileira de Comunicação (TV Brasil)

A cobertura da 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo pelo PublishNews tem o apoio da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

domingo, 15 de agosto de 2010

Publican un diario inédito del viaje de Bioy Casares a Brasil

by REVISTA Ñ
Publican un diario inédito del viaje de Bioy Casares a Brasil
El escritor recorrió San Pablo, Río de Janeiro y Brasilia, en 1960. El libro "Unos días en Brasil" sale el próximo mes. También hizo fotos.
Por: Madrid
ATENTO. Bioy Casares documentó el recorrido que hizo con un grupo convocado por el Pen Club.
AnteriorSiguiente

1 de 1

"Ahora estoy bastante solo en el mundo porque no tengo ni mi hija ni mi mujer, entonces escribo diarios de viaje", decía Adolfo Bioy Casares en una entrevista, en 1997.

Decía la verdad, seguro, el autor de La invención de Morel. Pero también, seguro, mentía un poquito: venía escribiendo diarios de viajes desde mucho tiempo antes.

El mes que viene se publicará, en Argentina y en España, Unos días en el Brasil (Diario de viaje) : un texto en el que Adolfo Bioy Casares cuenta sus impresiones del recorrido que hizo, en 1960, invitado por el PEN Club.

No en vano, en el epílogo de este libro, el editor Michel Lafón se pregunta: "¿Y si Bioy fuera el mayor diarista del contiente? Es una idea fundada la de Lafon: Adolfo Bioy Casares es el mismo hombre que apuntó con minuciosidad durante años sus conversaciones con Jorge Luis Borges y después las publicó en Borges, ese libro enorme (1700 páginas) en las que no se salva nadie, ni siquiera el querido amigo Borges. El que escribió los relatos íntimos que se publicaron en sus Memorias (1994) y Descanso de caminantes (2001).

En fin, esta vez se trata de un volumen de unas cien páginas que saldrá el mes que viene. En nuestro país, lo publica la editorial La Compañía y en España, Páginas de Espuma. En España, además del libro, la Galería Guayasamín de Casa de América hará una exposición con las fotos que tomó Bioy durante ese viaje.

Como siempre, Bioy cruza en Unos días..

. lo que ve, lo que le pasa, lo que piensa de lo que aparece delante de sus ojos. Esta vez, lo que pasa en Río de Janeiro, San Pablo y una Brasilia que se estaba recién inaugurando.

De esa experiencia, textos y fotos, Bioy Casares hizo una pequeña edición de doscientos ejemplares que repartió entre la familia y los amigos, según contó Juan Casamayor, editor de Páginas de Espuma.

Como era un viaje del PEN Club, con él había otros autores, entre ellos Alberto Moravia o Graham Green. Parte de las anécdotas cotidianas de ese viaje incluye a estos personajes. Otros aspectos son la descripción de los ambientes que recorren o la decepción de Bioy ante Brasilia.

Lafon, el editor, dijo que no sabe por qué Bioy aceptó la invitación: "No tiene nada que decirles a los otros invitados, rechaza las amistades obligadas y los ejercicios impuestos, odia la retórica vacía, no quiere hablar en público", contó.

Quizás la respuesta esté en esa entrevista que Tomás Barna le hizo en 1997: "La aspiración es que el viaje exterior sea un viaje interior y se enriquezca con las reflexiones o con lo que valga de esa persona que está escribiéndolo".

Así fue como, se dice que dando alguna excusa, en 1967, Bioy Casares se lanzó a otro viaje: esta vez fue solo y anduvo por Europa en un auto alquilado.

Llevaba ­era un escritor­ un cuaderno en el que un cuaderno en el que iba registrando lo que le pasaba. Las cartas que les mandó entonces a su esposa, Silvina Ocampo, y su hija Marta, conformaron el libro En viaje.

Cien páginas, reflexiones, observaciones, fotos. Así es lo "nuevo" de Bioy, que está a punto de salir del horno.

Se espera, del Bioy que mira Brasil, algo de asombro y algo de desconcierto. Por lo menos será así si se atiende a las palabras que él mismo escribió en Descanso de caminante : "Es bien sabido que el viajero cuando llega a tan lejanas regiones, no sabe donde está y padece de una extraña confusión que lo mueve a reconocer, a recordar parajes que nunca ha visto. Con valerosa frivolidad afirma entonces "por aquí he pasado".

sábado, 14 de agosto de 2010

A globo que você nao Conhece

A CAMUFLADA IGREJA DOS MARINHO-Os Produtos da Globo- QUE SEMPRE QUER NOS FAZER DE BOBO e a Palhaçada Geral

