segunda-feira, 28 de março de 2011

A MORTE É UM PODEROSO VENTO

Já disse a poetisa Cecília Meireles-A MORTE É UM PODEROSO VENTO-, mas viver este vento é de um vazio imenso,pasmam as mãos , os dedos, o corpo como todo.
Perder um amigo é um tufão.Mas como disse Lorca e parodiando-o, VAI- TE ROBERTO, mas morre um pouco da natureza, do fascínio e da ternura.
Não olhes para trás tudo está como deve ser, so não tua ausência insólita e a fome de tua presença.

domingo, 20 de março de 2011

Dilma negocia alianza con Obama de igual a igual

La presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, planteó al presidente de Estados Unidos Barack Obama, en el inicio de su gira por la región, la necesidad de derrumbar las "barreras" comerciales impuestas por Washington para avanzar en "una alianza estratégica" sobre la base de una relación "entre iguales".
19.03.2011 | 22.35 |


Obama y Dilma juntos, la mandataria plantó la necesidad de una alianza de "igual a igual".
La mandataria brasileña se quejó abiertamente de la depreciación del dólar que, según sostuvo, "desgasta las buenas prácticas económicas", y de las trabas impuestas por Washington a la importación de productos de su país que demandan restablecer relaciones comerciales "más justas y equilibradas".

Obama, quien inició una gira que lo llevará además a Chile y El Salvador, llegó esta mañana a Brasilia con el principal objetivo de profundizar los lazos políticos con la región y, especialmente con Brasil, ampliar las relaciones económicas que le permitan a las empresas de su país participar de los contratos millonarios que se abren con la explotación petrolera, el mundial de fútbol y los juegos olímpicos.

A la hora de los reclamos, en una presentación conjunta ante la prensa, Rousseff planteó que "es fundamental romper las trabas", al mencionar productos como el etanol, el jugo de naranja y el acero entre los afectados por medidas proteccionistas adoptadas por Estados Unidos, país con el cual Brasil registró el año pasado un déficit comercial de más de 7.700 millones de dólares.

En el campo político, la presidenta brasileña reiteró públicamente la demanda de una "reforma fundamental" en la estructura de las Naciones Unidas que incluya una ampliación del Consejo de Seguridad con la inclusión de Brasil como miembro permanente, consignaron las agencias, Brasil, Ansa y DPA.

"Lo que nos motiva no es el interés menor de ocupación burocrática de espacios de representación, sino la certeza de que un mundo más multilateral generará beneficios para la paz y la armonía entre los pueblos".

La diplomacia brasileña esperaba un apoyo similar, abierto, dado a India en 2010 por Obama en su visita a Nueva Delhi.

El presidente de Estados Unidos, sin embargo, afirmó que Brasil es "cada vez más un líder mundial" y sostuvo que "aprecia las aspiraciones" del país sudamericano para ser miembro permanente del Consejo de Seguridad de la ONU, cuya ampliación, dijo, respaldará.

Si bien "reconoció" el compromiso del país sudamericano en el terreno internacional, evitó ofrecerle un apoyo explícito al reclamo de la presidenta Rousseff de reconocer a Brasil como miembro permanente de la ONU, camino que ya había iniciado su antecesor Luiz Inácio Lula da Silva.

Obama fue menos directo en su declaración pública, en la que se limitó a abogar por una reforma de la ONU para volver el organismo "más eficaz, eficiente y representativo".

Por otra parte, el mandatario estadounidense expresó el interés de su país en convertirse en el futuro en "un gran cliente" del petróleo que producirá Brasil en las gigantescas reservas del yacimiento marítimo del pre-sal, y se manifestó confiado en ambos países lograrán ampliar y profundizar su cooperación económica en las próximas décadas.

Al mismo tiempo, afirmó que Washington está listo a ampliar la cooperación con Brasil en muchos otros campos, como el área de biocombustibles, en la lucha contra el narcotráfico y en acciones militares conjuntas para reaccionar a crisis humanitarias, como la dejada en Haití por el terremoto de enero del año pasado.

En particular, Obama mostró el interés de su gobierno de facilitar la participación de empresas estadounideneses en las obras y servicios millonarias que demandarán al organización del Mundial de Fútbol 2014 y las olimpíadas Río de Janeiro 2016 "Creo que esto es sólo el inicio de lo que podemos hacer juntos en favor de todo el mundo", dijo Obama, quien se manifestó "seguro" de que su visita al gigante sudamericano ha "creado una base para mayor cooperación entre Estados Unidos y Brasil en las décadas venideras".

