terça-feira, 24 de abril de 2012

SEBASTIÃO NERY D PE

Paris – O pai, africano, foi brigar no Vietnam como soldado francês. Acabou a guerra, voltou, o filho nasceu em Paris e foi ser motorista de táxi. Um cidadão francês negro. Tinha pavor de Sarkozy, o candidato da direita à Presidência da República nas eleições de abril de 2007 aqui na França (segundo turno em maio), quando me contou sua história, trazendo-me do aeroporto para o hotel. Pôs uma música de Gal Costa “em homenagem ao Brasil” e continuou seu discurso: – “Sou um cidadão francês igual a Sarkozy. Filho de pai africano e mãe francesa. Ele é filho de pai húngaro e mãe grega judia. Mas, se ele pudesse, eu seria expulso da França como “imigrante” só porque sou negro. Ele é um racista. Tem horror de negro, de árabe, de muçulmano, de latino americano. Se for presidente, primeiro vai querer proibir novos imigrantes de entrarem aqui. Depois, vai querer mandar embora os que já estão aqui”.

terça-feira, 3 de abril de 2012

M E L.. D A .. P A L A V R A: A BAIA DE TEUS OLHOS - Paulo Tave PB

M E L.. D A .. P A L A V R A: A BAIA DE TEUS OLHOS - Paulo Tave PB: Para Amália Vas Na baia de teus olhos cercam-se escamas e fecham-se todas as bordas O tempo da vida secou tua água U...

Filhos... Melhor tê-los? ...Edineide Silva

Edineide Silva

Coordenadora do Núcleo de Adoção e Estudos da Família
2ª Vara da Infância e Juventude do Recife


Filhos... Melhor tê-los?
A notícia da morte trágica do Bispo Robson Cavalcanti e de sua esposa Miriam Cavalcanti deixou a muitos atônitos pela perda de pessoas significativas no mundo cristão e político. Mais ainda atônitos ao saberem que o filho do casal, Eduardo, era o autor dos homicídios. Rapaz jovem, com educação formal, mas devastado pelo consumo de drogas. Além das perdas irreparáveis, muitos também ficaram estupefatos pela associação imediata da mídia com a condição de filho adotivo de Eduardo. As manchetes eram claras: Filho adotivo mata pais. A ênfase na condição de adotivo estava mais que explícita, trazendo consigo a indignação de muitos com a facilidade com que esta condição estava atrelada a uma conduta homicida. Pessoas se rebelaram contra essa linha de raciocínio fácil e superficial de que filhos biológicos não cometem crime contra seus pais, não são agressivos, nem desrespeitosos, pois se assim o fossem, as manchetes estampariam: Filho biológico mata mãe ou Filho de sangue se volta contra seus pais. Tal perspectiva midiática nunca foi produzida, pelo menos na história do Brasil.
Espanta-nos encontrar acusações fáceis quando um filho adotivo mata seus pais e de imediato, a justificativa de que cuidar dos “filhos de outros” é sempre desastroso. Entretanto, crimes contra familiares, irmãos e pais não são ações contemporâneas do ser humano. Encontraremos Caim contra seu irmão Abel, o parricídio nos Irmãos Karamázov de forma magistral, e na atualidade, a mídia cotidiana, às vezes em programas sensacionalistas ou populescos, a exploração e exposição desta temática de forma mais corriqueira.
Estamos lidando com um vasto universo de representações sociais sobre família, infância, filiação e com estereótipos que constroem preconceitos difíceis de serem rompidos e modificados. Ao sabor das novidades ou tragédias do cotidiano encontraremos no senso comum ou nos formadores de opinião, a assunção da adoção como uma atitude que traz um significado singular e positivo para aqueles que constroem sua família com crianças e adolescentes não advindos de sua linhagem biológica e, que nem por isso, lhes falta algo ou se torna uma filiação de segunda categoria. Os exemplos inesgotáveis traduzem a felicidade daqueles que encontram na construção da maternidade e paternidade um caminho para oferecerem a uma criança, o que eles têm de melhor: a necessidade de dar amor a alguém e vislumbrar a possibilidade de oferecer as condições para que esse alguém se torne “decente”, um sujeito de valor. Não é isso que todos os pais e mães dizem querer para seus filhos?
O poeta diz: Filhos...filhos? Melhor não tê-los. Mas se não os temos, como sabê-lo? Comem botão, noites insone, “chupam gilete”, “tomam shampoo”, “quantas consultas”, “banho de mar: engolem água...” Filhos, melhor não tê-los! Eles nos tiram do centro dos nossos desejos mais egoístas, do nosso espelho, do tempo dedicado só a nós. Eles serão ingratos e nos abandonarão na velhice. É certo!
Encontramos afirmações do quanto de loucura há naqueles que desejam ter filhos ou até mais de um, denunciando sem saber, o quanto se perde ao se ganhar filhos.
Mas, e a maciez dos cabelos deles? O cheiro de sua pele? “Que coisa louca que coisa linda que os filhos são!” Eles se parecem conosco, serão melhores que nós, com eles poderemos rivalizar, com eles seremos longevos, eternos. O que perdemos voltamos a ganhar? Ou será que durante todo o tempo tentamos não perder?
Questionar ter filhos é da condição humana, eles nos descentram, nos atingem no âmago do nosso narcisismo. O imperativo de amá-los também traz consigo o imperativo de odiá-los.
Questionar como lidaremos com nossos limites, como grandes crianças que sofrem ao dividir o brinquedo ou que o mundo continua a girar com ou sem a nossa presença, é uma tarefa humana extremamente dolorosa. Não somos o centro do universo, não somos os maiorais na terra, nem tão poucos donos na nossa própria casa. Somos seres racionais, mas com desejos que não controlamos e que deveremos abrir mão ou até encontrar caminhos para eles que causem menos danos para nós e para os outros.
Questionar ou priorizar ter filho adotivo ou biológico é apenas uma massa cinzenta ou uma cortina de fumaça para o que está por trás: Queremos ter filhos? Suportaremos não ser mais o centro? Como eles lidarão com a questão dos limites da lei, da interdição. Qual a relação disto com o modo que lidamos com as interdições? Poderemos encontrar no amor dedicado a eles uma forma de nos reerguer? Eis a questão!