Esta nos cerca por todas as mídias e nos tripudia diariamente.Já não basta sua falta de credibiidade face ao seu jornalismo televisivo e impresso, pelo seu jornal, agora está aí a revista Época- de péssima qualidade fazendo campanha para o Serra.
Vê se tem responsabilidade de fato, ja que mente ao dizer que faz um Marketing Social sério, e que tem Responsabilidade Social.Esta Revista e Veja se merecem.
Aproveita-se dos mal informados e lança sua informação ao bel prazer ideológico de direita como sempre fez , desde a dtadaura, fazendo aliança com os Americanos do Grupo Time Life.
Devendo aos nossos Cofres públicos .
Agora quer ferir a candidata a presidente com suas mentiras e propagandas contra a mesma.
Tenta impedir outros candidatos ao debate
Isto é reponsabilidade Social?
Esta é A IGREJA DOS MARINHO,e assim se afirma por atacar a outra e seus bispos.
Já não basta a censura ao Livro AFUNDAÇAO ROBERTO MARINHO-SIM AFUNDAÇAO MESMO.???????
JÁ NÃO BASTA A PROIBIÇAO DOS SEUS MEMBROS -ATORES , ENTRE OUTROS ESTAREM PROIBIDOS DE EXPRESSAREM SUAS POSIÇÕES POLÍTICAS?
PORQUE QUER QUE TODOS LEIAM SUA BÍBLIA DE SUA IGREJA????????????
E porque desvinculou-se da Unicef no Criança Esperança?
Porque muitos atores e cantores se negam a participar desta farsa a favor da criança?
Esta empresa não sabe o que é infância, e sabe para lucrar com a estratégia de temas lgados a mesma, tratando-a como Mercadoria, para efeito de sua audiência.
NEGUEMO-NOS TODOS AS ENTREVISTAS E DIREITOS DE IMAGEM A ESTA IGREJA.
EVITE A GLOBO EM SEUS PRODUTOS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Vejam:
E Mais:


Documentario Rede Globo Parte 1 de 10 - Muito alem do Cidadao KANE (Channel 4 Inglaterra)

e veja

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Workshop de Samba e Forró em Lisboa


Workshop de Samba e Forró em Lisboa
Por: Rita Brandão Guerra | 25 de Janeiro de 2010 | Sem comentários |

Um Workshop de Samba e Forró com professores brasileiros terá início sábado, dia 9 de Janeiro, em Lisboa, e está aberto ao público em geral. O curso realiza-se na Associação Solidariedade Imigrante e terá a duração de quatro sábados entre as 18h30 e as 20h00, com um custo total de 30 euros, podendo os interessados frequentar sessões individuais a 8 euros cada.

Carmen Queiroz, uma das professoras e responsáveis pelo Workshop explica que «por mais que sejam ritmos que podem ser dançados a dois, o objectivo é trabalhar a nível individual». Com este curso pretende-se que «as pessoas desacompanhadas possam aprender forró num estilo mais forró pé de serra, mais tradicional, e no caso do samba o estilo samba no pé que é diferente do samba de salão ou de gafieira», acrescenta a professora.
Os mentores deste projecto em Portugal, Pedro Pernambuco e Carmen Queiroz, são investigadores, bailarinos, coreógrafos e professores de Dança Brasílica, danças inspiradas nos ritmos do Nordeste Brasileiro. A professora explica: «Somos brasileiros, estamos em Portugal há 10 anos e somos professores formados pelo método de Dança Brasílica, método desenvolvido por André Madureira, director e responsável pelo internacionalmente conhecido Balé Popular do Recife.»

Empenhada em trazer as danças populares brasileiras para Portugal, Carmen Queiroz assegura que a receptividade dos portugueses tem sido boa e que se estende também a diversas comunidades emigrantes. Para isso apostam na divulgação dos seus cursos nas universidades e na Internet e não impõem qualquer restrição de idade. As aulas terão cerca de 15 alunos, mas se as inscrições forem feitas previamente este número poderá ser excedido.

O objectivo é continuar a apostar em workshops diversificados e um dos próximos projectos apela à participação no Carnaval de Almada, como refere a professora: «Os interessados deverão inscrever-se o quanto antes. As aulas serão na Casa da Juventude em Cacilhas, às terças e quintas-feiras das 19h00 às 22h00 e aos sábados entre as 15h00 e as 17h00.»

Mas há mais. Em Fevereiro os ritmos serão também africanos, já que a associação contará com a presença de Maio Coopé, da Guiné-Bissau, para um workshop de percussão. A Associação Solidariedade Imigrante acredita prestar com os seus cursos um serviço à cultura, divulgando diversos aspectos das comunidades emigrantes residentes em Portugal através de um projecto de interculturalidade permanente.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Mundo tem 130 mi de livros, diz Google

BY FOLHA



DE SÃO PAULO

Uma pesquisa realizada pelo Google na semana passada divulgou que há 129.864.880 de livros no mundo. A pesquisa teve como base o Google Books, projeto de digitalização de livros da empresa.

Para chegar ao número, o Google coletou informações com mais de 150 fontes do mundo, incluindo bibliotecas, livrarias, catálogos coletivos nacionais e provedores comerciais.