El mandatario visitante, que llegó a las 7.30 a Brasilia a bordo del Air Force One, acompañado por su esposa, Michelle Obama, y por sus dos hijas, Malia y Sasha.

Obama llegó al Palacio presidencial del Planalto casi media hora después de lo programado y fue recibido con honores por los Dragones de la Independencia -la guardia presidencial- y por 21 disparos de cañón antes de saludar a la presidenta Rousseff, con quien mantuvo una larga reunión a solas.

Estados Unidos es el mayor inversor extranjero en Brasil, pero recientemente fue desplazado por China del puesto de principal socio comercial del gigante sudamericano, que en los últimos años pasó a acumular déficit en su comercio con la potencia del norte.

Además del encuentro con Rousseff, Obama aprovechará su paso por Brasilia para reunirse con empresarios y ejecutivos de firmas estadounidenses y brasileñas antes de viajar esta misma tarde rumbo a Río de Janeiro, donde cumplirá mañana un programa que incluirá una visita turística a la famosa estatua del Cristo Redentor y un discurso en el teatro Municipal.

Jandira Feghali lança web TV por um mandato mais participativo - Portal Vermelho

Jandira Feghali lança web TV por um mandato mais participativo - Portal Vermelho

PCdoB fortalece organização na Petrobrás com núcleo do petróleo - Portal Vermelho

PCdoB fortalece organização na Petrobrás com núcleo do petróleo - Portal Vermelho

sexta-feira, 18 de março de 2011

Protagonismo Internacional Dilma e Obama

Obama, mesmo ressentido com o Brasil, bate o pé na bola e chuta para o protagonismo no Mercosul, via Brasil, com seu pré sal e aí se dará o jogo.Nas relações Internacionais nenhuma visita é de graça, e mais , o presidente OBAMA falará no Rio, na Cinelândia, porque será?Adivinhem e me digam

quinta-feira, 17 de março de 2011

Direitos trabalhistas são um estorvo?

Reproduzo artigo de Leonardo Sakamato, pelo Blog do MIRO, publicado em seu blog:

Reportagem da revista Economist, uma das mais prestigiadas publicações do mundo, afirma que as leis trabalhistas do Brasil são arcaicas, contraproducentes e oneram tanto empresas quanto trabalhadores. Sob o título “Empregador, cuidado” (em português), a revista que chegou hoje às bancas afirma que nossas leis trabalhistas “impedem tanto empregadores como trabalhadores de negociar mudanças em termos e condições, mesmo quando há um acordo mútuo”. O texto reclama que, em 2009, um total de 2,1 milhões de brasileiros teriam processado seus empregadores e que a Justiça do Trabalho não costuma se posicionar a favor destes.

A crítica às leis trabalhistas, dessa vez, veio de fora. Mas aqui dentro esse discurso é constantemente usado no bombardeio contra os direitos dos trabalhadores e vem na boca de “especialistas” que afirmam coisas como “O que os sindicatos não entendem é que, nesta hora, todos têm que dar sua cota de sacrifício”; “Os grevistas não pensam na população, apenas neles mesmos”; “Sem uma reforma trabalhista que desonere o capital, o Brasil está fadado ao fracasso”; “A CLT é uma amarra que impede a economia de crescer”; “É um absurdo os sindicatos terem tanta liberdade, precisamos mudar isso”.

Quando eu jogava Banco Imobiliário e War, decidíamos mudar as regras do tabuleiro para fazer com o que a disputa andasse mais rápido. Depois, a gente cresce e percebe que o mesmo funciona para a vida real. Por exemplo, defenestrar parte da legislação que garante as condições mínimas para a compra da força de trabalho, é uma opção defendida para acelerar o crescimento econômico.

Como já disse aqui antes, informatizar, desburocratizar e tornar mais eficiente a aplicação da lei é possível e desejável e certamente irá gerar boa economia de recursos para empresários e de tempo para trabalhadores. Desonerar a folha de pagamento em alguns itens, como diminuir a contribuição previdenciária, sem reduzir direitos, também é possível. Governo, empresários e trabalhadores já têm estudos e propostas sobre isso.