Millor

http://blogdetec.blogfolha.uol.com.br/2012/03/28/millor-e-a-tecnologia/









É necessário esquecer MILLÔR para que não sintamos TANTO sua falta (dos velhos anos 80 e 90) obretudo.
PIF PAF ,O CRUZEIRO,O PASQUIN E OS BONS TEMPOS DA VEJA.s
Tomemos Janio de Freitas:

Millôr, além de tudo o que criou, e criou de tudo, criou também um engano involuntário. A propósito dele mesmo, mas não o engano do nome. Milton de verdade, na certidão e por desejo paternal, Millôr por sargentada de um militar que cismou ser o t um segundo l e o traço do t um circunflexo no o: "É Millôr!". Miltinho até os 17 ou 18, Millôr para sempre.

O outro engano recaiu sobre nós. Acompanhou Millôr desde a primeira página do "Pif-Paf" no longínquo "O Cruzeiro" e agora se mostra com toda intensidade, nos jornais, nas TVs, nas conversas sobre "o humorista Millôr". Mas desengane-se: Millôr não era humorista.

Millôr foi um pensador. Brilhante e fertilíssimo pensador. Ilimitado nos temas e incessante no seu exercício de pensador.

O humor foi uma linguagem para o pensador. Uma das linguagens. Como a palavra, escrita ou vocalizada. Como o traço e as cores no desenho e na pintura, de uma riqueza de sentidos só comparável à preciosidade da criação estética. Como a elaboração cênica e verbal do autor de teatro. O humor foi a mais presente e perceptível linguagem de Millôr, mas linguagem do pensador.

Cada sentença e cada texto, cada pintura e cada peça, cada conversa de Millôr conteve, sempre, um significado ético, ou humanístico, ou crítico, e mais, mais -sempre o significado adicional, além do visível e do audível. E, no final, ali estava a razão de ser do escrito, do desenhado, do dito. E nada construído: nascido, simplesmente.

Pensador de hábitos inesperados. Quando Paulo Mendes Campos, Marco Aurélio Mattos e eu, o caçula aceito, chegávamos de manhã à praia, já Millôr havia feito ginástica em uma academia precursora e repetido corridas na areia. Encontros por anos e anos, cujas conversas não terminaram ainda: percorrem com frequência minha cabeça, em pedaços que esperavam continuação ou que são inesquecíveis. Eram três intelectuais gigantescos, a me injetar, sem querer, perplexidades e curiosidades, um dia porque alguém decidira ler Humboldt, no outro porque alguém descobrira uma sutileza ainda impercebida em certa passagem de Shakespeare, ou um pintor, um livro, muitos livros -tudo terminava em livros.

O último de nossos almoços regulares, que desde as dificuldades físicas de Millôr estavam transferidos para o seu estúdio, foi também o último seu com amigos. Naquele dia, ainda Luis Gravatá e Cora Rónai. Foi suave, mais longo do que o habitual por insistência do Millôr. No dia seguinte, de repente, Millôr iniciou longo período de vida quase toda em ausências.
Quando dirigiu a Casa Laura Alvim, Eliana Caruso fez uma edição fac similar da revista "Pif-Paf", que Millôr lançou depois de deixar "O Cruzeiro". Tiveram comigo a gentileza de me entregar o texto de apresentação. Terminei-o com uma frase mais ou menos assim: "Tive a sorte de conhecer um gênio".

Mais do que conhecer, a sorte me permitiu o convívio. Foi uma amizade de quase 60 anos, sem baixios, com intimidade bastante para as confidências nas aflições e em coisas pessoais, para solidariedade e confiança.

Minha gratidão, meu amigo Millôr.