O primeiro resultado desta triagem apontou a existência de quase 600 milhões de volumes no mundo.

A segunda etapa da contagem tentou identificar as várias edições de um mesmo livro ou então obras que são lançadas por editoras diferentes, com nomes distintos.

Segundo a equipe da pesquisa, o livro "Programando em Perl, 3ª edição", por exemplo, tem 96 registros diferentes em 46 fornecedores. Outro caso é "At the Mountains of Madness and Other Tales of Terror", de H.P. Lovecraft, lançado nos EUA por duas editoras diferentes.

Após a nova apuração, a quantidade caiu para 210 milhões de obras diferentes no mundo. Houve então uma nova avaliação, que excluiu textos impressos como relatórios, transcrição de gravações, mapas e outras publicações que não poderiam ser classificadas como livro.

O Google calculou, por fim, 146 milhões de exemplares impressos e encadernados. A última etapa da pesquisa excluiu documentos governamentais e folhetins e artigos autônomos que, na verdade, foram idealizados como um volume único.

Chegou-se ao número de 129.864.880 de livros diferentes no mundo. Os dados referem-se, porém, apenas até o último domingo.

Segundo o Google, o ISBN, sistema internacional padronizado que identifica numericamente os livros segundo o título, o autor, o país e a editora, foi apenas parcialmente considerado pela pesquisa, porque só passou a ser amplamente adotado no mundo no início dos anos 1970.

sábado, 7 de agosto de 2010

TEATRO SANTA ISABEL- RECIFE -PE.

Tese de participação dos EUA no golpe ganha força por Admin última modificação 23/07/2010 15:09

Ex-candidato à presidência afirma que governo atual é dirigido por Washington


23/07/2010



Renato Godoy de Toledo

do enviado a Tegucigalpa (Honduras)



Os EUA tentam vender a imagem de que Honduras vive um governo de conciliação, onde não há violação aos direitos humanos e a resistência praticamente não existe. Essa é a visão de Carlos H. Reyes, sindicalista hondurenho e ex-candidato à presidência da República de Honduras, em 2009. Atendendo aos movimentos sociais, Reyes foi um dos candidatos que desistiu do pleito e engrossou o boicote ao processo eleitoral.



Para o sindicalista, o governo de Honduras, desde o golpe de junho de 2009, tem suas ações baseadas nos interesses de Washington, basicamente. “O embaixador dos EUA aqui [Hugo Llorens] é quem dirige o governo. Eles tentam unificar o Partido Liberal para dividir a resistência e continuam aumentando o poder das Forças Armadas, dando- lhes mais armas e dinheiro. Além disso, há dois meses instalaram a segunda base militar no país, em meio a uma zona indígena onde há petróleo e água”, aponta.



Sob essa constatação, Reyes afirma que o golpe em seu país é parte de uma estratégia dos EUA de retomar o controle sobre a América Central.





Zelaya acusa

No aniversário do golpe de Estado em Honduras, o presidente deposto Manuel Zelaya afirmou que as ações que o tiraram do poder foram orquestradas pelos EUA. O país administrado por Barack Obama, inicialmente, mostrou-se contrário ao golpe, mas foi uma das poucas nações a reconhecer as eleições de novembro de 2009. “Tudo indica que o golpe foi orquestrado na base militar de Palmerola, pelo Comando Sul dos EUA, e executado torpemente por maus hondurenhos. O tempo e o apoio público que os EUA terminaram dando ao golpe e àqueles que o executaram confirmam sua participação”, afirma a carta enviada por Zelaya, desde seu exílio na República Dominicana.



O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Mark Toner, limitou-se a dizer que a declaração do ex-presidente é “ridícula”.

Em entrevista, assessor jurídico da Pastoral Carcerária comenta relatório da entidade sobre a prática da tortura nas unidades prisionais

Ações do documento

Nos porões de hoje
por cristiano última modificação 06/08/2010 15:55
Em entrevista, assessor jurídico da Pastoral Carcerária comenta relatório da entidade sobre a prática da tortura nas unidades prisionais

Patrícia Bnvenuti
Da Redação
VISITE BRASIL DE FATO UMA MÍDIA E TANTO!



A conivência do Estado com os torturadores e a falta de controle da sociedade sobre os locais de privação da liberdade estão entre as causas da manutenção da prática de tortura no Brasil.

As conclusões fazem parte do “Relatório sobre Tortura: uma experiência de monitoramento dos locais de detenção para prevenção da tortura" da Pastoral Carcerária, lançado na segunda-feira (02) na Secretaria da Justiça do Estado de São Paulo.

O relatório baseou-se apenas em denúncias que foram recebidas e tornadas públicas pela entidade. De acordo com o documento, entre 1997 e 2009, houve 211 denúncias de casos de tortura em 20 estados. O estado com maior número de casos registrados foi São Paulo, com 71 denúncias, seguido por Maranhão (30), Goiás (25) e Rio Grande do Norte (12). Ficaram de fora estados importantes como Rio de Janeiro, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, onde os casos de tortura fazem parte do dia a dia da violência Estado.