Mas o problema é que, por trás do discurso do “vamos simplificar”, está também o desejo de tirar do Estado o papel de juiz nesse processo, deixando os competidores organizarem suas próprias regras. Quando um sindicato é forte, ótimo, a briga será boa e é possível que se obtenha mais direitos do que aquele piso da lei. Mas, e quando não é, faz-se o que? Senta e chora?

Quando alguém promete uma reforma trabalhista sem tirar direitos dos trabalhadores irá, provavelmente: a) mudar a CLT e acrescentar direitos aos trabalhadores e tirar dos empresários (faz-me-rir); b) desenvolver um novo conceito do que seja um direito trabalhista (situação em que Magritte diria: “isto não é um cachimbo”); c) Diminuir a arrecadação do Estado junto às empresas e manter os direitos dos trabalhadores (com a nossa sanha arrecadadora e os ralos de corrupção?); d) vai operar um milagre.

Opinar faz parte do jogo democrático e quanto mais pontos de vista circulando, ótimo. Desde que ela seja vista como isso mesmo, uma análise defendida por determinado grupo interessado. Se for tratada como verdade só porque veio de uma fonte em posição de autoridade, aí os trabalhadores têm que ir às ruas.

¿La literatura infantil es literatura?

Casi ignorados por la academia y la crítica, los libros que encuentran a sus lectores entre los niños y jóvenes tienen un rol en su formación y un lugar considerable en el mercado. Autores y especialistas lo analizan como producto cultural, en su función pedagógica y el espacio que queda para la imaginación.
CLIQUE NO TITULO E VÁ A MATÉRIA ORIGINAL

domingo, 13 de março de 2011

A CIDADE E AS ÁGUAS - A CIDADE E SUA PELE

























A cidade é composta por uma pele sobre e sob a qual estamos.
Mas será que temos a consciência disto?
Onde pisamos , onde respiramos,de onde comemos?
Seria inúmeras as razões para falamos da pele da cidade.Mas nos esquecemos dos seus poros, de seu solo, por onde ela respira bebe e devolve.
Onde anda nas ruas, caçadas seus respiradores?
As árvores acusam, rompe as calçadas, as ruas, pede espaço,nós queremos espaços , mas não respeitamos o espaço da terra, da cidade, de seu solo.
Não há cidade sem terra.
Não nos sustentamos na cidade senão pela terra, mas onde anda ela?
Nas enchentes nos damos conta dela? talvez não.Mas aí está a devolutiva dela, ela está impermeabilizada, estrangulada, diferente de estar vestida.Vestida, ela poderia estar por nós, pelas árvores, e pelos nossos objetos mas, sem a demasia que a estrangula, provocando a falta de sua boca, sua terra que bebe e respira.
Assim, ela não mais de boca aberta o suficiente, ela deixa a água rolar para outras bocas e, daí,temos as enchentes e teremos que ter paciência para outro pedaço de sua boca engolir .
Aqui em São Paulo, vivemos isto, como em milhões de outras.
Quando vamos abrir nossa boca para falarmos da boca da cidade nossa, de nossa terra?

BHObama e o ‘garrote vil’ do ditador Francisco Franco

BHObama e o ‘garrote vil’ do ditador Francisco Franco

quarta-feira, 9 de março de 2011

Poesia e romantismo

do Jornal do Comércio-Recife PE em 09.03.2011


Para manter a tradição da festa, blocos reuniram gente de todas as idades e encheram de lirismo foliões que estiveram no fim de tarde e noite de segunda no Bairro do Recife

E como manda a tradição, a Segunda-Feira de Carnaval é o dia de transformar o Bairro do Recife na passarela dos blocos líricos. Este ano, não foi diferente. Não teve chuva que atrapalhasse a festa. O que se viu nas ruas do Centro foi um encontro de todas as idades. Gente que só queria cantar e seguir atrás da agremiação preferida.
Nos versos decorados pelos antigos foliões, lirismo, romantismo e muita poesia. “O melhor do Carnaval de Pernambuco é seguir atrás de uma orquestra de pau e corda. Quando acaba o desfile de uma, já sigo atrás de outra agremiação. Fico até o último acorde. Mesmo com essa chuva toda estamos aqui”, avisava o turista carioca Frederico de Araújo.

O desfile teve início às 16h. Entre outros, apresentaram-se Eu Quero Mais, O Bonde, Bloco das Flores, Confete e Serpentina, Blocos das Ilusões e Batutas de São José.