Janio de Freitas (Folha de S. Paulo, sexta-feira, 30 de março de 2012)

A Noiva da Paulista

Lembro-me da Casa Madame Rosita, no fim da Av. Paulista, quase na esquina com a Haddock Lobo, anos 70. Era um casarão, de certa forma imponente, onde se trabalhava com moda feminina, num tempo em que a alta costura ainda estava chegando por aqui. Seu nome, de fato, era Rosa de Libman, uruguaia que aportou no Brasil em 1935. Naquele mesmo ano, inauguraria sua Maison, denominada Peleteria Americana, na Rua Barão de Itapetininga, em São Paulo. Seu foco eram artigos de pele, visons, mantas, raposas e zibelinas. Mme. Rosita trazia para cá as mais famosas peles do mundo, sendo responsável pela primeira griffe brasileira, podemos assim afirmar. Seu primeiro desfile profissional no país foi em 1944, uma verdadeira vanguardista da Alta Costura no Brasil!
Primeiro, sua loja foi no centro da cidade, quando a Barão de Itapetininga estava no auge. Após a decadência, ela instala-se no Conjunto Nacional da Av. Paulista, agora com o nome de Madame Rosita, num momento em que aquele projeto arquitetônico inflamava a cidade. Depois ela criaria a sua própria casa, no casarão da Paulista com a Haddock Lobo a que me refiro.
Do outro lado da avenida, havia a Sloper, casa que eu já conhecia no Recife, terceira maior cidade do país àquela época, após São Paulo e Rio. A Sloper foi uma espécie de Magazine Chic, frequentado pelas dondocas, onde encontravam-se luvas, lenços, echarpes finíssimas e bijuteria sofisticada, além de grandes marcas de cosméticos, entre as quais Helena Rubenstein, patrocinadora oficial do Miss Brasil, concurso de sucesso no fim dos anos 70 (mas havia, ainda, outra dezena de marcas!).
Bem, mas eu disse tudo isso para tentar descrever parte do cenário no qual se insere o tema deste texto: a noiva da Paulista! Vamos a ela.
Recordo-me, nos anos 70 para 80, da aparição, costumeira, às tardes, de uma mulher de seus sessenta e tantos anos, senão mais, que desfilava em frente à loja da Madame Rosita, trajando um vestido de noiva com uma grande cauda, um buquê de flores e, claro, um solidéu. Compenetrada, passeava, desfilava pela calçada como uma personagem de Godard: para mim, aquilo era cinema ao ar livre! Admirava-me a coragem e a forma compenetrada da tal mulher, louca, não sei; sei que, de coragem e poder de criação, sim! Era o tempo em que performance era loucura; hoje ganha-se dinheiro com as estátuas vivas, ou esculturas humanas... Bom!
Mas o que se passaria na cabeça da tal mulher? O que a levaria àquela atitude? A mim, trazia todo um imaginário cinematográfico, a imagem que nos alucina, só que estava bem ali, ao vivo e em cores e cheiro!
Certa vez, cheguei mais perto da tal figura e senti seu perfume, seu rosto de inteira fidelização ao personagem empunhado. Dava-me uma vontade de acompanhá-la com um traje equivalente, mas eu pensava que lhe roubaria a cena... Mas vontade eu tinha... Tinha sim: era a erupção, a exuberância, o crer no desejo e realizá-lo, postando, assim, parte de suas dobras de subjetividade, e, ao mesmo tempo, adornando a cidade. Talvez o fluxo das pessoas daquela avenida não a compreendesse, não a sentisse, mas que ela tinha público, tinha!
Essa mulher foi para mim, por incrível que pareça, a minha visão da Madame Rosita, já que nunca conheci a sua loja, tampouco ela, em pessoa.
A noiva era símbolo da decadência da pauliceia rica, enlouquecida, que não perdia a pose, que mantinha o charme e a sedução. Ela era o desencontro de tantos da cidade e, ao mesmo tempo, o encontro da fascinação em tempos de alta moda, para poucos. Ela zombava, era uma noiva solitária, silenciosa, sem seu par, mostrando que, mesmo assim (e apesar disso!), vivia como “noiva do além”.
A noiva da Paulista é a noiva sem casamento, como a avenida, que não casou, pela sua imponência, ficou só mais pomposa, deturpada, com a sua cauda já ultrapassada por outras caudas de outras noivas solas, das avenidas da cidade.
Hoje eu penso: mudou? Será que não existem noivas, noivos punks, agora com outra performance, mais brutal, com seus cenários de clubes da luta? Continua, agora, não mais Godard - Une femme est une femme (J. L. Godard, 1961) -, mas sim clubes das lutas de skinheads e punks... outros noivos...
E termino com Eduardo Gudin:
… Se a avenida / Exilou seus casarões / Quem reconstruiria / Nossas ilusões?/ Me lembrei / De contar pra você / Nessa canção / Que o amor conseguiu […] / Se os seus sonhos / Emigraram sem deixar / Nem pedra sobre pedra / Pra poder lembrar / Dou razão / É difícil hospedar / No coração / Sentimentos assim