Entre os torturadores estão policiais civis e militares, guardas metropolitanos, agentes penitenciários e seguranças de estabelecimentos privados.

O relatório mostra ainda que as torturas são utilizadas para obter informações ou confissões, forçar a vítima a cometer crimes, como forma de castigo ou ainda como discriminação racial, religiosa ou de orientação sexual.

Impunidade

As denúncias, no entanto, não resultaram em punição para os torturadores. “Dos 211 casos que relatamos, nenhum deles chegou à condenação criminal”, afirma o assessor jurídico da Pastoral Carcerária, José de Jesus Filho.

Para ele, a impunidade atual é reflexo da falta de responsabilização sobre os torturadores do passado. Como exemplo mais recente, ele cita a rejeição do Supremo Tribunal Federal (STF), em abril deste ano, à revisão da Lei de Anistia, que beneficiou agentes públicos que cometeram crimes durante a repressão civil-militar (1964-1985).

“O STF esqueceu que estava passando uma mensagem para os torturadores atuais de que eles poderiam permanecer impunes”, pondera.

Uma das medidas mais urgentes, na avaliação de Filho, é a implementação do Mecanismo Preventivo Nacional (MPN), previsto no Protocolo Facultativo à Convenção da Organização das Nações Unidas (ONU) contra Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes (Opcat), ratificado pelo Brasil em 2007.

O mecanismo, que garante o monitoramento efetivo dos locais de privação de liberdade, deveria ter sido criado ainda em 2007. Até hoje, no entanto, o anteprojeto de lei não foi encaminhado ao Congresso Nacional.

Em entrevista ao Brasil de Fato, o assessor jurídico da Pastoral Carcerária fala sobre os entraves para a punição dos torturadores e destaca o preconceito contra os presos, que prejudica as apurações.



Brasil de Fato - De maneira geral, qual a situação da tortura hoje nas prisões?
José de Jesus Filho - A tortura é constante nas prisões desse país. Eu diria sem medo de errar que é diária.


Quais as principais causas para a continuidade da prática de tortura nas prisões?
Muitas, e são históricas. O país não enfrentou as raízes do autoritarismo e da violência proveniente dos agentes do Estado. A Suprema Corte não enfrentou a tortura praticada na ditadura como deveria ter enfrentado, decidiu passar uma borracha sobre as atrocidades que ocorreram. O STF esqueceu que estava passando uma mensagem para os torturadores atuais de que eles poderiam permanecer impunes. E aí já entra no aspecto atual, que é a impunidade, que é um fator importante na perpetuação da tortura. Há o corporativismo dos agentes, dos responsáveis pela repressão ao crime e pelo processamento dos casos, em especial membros do Ministério Público e do Judiciário.

Tem também a figura do preso. O preso é uma figura de um estrato social considerado para muitos como despido de humanidade, que pode ser torturado. Ele é um torturado assim como os escravos no período colonial. Diante da indisciplina ele é chicoteado. Até hoje os presos são torturados diante da indisciplina. Então escravos e presos, no fundo, se reduzem a essa mesma ralé estrutural que é controlada por meio de uma gestão autoritária, por meio da violência praticada por agentes do Estado e com a conivência das autoridades porque essas autoridades se omitem em processar e julgar a tortura que ocorre nos porões desse país.


O que a Pastoral Carcerária apurou em relação à punição dos torturadores?
Dos 211 casos que relatamos, nenhum deles chegou à condenação criminal. Houve a responsabilização administrativa para alguns, houve demissão e exoneração de outros. Isso é um avanço. No entanto, a responsabilização criminal não ocorreu.


Para que órgãos geralmente são encaminhadas as denúncias nas prisões?
Esse é outro tema colocado no relatório, que é a dificuldade de se conduzir os casos diante da pulverização das instâncias estatais. Em alguns estados, a Pastoral Carcerária encaminha as denúncias para a ouvidoria [do sistema penitenciário estadual], outras para a Corregedoria do Judiciário, em outros para a Corregedoria da Administração Penitenciária, em outros para a Corregedoria da polícia, outros para a Corregedoria da Polícia Militar. Há uma pulverização de órgãos que torna difícil estabelecer uma agenda, um foco em torno da prevenção e repressão á tortura. A Pastoral Carcerária em geral concentra no Ministério Público.

O ideal é que todos os casos de tortura fossem apurados e investigados pela Polícia Civil. No entanto, diante das dificuldades locais e regionais, em que a Policia Civil ou é corporativista ou está comprometida com as autoridades locais ou mesmo com os perpetradores da tortura, a Pastoral Carcerária necessita fazer uma espécie de malabarismo para levar os casos adiante. Ela acaba buscando no Ministério Público, eventualmente no Judiciário, na OAB, ou mesmo com a Assembleia Legislativa. Vai depender da configuração política de cada região.