“A gente faz isso por amor à tradição. Não temos nenhuma ajuda do poder público e estamos resistindo ao abandono. A tradição é o nosso combustível. A chuva sempre prejudica o espetáculo. Mas vamos em frente”, disse José Marcolino da Silva de Lima, 45 anos, um dos integrantes do Batutas.

No palco do Marco Zero, cada agremiação tinha direito a 10 minutos para fazer a exibição. Houve também desfile na Praça do Arsenal.

O fim de tarde na segunda-feira, no Bairro do Recife, também foi marcado por muita confusão e correria. Vários furtos foram registrados pela Polícia Militar. Até as 19h, 15 adolescentes tinham sido apreendidos e liberados após serem revistados. À tarde, um princípio de incêndio foi registrado no palco do Marco Zero. O problema foi contornado rapidamente. Não houve feridos.

sábado, 5 de março de 2011

Muestra: Grandes Autores. Grandes Ilustradores


Muestra: Grandes Autores. Grandes Ilustradores

Entre el 9 y el 31 de marzo la TV Pública abre sus puertas para presentar una Muestra sobre dibujos originales, litografías y grabados de grandes artistas que han ilustrado con sus obras infinidad de libros editados en Argentina.

En el año en que la Ciudad de Buenos Aires ha sido designada por la UNESCO como Capital Mundial del Libro, el Museo del Dibujo ha armado la Muestra “Grandes Autores. Grandes Ilustradores”.

En ella pueden verse más de 60 grabados, dibujos originales y litografías de grandes dibujantes y artistas plásticos, que han ilustrado con sus obras infinidad de libros editados en Argentina, entre los cuales se encuentran Carlos Alonso, Américo Balán, Demetrio Urruchua, Adolfo Bellocq, Blas Castagna, Pablo Pereyra, Alfredo Guido, Emilio Pettoruti, Juan Lamela, Norberto Onofrio, Carlos Varau, Remo Bianchedi, Norah Lange, Antonio Berni, Lino Enea Spilimbergo, Cristina Santander, Luis Seoane entre muchos otros.
La Televisión Pública se enorgullece en presentar esta amplia y diversa colección, que puede ser visitada entre el 9 y el 31 de marzo, de 8.00 a 20.00 hs., en Av. Figueroa Alcorta 2977, con entrada libre y gratuita
El Museo del Dibujo y la Ilustración, comenzó sus actividades en el año 2004, cuando Horacio González desde la Biblioteca Nacional y la Arquitecta María Isabel Larrañaga desde el Museo Sívori, impulsaron a Hugo Maradei y Hugo González Castello a hacer públicas sus colecciones personales. Desde entonces no ha pasado un año sin que presenten nuevas exposiciones.

Este Museo itinerante que cuenta con alrededor de 8000 dibujos, ilustraciones y grabados, se propone preservar y catalogar este patrimonio tan valioso de los argentinos, con el fin de difundirlo para el conocimiento de las nuevas generaciones.

Eduardo Galeano por TELESUR 2

Eduardo Galeano por TELESUR

Clique no título

sexta-feira, 4 de março de 2011

Canal da Imprensa - Revista Eletrônica do curso de Jornalismo do Unasp-EC

Canal da Imprensa - Revista Eletrônica do curso de Jornalismo do Unasp-EC

iPad 2 faz Samsung rever planos para novo tablet

iPad 2 faz Samsung rever planos para novo tablet

Na sequência do anúncio do segundo modelo do iPad, um executivo da Samsung admitiu alguns aspectos do próximo modelo do Galaxy Tab, incluindo o preço, terão de ser revistos.

O Tab de 10 polegadas foi mostrado em Fevereiro, num congresso em Barcelona (Reuters)

À agência noticiosa sul-coreana Yonhap (a Samsung é uma multinacional com sede na Coreia do Sul), o vice-presidente executivo da divisão de dispositivos móveis, Lee Don-joo, afirmou que o preço e a espessura do iPad 2 (que é 33 por cento mais fino do que o anterior) são um desafio para a Samsung e que a empresa terá, para o lançamento do segundo Galaxy Tab, de “melhorar as partes que não são adequadas”.

Segundo as especificações já anunciadas, o próximo Tab terá um ecrã de dez polegadas (um tamanho semelhante ao do iPad), abandonando as sete polegadas do seu predecessor. Estará equipado com o Android 3.0

Numa abertura que não é frequente na indústria, Lee Don-joo adiantou que “o de dez polegadas ia ser mais caro que o de sete, mas vamos ter de pensar outra vez nisso”. O novo iPad será lançado com preços idênticos aos do anterior modelo (cujos preços, por seu lado, deverão sofrer uma redução enquanto houver stock).

Em 2010, o Samsung Galaxy Tab (que já vinha equipado com câmara) foi o único tablet a ser tido com uma eventual alternativa ao iPad.

terça-feira, 1 de março de 2011

Os poderes e os limites da internet

Reproduzo matéria de André Cintra, publicada no novo sítio do Centro de Estudos Barão de Itararé:

Não faltou polêmica no debate inaugural do seminário “Internet: Acesso Universal e Liberdade da Rede”, promovido pelo Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, no sábado (26/2), em São Paulo. Com mediação de Altamiro Borges, presidente do Barão, a discussão teve ares de um julgamento em que à Web cabia o banco dos réus.

“A internet foi construída de maneira diferente das outras mídias de massa e tornou mais fácil a articulação de ações coletivas”, afirmou o professor Sérgio Amadeu, da UFABC. Citando as “revoltas árabes” e o fenômeno WikiLeaks, Amadeu opinou que, na Rede Mundial de Computadores, o “difícil não é obter um canal para falar — mas, sim, ser ouvido”.

A essa “liberdade” — que, em tese, revelaria uma mídia altamente democrática —, contrapõe-se o domínio da infraestrutura da internet por grandes corporações. São interesses desse tipo que põem em xeque a neutralidade da rede. “Querem transformar a internet numa TV a cabo, com controle sobre as opções das pessoas. O controle técnico — que já existe — não pode se tornar controle civil, cultural, político”, protestou Sérgio Amadeu.

Já Marcos Dantas, da UFRJ, questionou o suposto poder da internet em transformar os valores e os comportamentos da sociedade. “Será que a internet muda a cultura dominante ou apenas a reforça? Que tipo de entretenimento ela está gerando?”, indagou. Para Dantas, as pessoas buscam na internet conteúdos parecidos com o que elas mesmas procuram em outras mídias, como as rádios.

“A comunidade originária da internet acreditava na neutralidade da rede e tinha certo poder, que, no entanto, não foi socialmente constituído — virou espaço político e social. Há uma massificação não para a forjar a democracia, mas para produzir comportamentos e identidades voltadas ao consumo”, diz Dantas. “O que derrubou Mubarak (o ex-presidente egípcio Hosni Mubarak) não foram as redes sociais. Foi o povo na rua e os 236 mortos. O Facebook só ajudou a comunicar.”

A deputada federal Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) centrou sua exposição nas possibilidades de tornar a internet mais próxima aos cidadãos. “Não precisamos lutar por contradições falsas. É preciso trazer o debate para a conjuntura atual e lutar por uma regulamentação livre da rede”, analisou.

Na opinião da parlamentar, “à medida que cresce a democratização da rede, crescerá a repressão”, sob o argumento central da insegurança. “Hoje responsabilizam a internet por crimes como a pedofilia, que acontecem nas casas, nos clubes, nas igrejas. Pela lógica deles, teriam de instalar câmeras nas residências — e nem assim coibiriam os crimes”, sustenta Manuela. Segundo ela, “não podemos abrir mão das liberdades individuais — já consagradas na Constituição — pelo bem-estar coletivo”.

O jornalista Luis Nassif trouxe ao debate outra abordagem, ao ressaltar a força da internet — especialmente das redes sociais — como alternativa à grande imprensa. “Acabou o monopólio da informação pelo jornal, Todos os fatos relevantes tinham de passar pela velha mídia, que agora é batida de igual para igual com a rede”, comentou.

O poderio contra-hegemônico da rede impõe à blogosfera o desafio do apuro na checagem de dados. “A credibilidade da nova estrutura de informação é fundamental”, diz Nassif. De acordo com o jornalista, a internet já provocou, sim, transformações culturais. “Há uma nova mentalidade, uma renovação política, que vem da internet. Vejo ressurgir a militância, inclusive do PSDB.”

Realizado no auditório do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, o seminário da Barão de Itararé contou com 80 participantes presentes e outros 5 mil que acompanharam a programação on-line. No final do evento, entidades da área de educação e movimentos sociais lançaram o manifesto “Banda Larga é um direito seu! Uma ação pela internet barata, de qualidade e para todos.”
Postado por Miro às 22:08 Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Google Buzz