Quem são os principais agentes que praticam a tortura?
Quem mais pratica a tortura é a Polícia Militar. No entanto, no relatório, são os agentes penitenciários que aparecem com maior número porque a Pastoral Carcerária está mais presente nas unidades prisionais. Mas comparativamente, se nós formos pela nossa experiência, embora eu não tenha estatísticas -- porque é impossível obter, já que a tortura ocorre atrás das paredes de concreto -- eu diria com certa segurança que é a Polícia Militar.


Essas denúncias contra a Polícia Militar estão relacionadas a ações realizadas nas ruas?
Ela tortura em todos os ambientes que você imaginar. Ela pratica violência na sua casa, pratica violência contra você e sua família, seus filhos. A Polícia Militar pratica violência na rua, dentro dos estabelecimentos privados, como supermercados, lojas e no comércio, nas delegacias. A Policia Militar pratica violência nas penitenciárias também. Seja quando ela ainda está a cargo da penitenciária ou quando ingressa nas penitenciárias para fazer a revista, ela pratica abusos. Ela destrói os objetos pessoais dos presos, pratica violência coletiva, humilhações coletivas, como colocar todos [os presos] nus no mesmo pátio, mandar um beijar a boca do outro, coisas assim. A Polícia Militar, infelizmente, é o poder absoluto, e sobre esse poder absoluto tem, especialmente em algumas regiões do país, uma falta de controle.

Essa é a grande demanda desse relatório, é preciso criar mecanismos eficazes de controle. È necessário que o país cumpra seu compromisso assumido internacionalmente com a ONU de criar um mecanismo independente de controle dos locais de detenção [Mecanismo Preventivo Nacional previsto no Protocolo Facultativo à Convenção da Organização das Nações Unidas para Prevenção da Tortura].


Como esse mecanismo funcionaria e quais seus benefícios?
Esse mecanismo possui duas grandes vantagens que o singularizam. A primeira grande vantagem é que suas características e prerrogativas o tornam independente. Ele tem independência funcional e financeira. Ele é composto apenas por membros da sociedade civil, embora deva ser criado por lei federal. Ele tem a possibilidade de acesso irrestrito a todos os locais de privação de liberdade, e a qualquer momento, de forma não anunciada. E os seus membros têm imunidade em seus atos.


Há experiência de outros países que melhoraram seu sistema penitenciário e reduziram os índices de tortura com essa medida?
A Europa já tem esse mecanismo, então as acusações de tortura praticamente são mínimas, exceto em alguns países do Leste europeu em que [a tortura] ainda precisa ser enfrentada. Mas a República Tcheca tem apresentado bons resultados. Acho que é o país que tem apresentado melhores resultados.


O senhor citou anteriormente a questão da figura do preso. De que forma o preconceito contra o preso atrapalha a apuração das denúncias?
O maior problema é que a palavra do preso é colocada como inverdade, como mentira. Para a autoridade judiciária, o preso está sempre mentindo, enquanto que para a autoridade judiciária o agente público está sempre falando a verdade. Essa ficção foi criada, na verdade, para legitimar a tortura.


Além da implementação desse mecanismo, que outras medidas seriam necessárias para coibir essas práticas de tortura?
A formação dos agentes penitenciários e policiais em direitos humanos; a valorização do agente penitenciário para que ele não tenha que disputar o poder com os presos; que as circunstâncias sejam efetivamente apuradas e que os perpetradores sejam efetivamente responsabilizados; que a Defensoria Pública, como órgão de defesa dos interesses individuais dos presos, seja fortalecida; e que os juízes e promotores cumpram o seu dever institucional de realizar visitas mensais às unidades prisionais. Então, na verdade, há uma série de medidas para serem implementadas.

Las sorpresas de José Serra

EFE imagem
Las sorpresas de José Serra
Mientras la candidata oficialista consolida su liderazgo en las encuestas después de correr desde atrás durante meses, el referente del PSDB no consigue ampliar su base de apoyo en el tramo final de la campaña brasileña.







Por Eric Nepomuceno
Desde San Pablo

El primer debate de la campaña electoral brasileña de poco sirvió: los candidatos se mostraron excesivamente cautos, la temperatura se mantuvo tibia todo el tiempo. La esperada superioridad de José Serra, del PSDB, sobre Dilma Rousseff, del PT de Lula, en esa clase de encuentros no es tan superior como se decía. Se esperaba una postura más propositiva de Serra y más insegura de Dilma. El flojo desempeño de ambos ha sido una sorpresa.

La verdad es que la candidatura de José Serra a la sucesión de Lula produce una sorpresa tras otra, y ninguna de ellas le es favorable. Luego de encabezar durante meses todos los sondeos, con fuerte ventaja sobre su adversaria, en febrero pasado Serra empezó a resbalar. A partir de marzo esa ventaja empezó a encoger pronunciadamente. Y a partir de junio la vio primero empatar y luego superarlo, en todos los sondeos, por un margen cada vez más consistente (entre ocho y diez puntos, acorde con los diferentes institutos de encuestas).

Ahora, cuando falta poco más de un mes para que empiece la tercera y más decisiva etapa de la campaña –los programas electorales transmitidos por televisión–, a Serra le queda la única y menguada esperanza de que ocurra una segunda vuelta (si la adversaria no obtiene el 50 por ciento de los votos válidos en el primer escrutinio). Y es que parece cada vez más concreta la posibilidad de que él sea aplastado ya en la primera, el domingo 3 de octubre. Sería el fin de su carrera.

¿Qué le habrá pasado al candidato que por casi dos años fue el franco favorito para suceder a Lula? Un poco de todo. Le falta un discurso capaz de ampliar su electorado natural, el más conservador, conquistando votos en la centroizquierda. Le falta una propuesta capaz de convencer de que podrá ser una alternativa a uno de los gobiernos más populares y exitosos de la historia contemporánea brasileña. Le faltan una alianza sólida y organizada, militancia real; le falta capacidad para penetrar en las camadas más pobres (y que conforman la mayoría del electorado). Y si faltase algo más, ahora le falta dinero.

Por donde quiera que se mire, la situación de Serra es delicada. El primer balance de recaudación de las campañas de candidatos deja claro que su postulación no despierta el entusiasmo esperado siquiera entre los grandes donantes (bancos, constructoras, empresas poderosas). En ese primer mes de campaña oficial, Serra logró 3.600.000 reales (unos 7.200.000 pesos). Marina Silva, del Partido Verde, cuya candidatura carece de viabilidad electoral, recaudó más: 4.650.000 reales, alrededor de 9.300.000 pesos. Y en la caja de la campaña de Dilma Rousseff entraron 11.600.000 reales, unos 23.200.000 pesos. Hasta su compañero del PSDB, Geraldo Alckmin, que es vinculado con el Opus Dei y disputa el gobierno de San Pablo, logró más donaciones. Y cuando en el principal partido de la oposición un candidato a gobierno estadual recauda más que el candidato a la presidencia, queda claro que algo raro ocurre bajo el cielo.

Esa fragilidad en la campaña opositora coincide con la consolidación de la candidatura de Dilma Rousseff, quien se lanzó como pálida sombra impuesta por Lula a su partido y con el correr del tiempo adquirió vuelo propio. Si en marzo y abril la palabra “Lula” aparecía en una de cada cuatro frases que profería, Dilma ahora pasó a incorporar la expresión “nuestro gobierno”, realzando su participación en los logros de esos casi ocho años de un presidente cuya aprobación popular, cuando faltan poco más de cuatro meses para cerrar su mandato, ronda el 80 por ciento.

Mientras tanto, la estrategia opositora de realzar la poca experiencia de Dilma y su currícula administrativa inferior a la de Serra no surtió el efecto esperado.

El debate del pasado jueves empezó exactamente a los diez minutos del partido entre San Pablo e Internacional de Porto Alegre, por una plaza en la final de la Copa Libertadores. Logró, al empezar, 6 puntos de audiencia. La TV Globo, que transmitía el partido, 28. Terminó con 2 escasos puntos, mientras que el partido llegó a 30. Con tan poco público, no irá cambiar nada. Para los adversarios de Dilma servirá, cuanto mucho, por haber dejado claro cuáles son sus puntos débiles en esa clase de confrontación, y son muchos.

Pero Serra sigue perdiendo espacio. En su terreno (la región sur) fue ampliamente superado por su adversaria en el crucial estado de Minas Gerais, se sitúa casi 20 puntos abajo en Río de Janeiro y pierde poco a poco la amplia ventaja en su estado natal, San Pablo, principal colegio electoral brasileño. Claro que, como en un partido de fútbol, nada estará definido hasta el silbato final, que en ese caso será soplado por las urnas. Pero a menos que ocurra uno de esos imprevistos que caracterizan la magia del fútbol, el partido parece definido.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Morre o cineasta Joffre Rodrigues, filho de Nelson Rodrigues


Morre o cineasta Joffre Rodrigues, filho de Nelson Rodrigues
Filho mais velho do jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues, dirigiu 'O Vestido de Noiva'
BY ESTADAO
Roberta Pennafort

Morreu na noite desta quinta, 5, no Rio de Janeiro, o cineasta Joffre Rodrigues, filho mais velho do jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues e diretor de "O Vestido de Noiva" (2006), filme baseado na peça do pai. Ele tinha 68 anos - faria 69 semana que vem - e estava hospitalizado por conta de uma cirurgia no coração realizada havia duas semanas (foram trocadas válvulas do coração implantadas nos anos 1990). O corpo será cremado no Rio.
Marcelo Bravo/Divulgação
Marcelo Bravo/Divulgação
Joffre Rodrigues tinha 68 anos

Bem antes de estrear como diretor, Joffre havia trabalhado como produtor de outros filmes que se basearam na obra do pai, como "Bonitinha Mas Ordinária" (1963) e "A Falecida" (1965), ambos ainda na juventude, e "Boca de Ouro" (1990). Começou no cinema como ator, com apenas nove anos, no filme "Somos Dois" (1950), dirigido por seu tio, Milton Rodrigues, e com roteiro do pai.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

GOL TRATA MAL PASSAGEIROS E TRIPULANTES


A GOL PRECISA APRENDER UMA LIÇÃO , FACE AOS FATOS DE HOJE E MUITOS OUTROS ATRÁS
AS COISAS QUE OUVIMOS SÃO TENEBROSAS -AS LAMENTAÇÕES DE ALUNOS E ALUNAS QUE TIVERAM AULA COMIGO E QUE TRABALHAM NESTA CIA- O CASO É LASTIMÁVEL-.
POR ÚLTIMO NO DIA 05 DE JULHO AO EMBARCAR PARA BUENOS AIRES VIA GOL, TIVE SANGRAMENTO NAS NARINAS E PEDI UM KIT DE PRIMEIROS SOCORROS, ELES NÃO TINHAM, É UM VOO INTERNACIONAL, OFERECERAM-ME GELO E GURDANAPO DE PAPEL.
TENHO TESTEMUNHA QUE ESTAVA COMIGO
.
E A ANAC O QUE DIZ DISTO?
NA ALIMENTAÇÃO DADA AOS PASSAGEIROS FOI RETIRADO SUCO -AGORA SÓ REFRIGERANTE- NOS VOOS DOMÉSTICOS- NO INTERNACIONAL É VERGONHOSO O QUE ELES CHAMAM DE LARANJA.
PASSEM A FRENTE E VAMOS DAR UM N Ã O A G O L
MUDEMOS PARA :TRIP, AZUL, TAM, WEBJET, AVIANCA, GOL NÃO!!!!!!!!!!!!!!
DIVULGUEM PASSEM ADIANTE E VAMOS APOIAR A POSSÍVEL PARALISAÇÃO DOS TRIIULANTES NO DIA 13.07...........................
GOL F O R A!!!!!!!!!!!!!!!!!

Raimundo Carrero e Edney Silvestre vencem 3ª edição do Prêmio São Paulo de Literatura

Raimundo Carrero e Edney Silvestre vencem 3ª edição do Prêmio São Paulo de Literatura
by UOL

Sérgio Figueiredo / Folhapress

O escritor Raimundo Carrero, autor do melhor livro do ano pelo Prêmio São Paulo de Literatura, na biblioteca de sua casa em Recife (08/12/2005)
BIENAL DO LIVRO: TERROR E PERSONALIDADES
ESPECIAL FLIP 2010
RESENHAS DE LIVROS
"A Minha Alma É Irmã de Deus", de Raimundo Carrero, e "Se Eu Fechar os Olhos Agora", de Edney Silvestre, foram os vencedores do Prêmio São Paulo de Literatura, anunciado esta segunda-feira (2) em cerimônia no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo. Carrero ganhou prêmio de melhor livro do ano e Silvestre, de melhor livro de autor estreante.

Em sua terceira edição, o prêmio é concedido pelo Governo do Estado de São Paulo, via Secretaria de Estado da Cultura, e dá R$ 200 mil para cada um dos vencedores.

Os livros finalistas, todos de 2009, foram divulgados no último mês de maio no Festival da Mantiqueira, em São Francisco Xavier (SP).

Os premiados foram selecionados por júri composto por Walther Moreira Santos, Luís Felipe Pondé, Moacyr Scliar, Plínio Martins e Valentim Facioli.

Em 2009, os vencedores foram "Galiléia", de Ronaldo Correia de Brito, como melhor livro do ano, e "A Parede no Escuro", de Altair Martins, como melhor obra de autor estreante. Na primeira edição do prêmio, em 2008, venceram "O Filho Eterno", de Cristóvão Tezza e "A Chave de Casa", da estreante Tatiana Salem Levy.

Veja abaixo a lista de livros que concorriam aos prêmios, com os vencedores em destaque.

:;Melhor Livro do Ano

Bernardo Carvalho, "O Filho da Mãe" (Companhia das Letras)
Chico Buarque, "Leite Derramado" (Companhia das Letras)
João Ubaldo Ribeiro, "O Albatroz Azul" (Nova Fronteira)
Luiz Ruffato, "Estive em Lisboa e Lembrei de Você" (Companhia das Letras)
Ondjaki, "AvóDezanove e o Segredo do Soviético" (Companhia das Letras)
Paulo Rodrigues, "As Vozes do Sótão" (Cosac Naify)
Raimundo Carrero, "A Minha Alma É Irmã de Deus" (Record)
Reinaldo Moraes, "Pornopopéia" (Objetiva)
Ricardo Lísias, "O Livro dos Mandarins" (Alfaguara)
Rodrigo Lacerda, "Outra Vida" (Alfaguara)



Brisa Paim Duarte, "A Morte de Paula D." (Edufal - Alagoas)
Carlos de Brito e Mello, "A Passagem Tensa dos Corpos" (Companhia das Letras)
Carol Bensimon, "Sinuca Embaixo D'Água" (Companhia das Letras)
Cíntia Lacroix, "Sanga Menor" (Dublinense)
Claudia Lage, "Mundos de Eufrásia" (Record)
Edney Silvestre, "Se Eu Fechar os Olhos Agora" (Record)
Ivana Arruda Leite, "Hotel Novo Mundo" (Editora 34)
Ivone Castilho Benedetti, "Immaculada" (WMF Martins Fontes)
Lívia Sganzerla Jappe, "Cisão" (7 Letras)
Maria Carolina Maia, "Ciranda de Nós" (Grua Livros)

domingo, 1 de agosto de 2010

REDE GLOBO E AGORA RECORD SÃO DO BAGULHO DOIDO


BAGULHO DOIDO
EXPRESSÃO USADA PELOS DEPOENTES EM FAVELAS-MATÉRIA TV RECORD- DOMINGO ESPETACULAR 01.07.2010



REDE RECORD MOSTRA DETALHES DE FAVELAS NO DOMINGO ESPETACULAR .
O QUE QUEREM ELAS MOSTRANDO AS FAVELAS DESVENDANDO, OU MELHOR, QUERENDO, SER FANTÁSTICA OU ESPETACULAR?ELAS NÃO DIZEM QUE BAGULHO SÃO, MAS GANHA DINHEIRO COM O BAGULHO DOS OUTROS A MISÉRIA DAS FAVELAS -NINGUÉM ENTRA EM MORRO SEM ACORDO-!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!.
O QUE QUEREM ESTAS MÍDIAS?
CLARO SER VISTAS, MAS NINGUÉM PODE VE-LAS NAS ENTRANHAS!!!!!!!!!!!!
ESTAS SÃO AS MÍDIAS DA FAMÍLIA MARINHO E MACEDO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
DUAS IGREJAS -UMA ESCONDIDA OUTRA DECLARADA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!REDE GLOBO E RECORD.

A Infância Mídia e Adoção

Escrevendo para o Congresso sobre Adoção no Recife , logo mais, me deparei com algumas questões que quero aqui dividí-las com nossos seguidores e visitantes.
O que a Mídia pensa acerca da infância?
Tem ela interesse em responsabilidade Social para com A Infância e Adoção?

Seria um contra senso sermos ingênuos e acreditar que sim, pois a mídia vende, e o que não vende não é veiculado.
A Infância vende, miséria, morte,violência, pedofilia etc.
Infância pois é mercadoria na mídia, e nada mais.
A mídia com a publicidade, sua gerente, sabe muito bem de Psicanálise no sentido-aplicá-la como estratégia, e assim acertar o inconsciente;esta psicanálise aplicada Baudrillard já nos convencia :a mídia sabe extremadamente fazer o que quer e, entende, pelo nosso bolso inconsciente.
A infância é estratégia na publicidade, para vender, para tocar-nos, no sentido de vender, a mídia como nos disse a psicanalista, Anamaria Vasconcelos acerca da Infância e adoção na mídia:" Ela é denúncia, mas jamais responsabilidade social."
A mais valia interdita-a para tanto- infância e adoção- são produtos que se vende, para quem quer comprar , audiências etc....acordos políticos com ministérios e juizados nacionais, pois é mais valia também.
Estar bem com o poder é compartilhar do mesmo e fazer trocas econômicas
O folhetim , nas mídias seu baú de ouro é microscopicamente estruturado ideologicamente, para mais vender e ajustar acordos.
Nenhum dos tantos escritores - novelistas, escrevem o que bem entende, escreve, o que pode e permitem, manda a empresa, os patrocinadores e a audiência.
O amor romântico, perverso, pouca importa se predicado desta ou de outra forma qualquer , vende, pois acerta no público, causa impacto,pega identidades, comove, mas se o faz , faz por tocar o seu consumidor, e não importa o que ele seja, equilibrado, mórbido, doente, enfim, se consome é que basta.
A adoção para eles é acordo, com o pode e forma, maneira de atingir o público, que no seu remorso cristão é pego pela mídia.Adoção é notícia, e notícia é aquela que vende que impacta e marca- na aparência e simulação.
quantos atores mirins foram consumidos pelas mídias? Muitos, e muitos estão na miséria, não lhes interessa este humanismo.
A ética midiática é uma nova invenção do mundo do consumo e não se agrega ao conceito filosófico da mesma, a mídia está se lixando para a Filosofia, ja nos lembrava Deleuze.